Subjetivação e Governamentalidade: questões para a Psicologia

Alyne Alvarez Silva, Ricardo Pimentel Méllo

Resumo


Este ensaio discorre sobre os modos de subjetivação, dando visibilidade a modalidades de construção e de experimentação subjetiva e problematizando concepções tradicionais da noção de sujeito, que circulam nos cursos de psicologia. Visa-se instigar discussões que se contraponham à reificação do ser humano como dotado de uma substância atemporal e sem significação política. Tem-se como suporte o conceito de governamentalidade e tecnologias de poder, como as “técnicas de si”, discutidos por Michel Foucault. Neste sentido, a Psicologia pode ser instrumento para pesquisar estas tecnologias e compreender os movimentos de vida do ser humano ou simplesmente tornar-se parte delas sem criticá-las.


Palavras-chave


Modos de subjetivação; Psicologia; Governamentalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


AVARCA, C. A. de C. A noção de família em processos judiciais: uma análise a partir de casos de violência sexual infantil. 2011. 152 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social)–Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

BECK, U. Risk Society: towards a new modernity. London: Sage, 1993.

BONFIM, E. M. Históricos Cursos de Psicologia Social no Brasil. Psicologia & Sociedade; v. 16, n. 2, p. 32-36, maio/ago.2004.

BUTLER, J. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. 2. ed. Buenos Aires: Paidós, 2008.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault. Tradução de Ingrid Müller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. v. 2.

DELEUZE, G. Foucault. Tradução de C. S. Martins. São Paulo: Brasiliense, 2006.

FERREIRA, A. B. H. Mini-Aurélio Século XXI: o minidicionário da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

FIGUEIREDO, L. C. M. A invenção do psicológico: quatro séculos de subjetivação (1500-1900). São Paulo: EDUC; Escuta, 1992.

FIGUEIREDO, L. C. M.; SANTI, P. L. R. de. Psicologia, uma (nova) introdução: uma visão histórica da Psicologia como ciência. 2. ed. São Paulo: EDUC, 2004.

FOUCAULT, M. A governamentalidade. In: ______. Micro física do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 277-293.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1980. v. I.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1984. v. II.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

FOUCAULT, M. La psychologie de 1850 a 1950. In: HUISMAN, D.; WEBER, A. Histoire de la philosophie européenne. Traducción: Hernán Scholten. Paris: Fischbacher, 1957. t. II. Reproduzido In: FOUCAULT, M., Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994a. t. I, p. 120-137.

FOUCAULT, M. As técnicas de si. Tradução de Karla Neves e Wanderson Flor do Nascimento. Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994b. v. IV, p. 783-813, Disponível em . Acesso em: 18 fev. 2010.

FOUCAULT, M. O Sujeito e o Poder. Tradução de Vera Porto Carrero. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 3. ed. Tradução de L. F. A. Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. Resumos dos Cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: J. Zahar, 1997.

FOUCAULT, M. Foucault. In: MOTTA M. B. (Org.). Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. v. 5, p. 234-239. Coleção Ditos & Escritos.

FOUCAULT, M. Omnes et singulatim: uma crítica da razão política. In: MOTTA, M. B. (Org.). Estratégia poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. v. IV.p. 355-385.Coleção Ditos & Escritos.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. Tradução de E. Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Guacira Lopes Louro e Tomaz Tadeu Silva.11 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 16. ed. São Paulo: Loyola, 1992.

HARAWAY, D. Ciencia, cyborgues y mujeres: la reinvención de la naturaleza. Madrid: Cátedra, 1996.

LARROSA, J. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, T. T. (Org.). O Sujeito da Educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 35-86

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de Antropologia Simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.

LEVY, T. S. A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2003.

MACHADO, R. Por uma genealogia do poder (introdução). In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1982. p. VII-XXIII.

MACHADO, R. Deleuze, a arte e a filosofia. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2009.

MARTON, S. Décadence, um diagnóstico sem terapêutica: sobre a interpretação de Wolfgang Müller-Lauter. Cadernos Nietzsche, v. 6, 1999. p. 3-9.

MÜLLER-LAUTER, W. A doutrina da vontade de poder em Nietzsche. Tradução de O. Giacóia Junior. São Paulo: Annablume, 1997.

PRADO FILHO, K. Uma história crítica da subjetividade no pensamento de Michel Foucault. In: SOUZA, P.; FALCÃO, L. F. Michel Foucault: perspectivas. Rio de Janeiro: Achiamé, 2005. p. 41-50.

PRADO FILHO, K.; TRISOTTO, S. A Psicologia como disciplina da norma nos escritos de M. Foucault. Revista Aulas - Dossiê Foucault, n. 3, dez. 2006/mar. 2007. Disponível em: < http://www.unicamp.br/~aulas/pdf3/KLEBER.pdf >. Acesso em: 12 mar. 2009.

PRECIADO, B. Testoyonqui. Madri: Esparsa, 2008.

RAUTER, C. Criminologia e subjetividade no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

ROSE, N. Como se deve fazer a história do eu? Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 26, n. 1, p. 33-57, jan./jun. 2001a.

ROSE, N. Inventando nossos eus. In: SILVA, T. T. (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001b. p. 137-204.

SÁNCHEZ, L. G.; MARTÍNEZ, L. M. M.; RICO, F. J. Psicologia, identidade e política nas tecnologias de governo neoliberais. Psicologia & Sociedade, São Paulo, v. 18, n. 1, p.7-14, 2006.

SPINK, M. J. Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

TEDESCO, S. As práticas do dizer e os processos de subjetivação. Interação em Psicologia, Curitiba, v. 10, n. 2, p. 357-362, jul./dez. 2006.

WEINMANN, A. Dispositivo: um solo para a subjetividade. Psicologia e Sociedade. Revista da Associação Brasileira de Psicologia Social – ABRAPSO, Florianópolis, v. 18, n. 3, p. 16-22, set./dez. 2006.

ZAMORA, M. H. Os corpos da vida nua: sobreviventes ou resistentes? Lat. Am. j. Fundam. Psychopathol. Online, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 104-117, 2008..


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: