INIBIDORES DE CORROSAO: ANALISE DA EFICIENCIA FRENTE À CORROSAO DO ACO INDUZIDA POR CLORETOS E CARBONATACAO EM MEIO AQUOSO

Cecília de Castro Bolina, Oswaldo Cascudo

Resumo


A utilização de aditivos inibidores de corrosão vem crescendo gradativamente, principalmente após a década de 90, onde houve uma intensificação do uso de adições e aditivos no preparo do concreto com a finalidade de aumentar a durabilidade das estruturas. O presente trabalho tem como objetivo estudar a eficiência preventiva de diferentes tipos de inibidores na resistência à corrosão frente ao ataque por cloretos e carbonatação. Ensaios exploratórios foram realizados em soluções que simulem a composição do poro do concreto para seleção dos aditivos em seus teores otimizados com base na eficiência de inibição determinada por medidas eletroquímicas. As soluções confeccionadas para os ensaios eram compostas de hidróxido de cálcio (Ca (OH)2) saturada, adicionada de CO2 na presença de 0,01N (NaOH) + 0,05N (KOH). Nos experimentos foram utilizadas barras de aço do tipo CA-50, com diâmetro nominal de 10 mm. Os aditivos adotados no presente artigo para serem avaliadas as suas potencialidades para uso como inibidores de corrosão foram: nitrito de sódio, nitrito de cálcio, molibdato de sódio, amina e tanino nos teores de 0%, 1%, 2,5% e 4% (percentual em massa do inibidor em relação à solução de poro). Após análise estatística de variância dos resultados da taxa instantânea de corrosão, procedeu-se à escolha dos inibidores nos teores que apresentavam inibição no meio de estudo, e que eram técnica e economicamente viáveis. As barras de aço tiveram suas eficiências determinadas e foram avaliadas visualmente por meio de lupa estereoscópica. Os resultados finais mostraram que os inibidores avaliados que apresentaram níveis satisfatórios de proteção frente ao ataque por cloretos, não proporciona a mesma proteção quanto à carbonatação.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v15i1.412

Apontamentos

  • Não há apontamentos.