#meuamigorefugiado: Experiências de Cosmopolitismo e Mobilização Midiática da Empatia

Sofia Cavalcanti Zanforlin

Resumo


O artigo realiza um estudo de caso da campanha Meu Amigo Refugiado lançada em dezembro de 2016 nas principais cidades do Brasil pela ONG Migraflix a partir da discussão do conceito de cosmopolitismo e do consumo cultural. A campanha consistiu na recepção por uma família brasileira a refugiados durante a ceia de Natal. Após a realização dos encontros, foram enviados, por e-mail, questionários para os refugiados participantes, como também para as famílias que os recepcionaram. A partir da análise das respostas percebemos que o engajamento à causa dos refugiados se traduz pelo apelo moral às atrocidades propagadas pela mídia como pela possibilidade de experiências cosmopolitas com estrangeiros possuidores de uma história pessoal de luta e superação.


Palavras-chave


Mídia; Refugiados; Cosmopolitismo.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


AGIER, Michel. Borderlands: Towards an Anthropology of the Cosmopolitan Condition. Malden, MA: Polity Press, 2016.

GORDON, M., LINS Ribeiro, G., ALBA VEGA, C. Globalization from Below: the world’s other economy. London, Routledge, 2012.

HANNERZ, Ulf. Cosmopolitans and Locals In World Culture. In: FEATHERSTONE, Michael. Global Culture: Nationalism, Globalizations and Modernity. London, Sage, 1990.

NUSSBAUM, Martha C. Los Límites del Patriotism. Editorial Paidós, Barcelona, 1999.

NUSSBAUM, Martha C. Education for Citizenship in an Era of Global

Connection, Studies in Philosophy and Education 21: 289–303. 2002

OSSEWAARDE, Marinus. Cosmopolitanism and the Society of Strangers. Current Sociology. DOI: 10.1177/0011392107076081. 2007

SENNET, Richard. Juntos. Os rituais, os prazeres e a política da cooperação. Rio de Janeiro, Record, 2012.

VERTOVEC, Steve; COHEN, Robin. Conceiving Cosmopolitanism. In: The Creolization Reader. Studies in Mixed Identities and Cultures. COHEN, Robin ; TONINATO, Paola (eds). New York, Routledge, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i0.1050

Apontamentos

  • Não há apontamentos.