Além da identidade e do reconhecimento: por uma comunicação digital geradora de diferença

Antonino Condorelli

Resumo


Este artigo desenvolve uma reflexão teórica que problematiza as concepções hegemônicas de comunicação emancipatória em redes digitais, associadas às ideias de reprogramação de redes e disputa de narrativas, defendendo que reproduzem e fortalecem os princípios organizadores do biopoder ocidental moderno: identidade e propriedade. Para isso, são propostas concepções de política e de comunicação digital transformadoras que visam a superação político-epistemológica da luta por reconhecimento, e seus mencionados desdobramentos comunicacionais em redes digitais, para uma comunicação digital que tensione o regime de determinação de subjetividades e relações baseado na transcendentalização da identidade e da propriedade, abrindo-se para a geração de devires.

Palavras-chave


Comunicação; Transformação social; Redes digitais.

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, Judith. Universalidades en competencia. BUTLER, Judith. LACLAU, Ernesto. ŽIŽEK, Slavoj. In: Contingencia, hegemonía, universalidad. Diálogos contemporáneos en la izquierda. 3 ed. Trad. Cristina Sardoy e Graciela Homs. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2004. p. 141-184.

CASTELLS, Manuel. O poder da comunicação. Trad. Vera Lúcia Mello Joscelyne. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

HARDT, Michael. NEGRI, Antonio. Comune. Oltre il privato e il pubblico. Trad. Alessandro Pandolfi. Milão: RCS Libri, 2010.

MALINI, Fábio. ANTOUN, Henrique. A internet e a rua: ciberativismo e mobilização nas redes sociais. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MALINI, Fábio. Um método perspectivista de análise de redes sociais: cartografando topologias e temporalidades em rede. Anais do XXV Encontro Anual da Compós - Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 07 a 10 de junho de 2016. Disponível em:< http://www.compos.org.br/biblioteca/compos_malini_2016_3269.pdf>.

NÃO ME KAHLO. #MeuAmigoSecreto: Feminismo além das redes. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2016.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento – política e filosofia. Trad. Ângela Leite Lopes. São Paulo: Editora 34, 1996.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos. Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. SANTOS, Boaventura de Sousa. MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina / CES, 2009.

SODRÉ, Muniz. A ciência do comum: notas para o método comunicacional. Petrópolis: Vozes, 2014.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

ŽIŽEK, Slavoj. Menos que nada: Hegel e a sombra do materialismo dialético. Trad. Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2013.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v38i3.28443

Apontamentos

  • Não há apontamentos.