TRATAMENTO DE EFLUENTE DE CROMAGEM POR ELETROCOAGULAÇÃO COM ELETRODO DE AÇO INOXIDÁVEL E ELETRODO MISTO DE AÇO INOXIDÁVEL E ALUMÍNIO.

Soraya Moreno Palácio, Mayara Cereja, Fernando Henrique Borba, Diego Ricieri Manenti, Fernando Rodolfo Espinoza-Quiñones, Aparecido Nivaldo Módenes

Resumo


Neste trabalho, avaliou-se a eficiência na remoção de cromo pelo processo de eletrocoagulação em efluente de cromagem, utilizando-se dois eletrodos: de aço inoxidável e misto (aço inoxidável e alumínio). Foi realizado um experimento fatorial variando-se o pH do efluente em 5, 7 e 9, densidade de corrente de 28,6, 85,7 e 142,9 A m-2 e tempo de tratamento em 20, 40 e 60 minutos. Após análise estatística dos resultados, realizou-se um teste cinético para encontrar os pontos ótimos de tratamento para cada um dos eletrodos. Em ambos os eletrodos o pH ideal foi 7 e a densidade de corrente ótima foi de 85,7 ou 142,9 A m-2, dependendo do tempo de eletrocoagulação empregado. A remoção de cromo para ambos os eletrodos seguiu um modelo cinético de pseudo-primeira ordem. Para o eletrodo de inox, a remoção máxima foi atingida em 50 e 35 min. para as intensidades de corrente de 85,7 e 142,9 A m-2, respectivamente, e constantes de velocidade de 0,143 e 0,158 min-1. As constantes cinética para o eletrodo misto, foram 0,101 e 0,190 min.-1, a remoção máxima ocorre com 68 e 37 min, respectivamente. Os dois eletrodos foram eficientes na remoção de cromo, reduzindo as concentrações à níveis aceitáveis pela legislação brasileira vigente.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v15i3.438

Apontamentos

  • Não há apontamentos.