Pesquisa intervenção, cartografia e estágio supervisionado na formação de professores

Rosimeri de Oliveira Dias

Resumo


O propósito deste trabalho é dar visibilidade à constituição de uma cartografia conceitual em que seja possível analisar o movimento do estágio supervisionado como uma política de formação de professores bem como evidenciar as contribuições da pesquisa-intervenção e da cartografia para o campo da formação de professores. Para tanto, comparecem na discussão uma formação conceitual e metodológica por meio da cartografia e da pesquisa-intervenção; as análises dos diários de campo, tanto do professor quanto dos alunos e os signos forjados no decorrer de um semestre letivo.  Neste contexto de análise discute-se uma formação inventiva pela constituição de uma estética da existência e o problema político do estágio supervisionado na formação de professores, tomando este problema numa dimensão micropolítica. Conclui-se que estas são ferramentas para o enfrentamento da complexidade da escola, assumindo-a como a constituição de um território movente que luta por ser usina e usuária de um conhecimento vivo.


Palavras-chave


pesquisa-intervenção; cartografia; estágio supervisionado; formação inventiva de professores; políticas de cognição

Texto completo:

PDF

Referências


CASARES, A. B. A invenção de Morel. 3. ed. São Paulo: C. Naify, 2006.

DELEUZE, G. O que é um dispositivo? In:______. O mistério de Ariana. Lisboa: Veja, 1996. p. 83-96.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G. Lógica da sensação. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2007.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Rizoma. In:______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: 34, 1995. v. 1. p. 7-37.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: 34, 2002. v. 4.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. Lisboa: Relógio D’Água, 2004.

DIAS, R. O. Deslocamentos na formação de professores: aprendizagens de adultos, experiência e políticas cognitivas. 2008. 224 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

DIAS, R. O. Formação inventiva de professores e políticas de cognição. Informática na Educação: teoria e prática, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 164-174, jul./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2010.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 1985. v. 3.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FOUCAULT, M. Uma estética da existência. In: ______. Ética, sexualidade, política. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006a. v. 5, p. 288-293. Coleção Ditos e Escritos.

FOUCAULT, M. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: ______. Ética, sexualidade, política. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006b. v. 5, p. 264-289. Coleção Ditos e Escritos.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolíticas: cartografias do desejo. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

KASTRUP, V. O método da cartografia e os quatro níveis da pesquisa-intervenção. In: CASTRO, L. R.; BASSET, V. L. (Org.). Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Nau, 2008. p. 465-481.

KASTRUP, V. A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Campinas: Papirus, 1999.

KASTRUP, V.; TEDESCO, S.; PASSOS, E. Políticas da cognição. Porto Alegre: Sulina, 2008.

KASTRUP, V.; BARROS, R. B. Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 76-91.

LARROSA, J. Linguagem e educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LOURAU, R. Análise Institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ, 1993.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PÉLBART P.P. Elementos para uma cartografia da grupalidade. In: SAADI, F.; GARCIA, S. (Org.). Próximo ato: questões da teatralidade contemporânea. São Paulo: Itaú Cultural, 2008. Disponível em: . Acesso em 24 maio 2010.

ROCHA, M. L. A formação como acontecimento: solidão, pensamento e autogestão. In: MACHADO, A. M.; FERNANDES, A. M. D.; ROCHA, M. L. (Org.). Novos possíveis no encontro da psicologia com a educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. p. 37-48.

ROCHA, M. L.; AGUIAR, K. F. Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 23, n. 4, p. 64-73, out./dez. 2003.

ROCHA, M. L.; AGUIAR, K. F. Entreatos: percursos e construções da psicologia na rede pública de ensino. Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, UERJ, ano 10, n. 1, p. 68-84, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2010.

ROCHA, M. L.; UZIEL, A. P. Pesquisa-intervenção e novas análises no encontro da psicologia com as instituições de formação. In: CASTRO, L. R.; BASSET, V. L. (Org.). Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Nau, 2008. p. 532-558.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, 2006.

VARELA, F. Conhecer: as ciências cognitivas, tendências e perspectivas. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

VARELA, F. J.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. A mente incorporada: ciências cognitivas e experiência humana. Porto Alegre: Artmed, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: