ASPECTOS ESTRATÉGICOS DO CONTEXTO DA INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL

Evandro La Macchia, Julio Cesar Wasserman, Jacob Binsztok, Gilson Brito Alves Lima

Resumo


Este artigo trata da questão da internacionalização das empresas da indústria de petróleo no Brasil. O tema analisado ganha maiores dimensões nas discussões desta indústria, quando do advento das descobertas nas áreas de fronteiras exploratórias do pré-sal. Como será exposto neste artigo, em futuro breve, as referidas descobertas colocarão a indústria de petróleo brasileira e o seu maior representante, a Petrobrás, em uma posição de grande exportador líquido de óleo cru, o energético na forma de matéria prima bruta. A questão que se quer levantar é se este modelo exportador de matérias primas bruta ou semiacabadas, predominante na história do Brasil desde o seu descobrimento, será benéfico para o país ou mesmo para o maior ícone da indústria nacional de petróleo, a Petrobras. Também será feita uma análise de outras empresas, suas estratégias e forma de operação, empresas de outras nacionalidades, de capital estatal e privado, internacionalizadas desde o seu nascimento ou em francos processos de internacionalização, onde a atuação em países diferentes das suas sedes era, ou passou a ser, objetivo a ser perseguido por suas organizações. Finalmente será analisado uma iniciativa de internacionalização, que foi a aquisição de 87,5% de participação da ExxonMobil na empresa japonesa, NSS Nansei Sekiyu KK, pela Petrobras em 2008. A empresa adquirida tem em seu portfólio de ativos, uma refinaria, um terminal de armazenagem e um porto composto por três atracadouros e uma monobóia para barcos do tipo VLCC (Very Large Crude Carriers). A aquisição de empresa com operação no Japão por empresa de capital Latino Americano foi inédita na história daquele país.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v16i2.603

Apontamentos

  • Não há apontamentos.