Notas sobre pesquisa colaborativa com sacerdotisas da Deusa Iyami Osoronga

Silvia Barbosa de Carvalho, Samira Lima da Costa, Andréa Coelho Ferreira

Resumo


A ciência hegemônica, pautada em referenciais coloniais, traça linhas bem definidas entre o eu e o outro da pesquisa. Ao lançar foco sobre as tradições de matriz africana, estas linhas são reforçadas com as cores do racismo, seja na expressão das desigualdades como naturais desta divisão, seja na ratificação de um lugar subalterno, pela desqualificação dos saberes da população negra, desde a escravização. Ainda que este cenário produza imensas desigualdades, ao longo da história os povos tradicionais vêm resistindo, pela manutenção de suas tradições, na produção de valores contracoloniais. Este trabalho visa apresentar os caminhos de uma pesquisa colaborativa, em parceria com as sacerdotisas de uma sociedade secreta de culto à deusa Iyami Osoronga. Pensada a partir do campo da psicossociologia, tem como referencial os estudos de memória, tradição, discursos pós e decoloniais e os estudos culturais. A pesquisa colaborativa tem o intuito de propor, não um desenho de pesquisa focada em uma ou outra teoria, como posicionamento de uma construção específica, singular, dependente direta de suas autoras e de múltiplos fatores, mas levando à reflexão sobre autoria, saberes e fazeres de epistemologias contra-hegemônicas, que pensam e falam “com” e não “de” ou “para” seus “objetos” de pesquisa.

Palavras-chave


saberes tradicionais; epistemologias contra-hegemônicas; pesquisa colaborativa; psicossociologia

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Hilda Maria M. B. et al. Pesquisa colaborativa: multirreferenciais e práticas convergentes. Teresina/Piauí: EDUFPI, 2016.

BECKER, Howard S. Métodos de pesquisa em ciências sociais. 4 ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e política. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. v. 1, p. 197-221. Coleção Obras Escolhidas.

BENISTE, José. ÒrunÀiyé: o encontro de dois mundos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

BERNARDO, Teresinha. O Candomblé e o poder feminino. Rever: Revista de Estudos da Religião, n. 2, p. 1-21, 2005. Disponível em: https://www.pucsp.br/rever/rv2_2005/p_bernardo.pdf. Acesso em 10 jan. 2016.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2000.

CARONE, Iray. Breve histórico de uma pesquisa psicossocial sobre a questão racial brasileira. In: CARONE, Iray.; BENTO, Maria Aparecida Silva (Org.). Psicologia social e racismo. 5. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2012.

CARVALHO, José Jorge de. Uma proposta de estudos culturais na América Latina: inclusão étnica e racial, transdisciplinaridade e encontro de saberes. In: ALMEIDA, Júlia; PATROCÍNIO, Paulo Roberto T. do. (Org.). Estudos culturais: legado e apropriações. Campinas: Pontes, 2017. p. 157-190.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, jan./abr. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01-00099.pdf. Acesso em: 17 ago. 2017.

COSTA, Samira. Lima da; ALVARENGA, Luciana; ALVARENGA, Ana Maria. Estudos de/com comunidades tradicionais: cultura, imagem e história oral. Série DOCUMENTA EICOS. Comunidades, meio ambiente, desenvolvimento, n. 17, p. 2, 2007.

COSTA, Samira Lima da. A visão dos mestres e os possíveis da Universidade pluriepistêmica: tradição, território e ocupação. Relatório de pesquisa. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. Disponível em: http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/_repositorio/2015/12/pdf_ba8d5805e9_0000018457.pdf. Acesso em: 22 jul 2018.

GILROY, Paul. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro. Universidade Cândido Mendes: Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GOMES, Andrea Caselli. O culto à Iyami Oxorongá nos templos de candomblé: um fenômeno contemporâneo na cidade do Recife. 2015. 146 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Programa de pós-graduação da Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2015.

GROSFOGUEL, Ramón. La descolonización de la economia politica y los estúdios postcoloniales: transmodernidad, pensamento fronteirizo y colonialidad global. Tabala Rasa, Bogotá n.4, p 17-48, enero-jun. 2006. Disponible em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1794-24892006000100002&lng=en&nrm=iso. Acceso: 16 out. 2015.

GROSFOGUEL, Ramón; OSO, Laura; CHRISTOU, Anastasia. ‘Racism’, intersectionality and migration studies: framing some theoretical reflections. Identities: global studies in culture and power, London, v. 22, n. 6, p. 635-652, 2014. https://doi.org/10.1080/1070289X.2014.950974.

HALL, Stuart. A questão multicultural. In: SOVIK, L. (Org.). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2006. p. 56-109.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

MANZINI, Yaskara. Iyami Osoronga (Minha Mãe Feiticeira): o coletivo feminino na cosmogonia do Universo. 2001. Monografia (Especialização) – Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade Paulista de Arte, São Paulo, 2001.

NEGRI, Antonio; COCCO, Giuseppe. Glob(AL): biopoder e luta em uma América Latina Globalizada. Rio de Janeiro: Record, 2005.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Proj. História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez. 1993. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/viewFile/12101/8763. Acesso em: 15 out. 2015.

NUNES, Alyxandra G.; CARVALHO, Silvia B. de. Relato de experiência: a contação de histórias africanas pelo grupo Karinganaua Karinganain. In: BABAWALE, Tunde et al. (Org). Teaching and propagating african and diáspora history and culture. Lagos, Nigéria: Centre for black and african arts and civilization (CBAAC), 2009. p. 735-744.

OGBEBARA, Awofa. Igbadu, a cabaça da existência: mitos nagôs revelados. 2 ed. São Paulo: Pallas, 2006.

PERALTA, Elsa. Abordagens teóricas ao estudo da memória social: uma resenha crítica. Arquivos da Memória: Antropologia, Escala e Memória, n. 2 (Nova Série), p. 4-23, 2007. Disponível em: http://www.fcsh.unl.pt/revistas/arquivos-da-memoria/ArtPDF/02_Elsa_Peralta%5B1%5D.pdf. Acesso em: 12 mar. 2015.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989. Disponível em: http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf. Acesso em: 10 set. 2013.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, 1992. p. 200-212. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941/1080. Acesso em: 19 nov. 2015.

SÁ, Celso Pereira de. Sobre o campo de estudo da memória social: uma perspectiva psicossocial. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 290-295, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722007000200015.

SÁ, Celso Pereira de. Sobre a fundamentação psicológica da psicologia social e suas implicações para a educação. Fórum educ., Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 23-44, jan./mar.1984. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/fe/article/view/60707. Acesso em: 23 set. 2018.

SAID, Edward. W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia de Bolso, 2003.

SANTOS, Antônio Bispo dos. Colonização: modos e significação. Brasília: UNB, 2015.

SANTOS, Irinéia, M. Franco. dos. Iá Mi Oxorongá: as mães ancestrais e o poder feminino na religião africana. Sankofa: Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana, São Paulo, n. 2, p. 59-81, dez. 2008. https://doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2008.88730.

SILVA, Tadeu T. (Org.). A produção social da identidade e da diferença. In: ______. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 6 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. p. 73-102.

SINHORETO, Jaqueline; MORAIS, Danilo de Souza. 2018. Violência e racismo: novas faces de uma afinidade reiterada. Revista de Estudios Sociales, Bogotá, n. 64, p. 15-26, abr. 2018. http://dx.doi.org/10.7440/res64.2018.02.

SPIVAK, Gayatrichakravorty. Can the subaltern speak? In: WILLIAMS, Patrick; CHRISMAN, Laura (Ed.). Colonial discourse and post-colonial theory: a reader. New York: Columbia University Press, 2014. p. 271-313.

THOMPSON, Paul. História oral e contemporaneidade. História Oral, Rio de Janeiro, v. 5, p. 9-28, 2002. Disponível em: http://revista.historiaoral.org.br/index.php?journal=rho&page=article&op=view&path%5B%5D=47. Acesso em: 18 nov. 2015.

VERGER, Pierre. Grandeza e decadência do culto de Ìyàmi Òsòròngà (minha mãe feiticeira) entre os Yorubá. In: MOURA, C. E. M. de (Org.). As senhoras do pássaro da noite. São Paulo: USP/ AxisMundi, 1994. p. 31-71.

VERGER, Pierre. Orixás. Salvador: Corrupio, 1996.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i_esp/29003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: