Avaliação da Expansão Urbana e seu Impacto na Dinâmica de Escoamento Superficial da Bacia Hidrográfica do Arroio Itaquarinchim de Santo Ângelo – RS

Ângelo Rohr Anschau, Tatiana Reckziegel, Franco da Silveira, Filipe Molinar Machado, Fernando Gonçalves Amaral

Resumo


O crescimento acelerado e desorganizado dos centros urbanos proporciona impactos negativos nos recursos hidrológicos, tanto a nível local como global. Os resultados da urbanização incluem aumento das áreas impermeáveis e da redução das áreas verdes, que em conjunto são responsáveis por acarretarem no escoamento superficial e em vazões máximas de enchentes, tornando-se um problema, principalmente, para pequenas bacias hidrográficas. Nesse contexto, o objetivo do artigo consiste em realizar uma análise multitemporal da mudança no escoamento superficial e da vazão máxima ocasionada pela variação do uso e ocupação da Bacia Hidrográfica do Arroio Itaquarinchim (BHAI), localizada no município de Santo Ângelo – RS, entre os anos de 1990 e 2015. Para obter as estimativas de precipitação efetiva e das vazões máximas utilizaram-se as metodologias desenvolvidas por Soil Conservation Service (SCS) e por Ven Te Chow. Para o processamento de imagens e aquisição de informações, utilizou-se o software de Sistema de Informação Geográfica Quantum GIS (QGIS). Como resultado, foi possível verificar a grande variação do crescimento urbano por meio da classe de áreas impermeáveis, representando um aumento de 80,5% entre 1990 e 2015. Além disso, destaca-se que na BHAI, a agricultura e o solo exposto demostraram crescimento de 50% em 1990 para 60% da área total da bacia em 2015. Dessa forma, a Curve Number da bacia obteve ascensão de 73,50 para 77,92 e a precipitação efetiva com tempo de retorno de 5 e 10 anos apresentou um crescimento de 20,85 mm para 26,51 mm e de 27,78 mm para 34,07 mm respectivamente.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDREOLLI, I.; TUCCI, C. E. M. 2004. Simulação chuva-vazão pelo método SCS com propagação em canal por Muskingun Cunge linear na bacia do Alto Uruguai. In: III Simpósio de Recursos Hídricos do Centro-Oeste, Goiânia.

BARROS, C. A. P. et al. 2014. Estimativa da infiltração de água no solo na escala de bacia hidrográfica. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 38, n.2, p.557-564.

BIANCHI, R. C. et al. 2012. Estimativa da vazão máxima da bacia hidrográfica do Rio Canguiri através do método de Ven Te Chow. RA’E GA, Paraná, n. 25, p. 164-185.

BURNS, M. J. et al. 2012. Hydrologic shortcomings of conventional urban stormwater management and opportunities for reform. Landscape and Urban Planning, v. 105, n. 3, p. 230 – 240.

CHEN, J. et al. 2017. Urbanization impacts on surface runoff of the contiguous United States. Journal of Environmental Management, v. 187, n. 1, p. 470-481.

CHOI, J. Y. et al. 2003. GIS based long term hydrologic impact evaluation for watershed urbanization. JAWRA - Journal of the American Water Resources Association, v. 39, n. 3, p. 623 – 635.

COLET, K. M. 2012. Avaliação do Impacto da Urbanização sobre o Escoamento Superficial na Bacia do Córrego do Barbado, Cuiabá-MT. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Edificações e Ambiental) - Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá – MT, 2012. 134 p.

DE PAULA, A.S. et al. 2012. Análise multitemporal do uso e ocupação do solo entre 1987 e 2004 na zona de expansão urbana norte de Londrina-PR, utilizando Sensoriamento Remoto (SR) e Sistema de Informações Geográficas (SIG). Ciências Agrárias, Londrina, v. 33, n. 6, p. 2877-2890.

DOUGHERTY, M. et al. 2006. Quantifying long term hydrologic response in an urbanizing basin. Journal of Hydrologic Engineering, v. 12, p. 33–41.

DU, J. et al. 2012. Assessing the effects of urbanization on annual runoff and flood events using an integrated hydrological modeling system for Qinhuai River basin, China. Journal of Hydrology, v. 464–465, p. 127-139.

FAUSTINO, J. 1996. Planificación y gestión de manejo de cuencas. Turrialba: CATIE. 90p.

FOLEY, J. A. et al. 2005. Global Consequences of Land Use. Science, v. 309, p. 570 – 574.

GENOVEZ, A. M. 2001. Vazões máximas. In: PAIVA, J. B. D.; PAIVA, E. M. C. D. (Org.). Hidrologia aplicada a gestão de pequenas bacias hidrográficas. Porto Alegre: ABRH, p. 33-112.

GITAU, M. W. et al. 2016. Water Quality Indices as Tools for Decision Making and Management. Water Resources Management, v. 30, n. 8, p. 2591–2610.

GORSKI, M. C. B. 2010. Rios e cidades: Ruptura e Conciliação. São Paulo: Editora Senac, São Paulo.

IBGE. 2002. Diretoria Geociências – DGC. Mapa exploratório de solos do Estado do Rio Grande do Sul. Disponível em: < http://mapas.ibge.gov.br/tematicos/solos>. Acesso em: 14 de janeiro de 2017.

LOPES, M. M.; TEIXEIRA, D. 2012. A trajetória do comitê da bacia hidrográfica do Rio Mogi Guaçu e suas contribuições para a gestão dos recursos hídricos. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 8, n. 3, p. 24-49.

NAVARRO, E. C. 2013. Influência da urbanização na vazão máxima da microbacia hidrográfica do Córrego da Cachoeirinha, Lençóis Paulista, SP. 2013. 81 f.. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, Botucatu.

OGDEN, F. L. et al. 2011. Relative importance of impervious area, drainage density, width function, and subsurface storm drainage on flood runoff from an urbanized catchment. Water Resources Research, v. 47, p. 1-12.

PAIVA, J. B. D.; PAIVA, E. M. C. D. 2001. Hidrologia aplicada a gestão de pequenas bacias hidrográficas. Porto Alegre: ABRH. 626 p.

PASE, H. L. et al. 2017. A relação entre a gestão das bacias hidrográficas e o remanejamento das populações atingidas por hidrelétricas. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 13, n. 2.

SANTOS, K. R. 2012. Inundações urbanas: um passeio pela literatura. Élisée Revista de Geografia UEG, v. 1, n. 1.

SAMPAIO, M. V. 2011. Determinação e espacialização das equações de chuvas intensas em bacias hidrográficas do Rio Grande do Sul. 2011. 145 f.. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Área de concentração Engenharia de Água e Solo, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

SARTORI, A. 2010. Desenvolvimento de Critérios para Classificação Hidrológica de Solos e Determinação de Valores de Referência para o Parâmetro CN. 2010. 235 f.. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) – Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

SCHUELER, T. R. et al. 2009. Is Impervious Cover Still Important? Review of Recent Research. Journal of Hydrologic Engineering, v. 14, n. 4.

SILVEIRA, A.L.L. 2000. Aspectos Históricos da Drenagem Urbana no Brasil. In: TUCCI, C.E.M. et al (Org.). Hidrologia Urbana na Bacia do Rio Prata. Porto Alegre: ABRH, v. 1, p. 11-17.

SOARES, M. R. G. J. et al. 2017. Eficiência do método curve number de retenção de águas pluviais. Mercator, Fortaleza, v. 16.

SURIYA, S.; MUDGAL, B. V. 2012. Impact of urbanization on flooding: The Thirusoolam sub watershed – A case study. Journal of Hydrology, v. 412–413, p. 210-219.

TASSI, R. et al. 2006. Determinação do Parâmetro CN para Sub-bacias Urbanas do Arroio Dilúvio – Porto Alegre/RS. In: I Simpósio de Recursos Hídricos do Sul-Sudeste, Curitiba.

TUCCI, C. E. M.; MARQUES, D. M. L. M. 2001. Avaliação e controle da drenagem urbana. Porto Alegre: ABRH. 548 p.

TUNG, Y. K., MAYS, L. W. 1981. State variable model for urban rainfall–runoff process. JAWRA - Journal of the American Water Resources Association, v. 17, p. 181–189.

VALEO, C., MOIN, S. M. A. 2000. Variable source area modelling in urbanizing watersheds. Journal of Hydrology, v. 228, p. 68–81.

VENDRAME, I. F.; LOPES, W. A. B. 2005. Análise do crescimento urbano e seus efeitos na dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 12, 2005, Goiânia. Anais... XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Goiânia: INPE. p. 2555–2562.

VIETZ, G. J. 2016. Thinking outside the channel: Challenges and opportunities for protection and restoration of stream morphology in urbanizing catchments. Landscape and Urban Planning, v. 145, p. 34 – 44.

YANG, X. L. et al. 2012. Impacts of land use and land cover changes on evapotranspiration and runoff at Shalamulun River watershed, China. Hydrology Research, v. 43, p. 23–37.

WILKEN, P. S. 1978. Engenharia de drenagem superficial. São Paulo, CETESB. P. 477.




DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v20i5.18025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.