Coeficiente de expansão térmica do óleo de babaçu, biodiesel de babaçu e energia de ativação de escoamento do óleo de babaçu

Audrei Giménez Barañano, Saulo de Oliveira Gentil Tebas, Patrícia Fontes Pinheiro

Resumo


Este trabalho teve como objetivo a determinação do coeficiente de expansão térmica do óleo de babaçu e do biodiesel de óleo de babaçu, e a energia de ativação de escoamento de óleo de babaçu, por meio de dados experimentais de densidade e viscosidade, analisados mediante inferência estatística. Os valores de coeficiente de expansão térmica foram de  e  para o óleo de babaçu e o biodiesel de babaçu, respectivamente. O valor de coeficiente de expansão térmica do óleo de babaçu foi superior à literatura, enquanto para o biodiesel de babaçu está na faixa encontrada na literatura. A energia de ativação do óleo de babaçu foi de , menor do que o encontrado na literatura.

Texto completo:

PDF

Referências


LÔBO, I. P.;FEREIRA, S. L.; CRUZ, R. S. 2009. Biodiesel:Parâmetros de Qualidade. Química Nova, São Paulo, SP, v.32, n.6, p.1596-1608.

CALLISTER, W. D. 2002. Ciência e Engenharia de Materiais:uma introdução.5° Ed., Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora.

NARDELLI, A. M. B.; GRIFFITH, J. J. 2003. Modelo teórico para compreensão do ambientalismo empresarial do setor florestal brasileiro. Revista Árvore, Viçosa, MG, v.27, n. 6, p. 855-869.

CABRAL, F.; LAGO, A. 2002. Física 2. 2° Ed., São Paulo: Harbra.

SANTOS, D. Q.; VIEIRA, D. F. 2010. Determinação de coeficiente de expansão térmica do biodiesel e seus impactos no sistema de medição volumétrico. Eclética Química, Presidente Prudente, SP, v. 35, n. 4, p. 107-112.

STEFFE, J.F. 1996. Rheological methods in food process engineering. Michigan: Freeman Press.

PEREIRA, E.A.; QUEIROZ, A.J.M.; FIGUEIREDO, R.M.F. 2003. Comportamento reológico de mel da abelhauruçu (Melípona scutellaris, L.). Revista Ciências Exatas e Naturais, Guarapuava, PR, v. 5, n. 2, p.179-186.

SANTOS, D. Q.; VIEIRA, D. F. 2010. Determinação de coeficiente de expansão térmica do biodiesel e seus impactos no sistema de medição volumétrico. Eclética Química, Presidente Prudente, SP, v. 35, n. 4, p. 107 – 112.

CANCIAM, C.A. 2008. Predição do coeficiente de expansão térmica do óleo de soja (Glicine max). Revista Tecnologica, v. 17, p. 13-18.

CANCIAM, C.A. 2011. Predição do coeficiente de expansão térmica e da energia de ativação do óleo de mamona através da aplicação da análise de regressão linear. Revista exacta, Belo Horizonte, MG, v. 04, n. 3.

CANCIAM, C.A. 2012. Predição dos coeficientes de expansão térmica de biodieseis de diversas origens através da aplicação da regressão linear. Revista exacta, Belo Horizonte, MG, v.5, n.1.

SCHNEIDER, R.C.S. 2002. Extração, caracterização e transformação do óleo de rícino. Tese (Doutorado em Química)- Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

MACHADO, G. C.; PAES, J. B.; ANTONIASSI, R. 2006. Composição em ácidos graxos e caracterização física e química de óleos hidrogenados de coco babaçu. Ceres, Viçosa, MG, v. 53, n.308, p.463-470.

NETO, P.R.C; ROSSI, L.F.S.; ZAGONEL, G.F.; RAMOS, L.P. 2000. Produção de Biocombustível Alternativo ao Óleo Diesel Através da Transesterificação de Óleo de Soja Usado em Frituras. Química Nova, São Paulo, SP, v. 23, n.4.

AUED-PIMENTEL, S.; KUMAGAI, E.E.; KUS, M. M. M.; CARUSO, M. S. F.; TAVARES, M.; ZENEBON, O. 2009. Ácidos graxos trans em óleos vegetais refinados poli-insaturados comercializados no estado de São Paulo, Brasil. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, SP, v. 29, n.3, p.646-651.




DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v21i2.27301

Apontamentos

  • Não há apontamentos.