Leitura: entre leitor e texto

Betina Hillesheim, Lílian Rodrigues da Cruz, Karen Cristina Cavagnoli, Virgínia da Silva Marquetto

Resumo


O artigo propõe discutir os sentidos que o ato de ler assume, abordando os diferentes entendimentos sobre a leitura e a relação entre leitor e texto. A leitura aqui é entendida como uma experiência que cancela a fronteira entre o que sabemos e o que somos. Propomos pensar na questão deste encontro entre leitor e texto: o que se passa entre estes mundos? Considerando-se que o texto se constrói no encontro com o leitor, na relação entre um e outro, não se pode dissociar texto e leitor; assim, para além de uma noção de troca, deparamo-nos com novas combinações.

Palavras-chave


Leitor; Leitura; Modos de subjetivação.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa, 2001.

BARTHES, R. O prazer do texto. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BENJAMIN W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. Coleção Espírito Crítico. Rio de Janeiro: Editora 34, 2002.

BLANCHOT, M. A literatura e o direito à morte. In: ________. A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 1997, p. 291-330.

CERVANTES, M. Dom Quixote. Rio Janeiro: Ediouro, 2005.

CHARTIER, R. Do livro à leitura. In: _______ (Org.) Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996, p. 77-105.

DARNTON, R. A leitura rousseauista e um leitor “comum” no século XVIII. In: CHARTIER, R. (Org.) Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996, p. 143-176.

DASCAL, M. Interpretação e compreensão. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2006.

DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G. Uma conversa, o que é, para que serve? In: DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Editora Escuta, 1998, p. 9-28.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. v.1. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

ECO, U. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ECO, U. Lector em Fabula: A cooperação interpretativa nos textos narrativos. São Paulo: Perspectiva, 1986.

FLÔRES, Onici Claro. Compreender e interpretar. In: FLÔRES, O.C. (Org.). Linhas e entrelinhas. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2008.

GOULEMOT, J. M. Da leitura como produção de sentidos. In: CHARTIER, Roger (Org.). Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996, p. 107-116.

ISER, W. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. v.1. São Paulo: Ed. 34, 1996.

LARROSA, J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MACHADO, R. Foucault, a filosofia e a literatura. 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

MORAIS, J. de F. S. Histórias e narrativas na educação infantil. In: GARCIA, R. L. (Org.) Crianças, essas conhecidas tão desconhecidas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p. 81-102.

NEVES, R. Inventando uma outra psicologia social. In: FONSECA, T. M. G.; KIRST, P. G. (Org.) Cartografias e devires: a construção do presente. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003, p. 177-190.

PALO, M. J.; OLIVEIRA, M. R. D. Literatura infantil: voz de criança. 3.ed. São Paulo: ed. Ática, 1998.

PAULINO, G. et al. Tipos de texto, modos de leitura. Belo Horizonte: Formato, 2001.

PILLAR, A. D. Leitura e releitura. In: _________. A educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre: Mediação, 2001, p. 9-21.

ZILBERMAN, R. Fim do livro, fim dos leitores? São Paulo: SENAC, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: