POTENCIAL BIOTECNOLÓGICO DE RIZOBACTÉRIAS PROMOTORAS DE CRESCIMENTO DE PLANTAS NO CULTIVO DE MILHO E SOJA

Raquel Jacheline Ratz, Soraya Moreno Palácio, Fernando Rodolfo Espinoza-Quiñones, Renata Côrrea Vicentino, Henan José Michelim, Laércio Miguel Richter

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial biotecnológico de bactérias do gênero Bacillus no crescimento de soja e milho. Os experimentos foram realizados em casa de vegetação em vasos contendo 4,3 Kg de solo do tipo Latossolo Vermelho Eutroférrico, em triplicata, que receberam adubação NPK prévia. Inóculos utilizados: 1 (B. subtilis e B. licheniformes) e 2 (B. subtilis, B. licheniformes, B. amylolichefaciens e B. cereus). No cultivo do milho a inoculação foi feita nas sementes e o delineamento experimental (3x3) foi inteiramente casualizado variando o inóculo e quantidade de nutrientes NPK. O experimento com a soja seguiu o delineamento 3x3x2, variando o inóculo, quantidade de NPK e tipo de inoculação (semente ou solo). Dez sementes foram plantadas e após 15 dias foram determinados o percentual de germinação. Foram deixadas três plantas por vaso que foram cultivadas por 71 dias, mantendo a umidade em 60 % da capacidade de retenção de água. Foram avaliadas altura da planta, massa seca da parte aérea e raiz, nível nutricional no milho e nº de vagens e sementes na soja. No milho a massa seca da raiz e concentrações foliares de P e K foram maiores quando receberam o inóculo 1 na presença de NPK em concentração ideal para a cultura. Na soja, o inóculo 2 foi mais favorável à produção de massa seca da parte aérea, nº de vagens e sementes, independente do nível de adubação NPK recebido, quando as bactérias foram inoculadas no solo. Os resultados indicaram que as formulações utilizadas apresentaram potencial biotecnológico para incrementar o desenvolvimento e a nutrição das plantas de milho e soja. 

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/engevista.v19i4.894

Apontamentos

  • Não há apontamentos.