Potencial da geração distribuída e seu impacto na redução de emissões de CO2: Estudo de uma micro usina fotovoltaica conectada à rede de energia elétrica

Ozlean de Lima Dantas, Roberto Apolonio, Alcides Arruda Junior

Resumo


O crescimento da geração distribuída no Brasil nos últimos, principalmente a energia fotovoltaica, é visto como um forte aliado as políticas de implantação de tecnologias sustentáveis e redução de emissões de gases de efeito estufa. Diante disso, este trabalho compreende um estudo de caso de uma unidade consumidora com usina fotovoltaica conectada à rede de energia elétrica, localizada no município de Cuiabá-MT, Brasil. O objetivo geral do trabalho é quantificar o nível de emissão de dióxido de carbono dessa unidade consumidora a partir da medição de energia elétrica gerada e consumida. Além do mais, tem por objetivo específico comparar o nível de emissão de dióxido de carbono dessa unidade consumidora com e sem a operação da usina. A metodologia de cálculo de emissões de dióxido de carbono é aquela apresentada pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, conhecido como método Bottom-up. Os resultados foram expressos em quilogramas de emissão de dióxido de carbono para um mês de medição de energia elétrica. O estudo inferiu que o nível de emissão da unidade consumidora com a usina operando combinado com o consumo de energia elétrica da concessionária foi de 183,38 kgCO2 e se a unidade consumidora consumisse apenas energia elétrica da concessionária o nível de emissão seria de 269,89 kgCO2. As discussões propostas neste artigo podem servir de subsídios aos órgãos públicos, empresas e à sociedade no que diz respeito ao uso de tecnologia sustentável e seu nível de emissão de gases de efeito estufa.


Texto completo:

PDF

Referências


ANEEL - AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Resolução Normativa nº 482. Estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica, o sistema de compensação de energia elétrica, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 17 abr. 2012.

ANEEL - AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Resolução Normativa nº 687. Altera a Resolução Normativa nº 482, de 17 de abril de 2012, e os Módulos 1 e 3 dos Procedimentos de Distribuição – PRODIST. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 24 nov. 2015.

ANEEL - AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Resolução Normativa nº 786. Altera a Resolução Normativa nº 482, de 17 de abril de 2012. Diário Oficial da República Federativa do Brasil nº205, de 25 out. 2017.

ANEEL - AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Geração Distribuída, Brasília, 2018. Disponível em: < http://www.aneel.gov.br/geracao-distribuida>. Acessado em: 12 out. 2018.

ANEEL - AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Banco de Informações de Geração. Brasília, 2018a. Disponível em: . Acessado em: 12 out. 2018.

ABSOLAR – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR. Sessão Especial III: A Expansão do Mercado Solar Fotovoltaico no Brasil, Salvador-BA, Brasil, 2017. Disponível em: . Acessado em: 24 set. 2018.

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14040 Gestão Ambiental :Avaliação do Ciclo de Vida-Princípios e Estrutura. Rio de Janeiro, 2009. 10p.

EPE - EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2017, ano base 2016. Brasília, 2017. Disponível em: . Acessado em: 25 set. 2018.

INPE – INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Atlas Brasileiro de Energia Solar, 2. ed. São José dos Campos, INPE, 2017. Disponível em: . Acessado em: 27 set. 2018.

IRENA – INTERNATIONAL RENEWABLE ENERGY AGENCY. Accelerating the global energy transformation. International Renewable Energy Agency, Abu Dhabi, 2017a. Disponível em: < https://www.irena.org/DocumentDownloads/Publications/IRENA_REthinking_Energy_2017.pdf>. Acessado em: 01 out. 2018.

IPCC – INTERGOVERNMETAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories. Disponível em: . Acessado em: 12 out. 2018.

JRC – JOINT RESEARCH CENTER. "Emission Database for Global Atmospheric Research (EDGAR)", CO2 time series 1990-2015 per region/country. Disponível em: . Acessado em: 01 out. 2018.

MCTIC – MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÕES E COMUNICAÇÕES. Fator Médio – Inventários corporativos (tCO2/MWh). Disponível em:< https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/ciencia/SEPED/clima/textogeral/emissao_corporativos.html>. Acessado em: 08 out. 2018.

PP – PACTO DOS PREFEITOS PARA O CLIMA E ENERGIA DA EUROPA. Anexo técnico às instruções do modelo de PAES: Fatores de emissão (tCO2/MWh). Disponível em: . Acessado em: 08 out. 2018.




DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v21i2.27299

Apontamentos

  • Não há apontamentos.