O campo Jurídico em Pierre Bourdieu: a produção de uma verdade a partir da noção de propriedade privada nos manuais de Direito

Joaquim Shiraishi Neto

Resumo


As análises em torno do Direito vêm focalizando prevalentemente ora os elementos formais, ora os instrumentais e, nesse sentido, reduzem a possibilidade de compreensão do próprio Direito. A noção de campo jurídico utilizada por Pierre Bourdieu torna-se um importante instrumento para compreender esse universo social do mundo jurídico, que organiza as relações e delimita os espaços, onde os “operadores do direito” concorrem entre si pelo monopólio do direito de dizer o Direito. Neste sentido, a noção de propriedade privada contida nos manuais de “Direitos Reais” ou de “Direitos das Coisas”, permite explicitar esse processo de luta que ocorre no interior do campo jurídico, evidenciando a construção de uma prática e de um discurso jurídico próprios, cujos objetivos são a produção, reprodução e difusão de um tipo de conhecimento e de saber, que mais ter servido para cristalizar o pensamento jurídico dominante.

Palavras-chave


Direito; Campo jurídico; Pensamento jurídico dominante

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. 1968. Campo intelectual e projeto criador. In: POUILLON, J. et al.

Problemas do estruturalismo. Rio de Janeiro: Zahar.

BOURDIEU, Pierre. 1989. O poder simbólico. Tradução de: Fernando Tomaz. Rio de Janeiro:

Bertrand do Brasil.

BOURDIEU, Pierre. 1999. A economia das trocas simbólicas. Tradução de: Sergio Miceli. 5.ed. São

Paulo: Perspectiva.

BOURDIEU, Pierre. 2001. Contrafogos 2: para um movimento social europeu; trad. André

Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

CARBONNIER, Jean. 1983. Flexible Droit: textes pour une sociologie du droit sans rigueur.

Paris: LGDJ.

COMPARATO, Fábio Konder. 1986. Função social da propriedade dos bens de produção.

Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, ano XXV, n.63, jul./set. 71-79.

CRUET, Jean. 2003. A vida do direito e a inutilidade das leis. 2º Ed. Leme: EDIJUR.

ENGELS, Friedrich. 2002. A origem da família, da propriedade privada e do estado. Tradução

de: Leandro Konder. 16.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

FACHIN, Luiz Edson. 1987. Da propriedade como conceito jurídico. Revista dos Tribunais, ano

, v.621, jul. 16-39

FACHIN, Luiz Edson. 2004. Introdução. Das raízes do direito civil brasileiro contemporâneo.

In: GOMES, Orlando. Direitos reais. Rev. atual. e aum. por Luiz Edson Fachin. 19.ed. Rio de

Janeiro: Forense. pp.1-6.

FARIA, José Eduardo; CAMPILONGO, Celso Fernandes. 1991. A sociologia jurídica no Brasil.

Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris.

FOUCAULT, Michel.1997. A arqueologia do saber. Tradução de: Luiz Felipe Baeta Neves. 5.ed.

Rio de Janeiro: Forense Universitária.

GOMES, Orlando. 1952. Significado da evolução contemporânea do direito de propriedade.

Revista dos Tribunais, ano 41, v.205, nov. 3-15.

GOMES, Orlando. 1958. Raízes históricas e sociológicas do código civil brasileiro. Salvador:

Universidade da Bahia.

GOMES, Orlando. 1958. Direitos reais. Rio de Janeiro: Forense.

GOMES, Orlando. 1990. Direitos reais. 10º ed. Rio de Janeiro: Forense.

GOMES, Orlando. 2004. Direitos reais. Rev. atual. e aum. por Luiz Edson Fachin. 19.ed. Rio de

Janeiro: Forense.

LOPES, José Reinaldo de Lima. 1981. Função social do ensino da ciência do direito. Revista de

Informação Legislativa, ano 18, n.72, out./dez.369-371.

SHIRAISHI NETO, Joaquim. 2004. O Direito das Minorias: passagem do “invisível” real para o

“visível” formal. Doutorado, Programa de Pós-graduação em Direito da Universidade Federal

do Paraná (PPGD/ UFPR).

TEPEDINO, Gustavo. 1989. A nova propriedade (o seu conteúdo mínimo, entre o código civil,

a legislação ordinária e a constituição). Revista Forense, ano 85, v.306, abr./maio/jun.73-78.

TEPEDINO, Gustavo. 2001. Temas de direito civil. 2.ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Renovar.

PEREIRA, Lafayette Rodrigues. 1877. Direito das cousas. Rio de Janeiro: Garnier, v.1.

PERLINGIERI, Pietro. 1971. Introduzione alla problematica della proprietá. Camerino: Jovene.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu9i2.p112

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Confluencias



A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

 

Resultado de imagem para bielefeld base