EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO

Bruna Tadeusa Genaro |Martins de Oliveira, Olívia Borgo de Matos, Rogerio Dias Renovato, Diana Dávalo Oliveira Dalmagro, Sandra de Souza Rodrigues, Cibele de Moura Sales

Resumo


Educação Permanente em Saúde (EPS) é uma prática de ensino-aprendizagem que faz referência ao trabalho e parte da premissa que a reflexão crítica sobre as ações cotidianas dos serviços pode promover e produzir sentidos que transformem o trabalho em saúde. Entendendo a importância da pesquisa sobre este tema, o presente artigo objetivou analisar teses e dissertações sobre a EPS, por meio de um estudo bibliométrico de trabalhos disponíveis na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), base de dados nacional. Dos 204 trabalhos encontrados, foram incluídos no estudo apenas 44, sendo 9 teses e 35 dissertações. Os dados deles obtidos foram organizados em uma tabela e, posteriormente, em gráficos, com o auxílio dos softwares Excel® e QSR Nvivo®. A maior concentração de publicações se deu nos anos de 2011, 2014 e 2015, especialmente nas regiões Sudeste e Sul. Também foram obtidos dados relevantes quanto à área de formação dos autores das teses e dissertações em análise, sendo a Enfermagem a que mais aborda o tema. Os achados evidenciam a necessidade de ampliação da pesquisa e engajamento no cotidiano do trabalho com a EPS, entre todas as categorias de profissionais da saúde, para que suas práticas possam articular mudanças.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/resa2018.v11i3.a21516

Apontamentos

  • Não há apontamentos.