“BRINCANDO DE GATO E RATO” NO COMPLEXO DO ALEMÃO: UPPs, “ESTICAS” E “ACORDO DE CAVALHEIROS” NA NOVA BRASÍLIA E NO ALEMÃO

Vinicius Esperança

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar, a partir de etnografia realizada no conjunto de favelas do Complexo do Alemão (RJ), formas pelas quais os agentes do estado gerem a nova forma de ocupação do território através das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). Entendo a ação destes agentes como determinadas por dispositivos de controle que objetivam uma gestão moral da vida e do cotidiano das populações locais, que vai além do controle das armas e da repressão ao tráfico de drogas. Na primeira parte, investigo três situações aos quais considero simbolicamente relevantes para o entendimento das tensões, aproximações e resistências do encontro das populações locais com certos agentes do estado, os policiais militares: a negociação para liberação de eventos culturais; as abordagens policiais àqueles que têm "atitudes suspeitas"; e as patrulhas realizadas pelos GTPPs (Grupamentos Táticos de Polícia de Proximidade) em busca de drogas e armas pelos becos e vielas do território. Desta forma, pretendo entender alguns aspectos que considero vitais para a discussão dos dispositivos acionados pelo estado na ocupação e gestão das populações faveladas em território sob controle das UPPs.

 


Palavras-chave


Polícia; pacificação; Estado

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. 2ª. Ed. São Paulo, Boitempo, 2004.

_________________. O que é um dispositivo?. Outra travessia. Santa Catarina, volume 5, p.9-16, 2005.

ASAD, Talal. Where are the margins of state? Anthropology in the margins of the state/ edited by Veena Das e Deborah Poole. Santa Fe, Novo Mexico, School of American Research Press, p. 279-288, 2004.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: Sobre a teoria da ação. Tradução: Mariza Corrêa. Campinas, SP: Papirus, 1996.

______________. O Poder Simbólico. Tradução: Fernando Tomaz, 13ª. Ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2010.

DAS, Veena & POOLE, Deborah. Anthropology in the margins of the state. Santa Fe, Novo Mexico, School of American Research Press, 2004.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território e População: curso dado no Collège de France (1977-1978). Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo, Martins Fontes, 2008.

LIMA, Carlos Alberto de. Força de pacificação: os 583 dias da pacificação dos complexos da Penha e do Alemão. Rio de Janeiro: Agência 2ª comunicação, 2012.

MACHADO, Carly Barboza. Projetos de Pacificação do Rio de Janeiro: dimensões morais, políticas e religiosas. Texto apresentado na IX Reunião de Antropologia do Mercosul, no Grupo de Trabalho: GT09 – Antropologia das Moralidades, de 10 a 13 de julho de 2011-Curitiba, PR.

MISSE, Michel. Cinco teses equivocadas sobre a criminalidade urbana no Brasil: uma abordagem crítica acompanhada de sugestões para uma agenda de pesquisas. Exposição apresentada à mesa redonda: “Violência no público e no privado”, realizado em 17 de abril de 1995, no IUPERJ, Rio de Janeiro.

_______________. Mercados ilegais, redes de proteção e organização local do crime no Rio de Janeiro. Revista Estudos Avançados. 21(61): 139-157, 2007.

_______________. Malandros, marginais e vagabundos: acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, tese de doutorado, Instituto Universitário de Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – Iuperj, mimeo, 1999.

RAMOS, Silvia. Elemento suspeito: abordagem policial e discriminação na cidade do Rio de Janeiro / Silvia Ramos, Leonarda Musumeci; com artigos de Paul Amar e Marcelo Paixão. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2005.

RODRIGUES, André & SIQUEIRA, Raiza. As unidades de polícia pacificadora e a segurança pública no Rio de Janeiro in Unidades de polícia pacificadora: debates e reflexões, organizado por André Rodrigues, Raíza Siqueira e Mauricio Lissovsky, Rio de Janeiro, ISER, 2012.

ROSE, Nikolas & Peter MILLER. “Political Power beyond the State: Problematics of Government.” The British Journal of Sociology 43(2): 173-205. 1992.

SLUKA, Jeffrey A. Reflection on managing danger in fieldwork: dangerous anthropology in Belfast. In: Carolyn Nordstrom e Antonius C. G. M. Robber (orgs). Fieldwork under fire: contemporary studies of violence and survival. Berkeley, Los Angeles, London, University of California Press, 1995.

TURNER, Victor. The Anthropology of performance. PAJ publications, New York, 1987.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu16i3.p368

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Confluencias



A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

 

Resultado de imagem para bielefeld base