MEDIDA DE SELETIVIDADE DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFF COM MODELOS DEA

Maria Helena Campos Soares de Mello, João Carlos C. B. Soares de Mello, Lidia Angulo Meza

Resumo


A Universidade Federal Fluminense possui atualmente, quatorze Cursos de Engenharia em três Campi distintos. Embora os alunos tenham realizado o mesmo concurso de admissão (vestibular), foram admitidos nos cursos com notas diferentes, já que as notas mínimas para ingresso em cada um dos cursos foram diferentes. Isso significa que os calouros têm níveis de conhecimento diferentes e apresentam dificuldades diferentes ao longo dos seus estudos no primeiro período. Uma das razões que se aponta para a diferença entre os conhecimentos dos estudantes é a quantidade de candidatos para os cursos. Muitas outras razões podem ser apontadas para explicar o desempenho dos estudantes ao longo do curso. Neste trabalho, pretende-se desenvolver um índice de desempenho, usando DEA (Data Envelopment Analysis) no qual, cada curso é avaliado de acordo com a capacidade de atrair bons alunos, que será denominada de seletividade. Utilizou-se um modelo DEA-BCC (Banker, Charnes e Cooper), também conhecido como DEA-VRS (Retornos Variáveis de Escala). Foram utilizados um input e dois outputs.  O único input é a relação candidato/vaga e os outputs são as notas de corte em cada fase do vestibular. Devido à maior importância da nota final é introduzida uma restrição do tipo cone-ratio.

 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v13i3.313

Apontamentos

  • Não há apontamentos.