A ambigüidade da violência

Daniela Bogado Bastos de Oliveira

Resumo


Este trabalho visa demonstrar que, num contexto de controle e exclusão social, fica evidenciada a ambigüidade da violência que marca a sociedade contemporânea, quando violentador e violentados são faces da mesma moeda. Aborda-se, então, a seletividade do sistema penal que criminaliza a miséria, bem como o discurso repressivo e de recrudescimento das leis que ganha ênfase diante da sensação de insegurança, impunidade e descrédito do direito. A par disto, passa-se a ponderar que esta “lógica do inimigo” e de “tolerância zero” propicia a violação de direitos humanos, encobrindo aspectos centrais como a efetivação de políticas públicas e o respeito à dignidade humana.

Palavras-chave


Violência; Exclusão Social; Direitos Humanos

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, José Cláudio Souza Alves. Assassinos no poder: a ação de grupos de extermínio dá lucro

à contravenção e favorece a ascensão de políticos ligados ao crime na baixada fluminense.

Dossiê violência urbana. Revista de História da Biblioteca Nacional, n. 25, p36-39, out 2007.

BATISTA, Nilo. 1997. “A violência do estado e os aparelhos policiais”. In: Discursos Sediciosos.

Rio de Janeiro: Instituto Carioca de Criminologia, ano 2, nº 4. pp. 145-154.

______. 2002. “Mídia e sistema penal no capitalismo tardio”. In: Discursos Sediciosos – Crime,

Direito e Sociedade. Rio de Janeiro: Revan. pp. 271-289.

BATISTA, Vera Malaguti. 1998. Difíceis ganhos fáceis: drogas e juventude pobre no Rio de

Janeiro. Rio de Janeiro: Freitas Bastos.

______. “Medo, Genocídio e o lugar da ciência”. 1999. In: Discursos Sediciosos – Crime, Direito

e sociedade. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, nº 7 e 8, ano 4, 1º e 2º semestres/99. pp. 135-142.

BAUMAN, Zygmunt. 2000. Em busca da política. Rio de Janeiro: Zahar.

D’AGOSTINI, Sandra Mári Córdova. 2004. Adolescentes em conflito com a lei... & a realidade!

Curitiba: Juruá.

DA MATTA, Roberto. 1997. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema

brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco.

HONNETH, Axel. 2003. “Atualização sistemática: a estrutura das relações sociais de

reconhecimento”. In: Luta por reconhecimento. A gramática moral dos conflitos sociais. São

Paulo: Ed. 34.

HUMAN RIGHTS WATCH. 1998. O Brasil atrás das grades. Nova Iorque – Washington –

Londres – Bruxelas - Rio de Janeiro: Copyright.

LAFER, Celso. 1991. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de

Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras.

LEAL, César Barros. 1998. Prisão: crepúsculo de uma era. Belo Horizonte: Del Rey.

OLIVEIRA, Maria Beatriz Bogado Bastos de. 2001. “Execução penal: um estudo de caso (a

penitenciária Carlos Tinoco da Fonseca)”. In: Anais do III Congresso Nacional dos Defensores

Públicos. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

PASSETTI, Edson. 2002. “Abolicionismo penal: um saber interessado”. In: Discursos Sediciosos

– Crime, Direito e Sociedade. Rio de Janeiro: Revan. p. 107-117.

SÁ, Geraldo Ribeiro de. 1996. A prisão dos excluídos: origens e reflexões sobre a pena privativa

de liberdade. Rio de Janeiro/Juiz de Fora: Diactorim/EDUFJF.

RIBEIRO, Darcy. 1995. O Brasil como problema. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

SANTOS, Boaventura de Sousa. 2000. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a

política na transição paradigmática. 2. ed. São Paulo: Cortez.

WACQUANT, Loïc. “A ascensão do Estado Penal nos EUA”. In: Discursos Sediciosos. Rio de

Janeiro: Revan, ano 7, nº 11. pp. 13-39.

ZAFFARONI, Eugenio Raul. 1991. Em busca das penas perdidas. Rio de Janeiro: Revan.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu9i2.p106

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Confluencias



A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

 

Resultado de imagem para bielefeld base