Interações e práticas no Facebook

Alex Primo, Vanessa Valiati, Ludmila Lupinacci, Laura Barros

Resumo


Este artigo discute as transformações trazidas pela comunicação mediada por computadores, e mais especificamente os serviços de redes sociais na internet, para a expressão subjetiva, o relato cotidiano e a escrita de si. Mais tarde, a partir de resultados quantitativos obtidos através de uma survey que alcançou 810 respondentes, discute-se os usos mais prevalentes do Facebook: manter-se informado sobre temas atuais; divertir-se com piadas, vídeos e fotos engraçados; participar de campanhas de conscientização; falar sobre trabalho e saber do crescimento profissional de outros; e saber o que amigos, inimigos e desafetos estão fazendo.


Palavras-chave


Facebook; site de rede social; mídias sociais; interação online

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ARAÚJO, Willian Fernandes. As narrativas sobre os algoritmos do Facebook: uma análise dos 10 anos do Feed de notícias. 2017. 312 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação), Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2017.

BARBOSA, Camila Cornutti. Celebridades e apropriações humorísticas em blogs: Uma análise do "Morri de Sunga Branca" e do "Te Dou um Dado". Tese (Doutorado em Comunicação e Informação), Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2015.

BARROS, Laura. Narrativas Efêmeras do Cotidiano: um estudo das Stories do Snapchat e no Instagram. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação), Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2017.

BEAM, Michael et al. Context collapse and privacy management: Diversity in Facebook friends increases online news reading and sharing. New Media & Society, vol.2, n.7, jun. 2017, pp.1-19.

BERGSON, Henri. O Riso: Ensaio sobre a significação do cômico. Rio de Janeiro: Zahar. 1980.

BRASIL, Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2015, Brasília: Secom, 2015.

BRASIL, Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2016, Brasília : Secom, 2016.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CHRISTENSEN, Henrik. Political activities on the internet: slacktivism or political participation by other means. First Monday, vol.16, n.2, fev. 2011. Disponível em: http://firstmonday.org/ojs/index.php/fm/article/view/3336/2767 Acesso em: 02 jul 2017.

DIJCK, José. VAN. Facebook as a Tool for Producing Sociality and Connectivity. Television & New Media, v.13, n.2, mar. 2012, pp. 160–176. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

FEYTER, Ralf; COUCK, Marijke de; STOUGH, Talia; VIGNA, Claudia; BOIS, Cind du. Facebook: a literature review. New Media & Society, vol. 15, n.6, set.2013, pp 982-1002.

FONTANELLA, Fernando. O que vem de baixo nos atinge: intertextualidade, reconhecimento e prazer na cultura digital trash. Anais do XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom. Universidade Positivo, 4 a 7 de setembro de 2009.

FRISON, E.; EGGERMONT, S. Exploring the Relationships Between Different Types of Facebook Use, Perceived Online Social Support, and Adolescents Depressed Mood. Social Science Computer Review, 1 abr. 2016. vol. 34, n. 2, pp. 153–171. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2017.

GARRETT, R. Kelly. Echo chambers online?: Politically motivated selective exposure among Internet news users. Journal Of Computer-mediated Communication, v. 14, n. 2, jan. 2009, pp.265-285.

GEORGALOU, Mariza. “I make the rules on my Wall”: Privacy and identity management practices on Facebook. Discourse & Communication, v. 10, n. 1, fev. 2016, pp. 40–64. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2017.

JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Cultura da Conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.

JIANG, L. C.; BAZAROVA, N. N.; HANCOCK, J. T. From Perception to Behavior. Communication Research, v. 40, n. 1, fev. 2013, pp.125–143. Disponível em: . Acesso em: 7 jul. 2017.

LAI, Cheng-Yu; YANG, Heng-Li. Determinants and consequences of Facebook feature use. New Media & Society, 18(7), 2016, pp.1310-1330.

LEE, S. Y. How do people compare themselves with others on social network sites?: The case of Facebook. Computers in Human Behavior, vol. 32, mar. 2014, pp. 253–260. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2017.

MALINI, Fabio.; ANTOUN, Henrique. A internet e a rua: ciberativismo e mobilização nas redes sociais. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MARWICK, A. E.; BOYD, Danah. I tweet honestly, I tweet passionately: Twitter users, context collapse, and the imagined audience. New Media & Society, 7 fev. 2011. v. 13, n. 1, p. 114–133. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

MCKAY, Sally. The Affect of Animated GIFs (Tom Moody, Petra Cortright, Lorna Mills. Art & Education). Art and Education, 2008.

PARISER, Eli. O Filtro Invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PERUZZO, Cicilia M. Krohling. Movimentos sociais, redes virtuais e mídia alternativa no junho em que “o gigante acordou” (?). Matrizes, São Paulo, vol. 7, n. 2, jul. 2013, pp.73-93. Disponível em: . Acesso em: 02 jul 2017.

PRIMO, Alex. Industrialização da amizade e a economia do curtir: estratégias de monetização em sites de redes sociais. In: Lídia Oliveira; Vania Baldi. (Org.). A insustentável leveza da web: retóricas, dissonâncias e práticas na sociedade em rede. Salvador: EDUFBA, 2014, pp. 109-130.

PRIMO, Alex. Digital trash e lixo midiático: a cauda longa da micromídia digital. In: Vinicius Andrade Pereira. (Org.). Cultura Digital Trash: Linguagens, Comportamentos, Entretenimento e Consumo. Rio de Janeiro: e- Papers, 2007, pp. 77-93.

RAMIREZ, A. et al. Information-Seeking Strategies, Uncertainty, and Computer-Mediated Communication. Human Communication Research, vol. 28, n. 2, abr. 2002, pp. 213–228. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2017.

REUTERS Institute. Digital News Report 2017. NEWMAN, Nic, FLETCHER, Richard; KALOGEROPOULOS Antonis, LEVY, David A. L.; NIELSEN Rasmus Kleis. Disponível em: < http://www.digitalnewsreport.org/survey/2017/>. Acesso em 13 jul. 2017.

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do Riso. A representação humorística na História Brasileira: da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

SANTOS, Roberto Elísio dos. Reflexões teóricas sobre o humor e o riso na arte e nas mídias massivas. In: SANTOS, Roberto Elísio dos; ROSSETTI, Regina (Orgs). Humor e Riso na Cultura Midiática. São Paulo: Paulinas, 2012, pp. 17-59.

SARDÁ, Thais de Oliveira. A gestão de identidade dos sujeitos nos sites de redes sociais Facebook e Linkedin. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, UFRGS, 2015.

TOKUNAGA, R. S.; GUSTAFSON, A. Seeking interpersonal information over the Internet: An application of the theory of motivated information management to Internet use. Journal of Social and Personal Relationships, vol. 31, n. 8, dez. 2014, pp. 1019–1039.

TURKLE, Sherry. Alone Together: Why We Expect More from Technology and Less from Each Other. New York: Basic Books, 2011.

WALTHER, J. B. Computer-Mediated Communication. Communication Research, vol.23, n.1, fev. 1996, pp.3–43. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

ZAGO, Gabriela; SILVA, Ana Lúcia Migowsky. Sites de Rede Social e Economia da Atenção: Circulação e Consumo de Informações no Facebook e no Twitter. Vozes e Diálogo, vol.13, n.1, jan-jun. 2014, pp.5-17. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2017.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i0.1160

Apontamentos

  • Não há apontamentos.