As identidades acionadas no jornalismo a partir da dicotomia entre proximidade e afastamento

Marcionize Elis Bavaresco, Carlos Augusto Locatelli

Resumo


Este trabalho analisa a relação entre as esferas jornalísticas e as identidades locais/regionais, de modo a compreender o acionamento de determinados elementos formadores dessas identidades na luta pelo reconhecimento de demandas junto ao Estado. O objeto empírico se constitui de notícias e reportagens que caracterizaram identitariamente uma região brasileira específica – o Extremo Oeste de Santa Catarina – desde a década de 1950, analisadas a partir da perspectiva teórico-metodológica dos enquadramentos. O estudo demonstrou uma invisibilidade de identidades alternativas às hegemônicas e o acionamento de elementos identitários como estratégia de lideranças políticas e dos próprios veículos noticiosos para estabelecer vínculos com a comunidade local. As dinâmicas de reconhecimento foram influenciadas pela proximidade e pelo afastamento dos veículos em relação à região.


Palavras-chave


Jornalismo; Identidades regionais; Reconhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


BAVARESCO, Marcionize; LOCATELLI, Carlos. Esferas de visibilidade jornalísticas e relações de poder: um estudo sobre a memória do Oeste catarinense na imprensa nacional e regional (1940-1950). Revista Brasileira de História da Mídia, v. 6, p. 75-93, 2017.

BAVARESCO, Marcionize. Jornalismo, identidade regional e controvérsias públicas: a definição simbólica do Extremo Oeste catarinense na imprensa. 2017. 269 f. Dissertação (Mestrado em Jornalismo) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

BERNIER, Marc-François. Éthique et Déontologie du Journalisme. Saint-Nicolas (Québec): Les Presses de l’Université Laval, 2004.

BHABHA, Homi K. DissemiNation: time, narrative, and the margins of the modern nation. In: BHABHA, Homi K. (Org.). Nation and Narration. New York: Routledg, 2000.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BRANCO, L. Só no Brasil. Fronteiras: passagem clandestina. Revista Exame, ano 50, n. 3, 17 fev. 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2016.

CAMPONEZ, Carlos. Jornalismo de Proximidade. Coimbra: MinervaCoimbra, 2002.

______. Jornalismo regional: proximidade e distanciações. Linhas de reflexão sobre uma ética da proximidade no jornalismo. In: CORREIA, João Carlos (Org.). Ágora, Jornalismo de Proximidade: Limites, Desafios e Oportunidades. Covilhã, Portugal: LabCom Books, 2011.

ENTMAN, Robert M. Framing: toward a clarification of a fractured paradigm. Journal of Communication, v. 43, n. 4, p. 51-58. 1993.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FELIPPI, Ângela Cristina Trevisan. Jornalismo e identidade cultural: construção da identidade gaúcha em Zero Hora. 2006. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Faculdade dos Meios de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

GAMSON, William A.; LASCH, Kathryn E. The political culture of social welfare policy. In: TEL AVIV UNIVERSITY. Pinhas Sapir International Conference on Development – Social Policy Evalution: Health, Education, and Welfare. Israel, 1980.

GAMSON, William; MODIGLIANI, Andre. Media discurse and public opinion on nuclear power: a construcionist approach. American Journal of Sociology, v. 95, p. 1-37, 1989.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Série Jornalismo a Rigor. v. 6. Florianópolis: Insular, 2012.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

______. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

HASS, Monica. O linchamento que muitos querem esquecer. 2. ed. rev. Chapecó: Argos, 2007.

LAGO, Paulo Fernando de A. Ecologia e Poluição: o homem e o ambiente catarinense. São Paulo: Resenha Universitária, 1975.

______. Santa Catarina: a transformação dos espaços geográficos. Florianópolis: Verde Água Produções Culturais, 2000.

LINS, Hoyedo Nunes. Herança açoriana e turismo na ilha de Santa Catarina. Revista de Ciências Humanas, vol. 10, n. 14,1993.

LOCATELLI, Carlos. Comunicação e barragens: o poder da comunicação das organizações e da mídia na implantação da Usina Hidrelétrica Foz do Chapecó (Brasil). 2011. 423 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

MAIA, Rousiley (Coord.). Mídia e Deliberação. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.

______. Debates públicos na mídia: enquadramentos e troca pública de razões. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 2, p. 303-340, jul./dez. 2009.

MARCON, Maria Teresinha de Resenes. A trajetória dos processos de regionalização em Santa Catarina: escalas geográficas e atores sociais. 2009. 422 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

MARINAS, José Miguel. La identidad contada. Destinos del relato al filo del milenio. Archivos de la Filmoteca, Valencia, n. 21, p. 75-87, out. 1995.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Tecnicidades, identidades, alteridades: mudanças e opacidades da comunicação no novo século. In: MORAES, Dênis de (Org.). Sociedade midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006.

MATTHES, Jörg; KOHRING, Matthias. The content analysis of media frames: Toward improving reliability and validity. Journal of Communication, v. 58, n. 2, p. 258-279, 2008.

MEDITSCH, Eduardo B. V. Journalism as a form of knowledge: a qualitative approach. Brazilian Journalism Research, Brasília, v. 1, n. 2, 2005.

MENDONÇA, Ricardo Fabrino; SIMÕES, Paula Guimarães. Enquadramento: diferentes operacionalizações analíticas de um conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo: Anpocs, v. 27, n. 79, p. 187-201, jun. 2012.

MOMBELLI, Raquel. Mi soi talian gracia a dio: identidade étnica e separatismo no oeste catarinense. 1996. 148 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1996. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2015.

PELUSO JÚNIOR, Victor Antonio. A Identidade Catarinense. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, Florianópolis, 3ª fase, n. 5, p. 259-280. 1984.

PERUZZO, Cicilia M. Krohling. Mídia local, uma mídia de proximidade. Comunicação: Veredas, ano 2, n. 2, nov. 2003.

PIAZZA, Walter Fernando. A colonização de Santa Catarina. 2. ed. rev. aum. Florianópolis: Lunardelli, 1988.

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Plano de Desenvolvimento de Santa Catarina 2030. Florianópolis, 2018. disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2019.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro: Ed UFRJ, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

REESE, Stephen D. Prologue – Framing Public Life: a bridging model for media research. In: REESE, Stephen D.; GANDY JÚNIOR, Oscar H.; GRANT, August E. (Ed.). Framing public life: perspectives on media and our understanding of the social world. New Jersey: Taylor & Francis, 2008.

RENK, Arlene. A luta da erva: um ofício étnico no Oeste Catarinense. Chapecó: Grifos, 1997.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Modernidade, identidade e a cultura de fronteira. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 5 (1-2): 31-52, 1993 (editado em nov. 1994).

SERPA, Élio Cantalício. A identidade Catarinense nos discursos do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 14, n. 20, p. 63-79. 1996.

SAWARD, Michael. The representative claim. Oxford University Press: Nova Iorque, 2010.

SILVA, Zedar Perfeito da. O Oeste catarinense. Rio de Janeiro: Laement, 1950.

SINGER, Paul. Desenvolvimento econômico e evolução urbana: análise da evolução econômica de São Paulo, Blumenau, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

TAYLOR, Charles. A política do reconhecimento. In: ______. Argumentos Filosóficos. São Paulo: Edições Loyola, 2000. p. 241-274.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo: porque as notícias são como são. 3. ed. rev. Florianópolis: Insular, 2012.

VEYRAT-MASSON, Isabelle; BLANCHARD, Pascal. Les guerres de mémoires: La France et son histoire. Paris: La Decouverte, 2010.

VIMIEIRO, Ana Carolina Soares Costa. Cultura pública e aprendizado social: a trajetória dos enquadramentos sobre a temática da deficiência na imprensa brasileira (1960-2008). 2010. 234 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

VIMIEIRO, Ana Carolina; MAIA, Rousiley Celi Moreira. Análise indireta de enquadramentos da mídia: uma alternativa metodológica para a identificação de frames culturais. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 235-252, jan./abr. 2011.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2007. p. 7-72.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v38i3.28523

Apontamentos

  • Não há apontamentos.