“GUERRA SANTA”: UN ENFOQUE SOCIOLÓGICO DEL ESTADO ISLÁMICO

Ana Claudia Moreira Miguel Philippini

Resumo


Durante os últimos anos, o grupo formado por insurgentes sunitas, denominado Estado Islâmico, vem ampliando seu controle sobre as áreas do Iraque e Síria e estabelecendo uma situação de guerra que ameaça o mundo como um todo. Com uma interpretação extremista da religião e do direito, o Estado Islâmico atrai pessoas de vários países, dispostas a deixar suas raízes para ingressar como combatente em uma “guerra santa”.Assim sendo, o objetivo da investigação é analisar de modo sintético o Estado Islâmico pela perspectiva jurídica e política da guerra justa e pelo ponto de vista sociológico da religião. A principal conclusão obtida é de que as ações praticadas pelo grupo não se enquadram como justificantes para uma guerra justa, visto que não é uma guerra de agressão nem uma guerra que seja justificada moralmente.


Palavras-chave


Sociologia Jurídica. Estado Islâmico.Guerra Santa.

Referências


AGOSTINHO, Aurélio. 1961. Cidade de Deus. São Paulo: Editora das Américas.

AQUINO, Tomás. 1980. Suma teológica. Porto Alegre: Sulina.

BARRETT, Richard. 2014, “Foreign fighters in Syria”. The Soufan Group. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2015.

BAUMAN, Zygmunt. 2001. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

CARDINAUX, Nancy Susana; KUNZ, Ana Elena Margarida. 2004. Investigar en derecho. Buenos Aires: Departamento de Publicaciones de la Facultad de Derecho.

CELY, William Mauricio Beltrán. 2007. “La sociología de la religión: una revisión del estado del arte”. In: Delgado, Mauricio de Jesús Adarve (et al.), Creer y poder hoy: memorias de la cátedra Manuel Ancízar, pp. 75-94.

COMTE, Auguste. 1978. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

DURKHEIM, Émile. 1996. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes.

FLORI, Jean. 2004. Guerra santa, yihad, cruzada: violencia y religión en el cristianismo y el islam. Granada: Editorial Universidad de Granada.

JALAL, Ayesha. 2009. Combatentes de Alá. São Paulo: Larousse.

LORA, Laura Noemi. 2007. La condición posmoderna: La calidad de vida en el instituto de la adopción Perspectiva socio-jurídica. Tesis doctoral, Universidad de Buenos Aires.

MARX, Karl. 2010a. A questão judaica. São Paulo: Boitempo.

_______. 2010b. Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo.

MARX, Karl, ENGELS, Friedrich. 1984. A ideologia alemã. Teses sobre Feuerbach. São Paulo: Moraes.

ORGANIZACIÓN DE LAS NACIONES UNIDAS. Resolución n° 3.314. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2015.

RAHMAN, Fazlur. 1966. Islam. New York: Anchor.

RIBEIRO JÚNIOR, João. 2003. Augusto Comte e o positivismo. Campinas: Edicamp.

SWINARSKI, Christophe. 1990. Direito internacional humanitário: como sistema de proteção internacional da pessoa humana. São Paulo: Revista dos Tribunais.

WALZER, Michael. 2003. Guerras justas e injustas. São Paulo: Martins Fontes.

WEBER, Max. 1982. Ensaio de sociologia. Rio de Janeiro: JC Editora.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu20i3.p424

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Confluências | Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito



A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

 

Resultado de imagem para bielefeld base