Ontologias do ver na atualidade: o que pode um olhar precário

Kleber Jean Matos Lopes, Elen Naiara Batista Madeiro, Jameson Thiago Farias Silva

Resumo


 

 

Este trabalho problematiza os modos de olhar na atualidade, analisando políticas de constituição do ver, através do conceito de olhar precário. Toma por precário uma dimensão parcial da visão, que não se basta para a produção de sentidos, e que por isso, busca encontros para uma realização. Desse modo aciona uma política do encontro e da criação. Por outro lado, essa discussão apresenta uma configuração de olhar total como um dispositivo bio-político-epistemológico, que busca a instauração e manutenção de registros gerais e absolutos. Os dois modos de ver são apresentados historicamente e suas lógicas se ancoram na produção de autores como Friedrich Nietzsche, Gilles Deleuze, Michel Foucault e Paul Virilio, relacionando-os aos modos de produção e expressão do pensamento, às biopolíticas que modulam o viver na atualidades e ao fazer do cinema contemporâneo. Discute ainda duas experiências de cinema através dos filmes O escafandro e a borboleta e A professora de piano, para pensar movimentos de produção de captura e da individualidade ou modos de subjetivação que possibilitam exercícios de autonomia e fabricação de coletivos.


Palavras-chave


Políticas da Imagem; Modos de Subjetivação; Cinema; Olhar Precário.

Texto completo:

PDF

Referências


CONDE, H. B. Para desencaminhar o presente Psi: biografia, temporalidade e experiência em Michel Foucault. In: GUARESCHI, N.; HÜNING, S. (Org.). Foucault e a Psicologia. Porto Alegre: Abrapso SUL, 2005. p. 7-27.

DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DOMINGUES, L. A flor da pele: subjetividade, clínica e cinema no contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2010.

O ESCAFANDRO e a borboleta. Direção de Julian Schnabel. Produção: Kathleen Kennedy e Jon Kilik. Roteiro: Ronald Harwood, baseado em livro de Jean-Dominique Bauby. EUA: Miramax Films; França: Europa Filmes, 2007. 1 DVD (112 min.).

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. v. 5, Coleção Ditos e Escritos.

FOUCAULT, M. O que são as luzes? In: MOTTA, M. B. (Org.). Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000. v. 2, p. 335-351. Coleção Ditos e Escritos.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1995.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolíticas: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

HARDT, M. A sociedade mundial de controle. In: ALLIEZ, E. (Org.). Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo: Editora 34, 2000.

KAFKA, F. A metamorfose. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: Edusc, 2001.

MATURANA, H.; VARELA, F. A árvore do conhecimento. Campinas: Psi, 1995.

NEVES, C. A. B. Pensando o Contemporâneo no fio da navalha: entrelaces entre desejo e capital. Lugar comum, Rio de Janeiro, v.19/20, p.135-157, jan./jun. 2004.

NIETZSCHE, F. A genealogia da moral. Lisboa: Guimarães, 1976.

NIETZSCHE, F. Humano, demasiado humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

NIETZSCHE, F. Sabedoria para depois de amanhã. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

A PROFESSORA de Piano. Direção: Michael Haneke. Produção: Veit Heiduschka. Roteiro: Michael Haneke, baseado em livro de Elfriede Jelinek. França: Canal+; Les Films Alain Sarde; arte France Cinéma; MK2 Productions; Centre National de la Cinématographie; Eurimages; Áustria: Wega Film; Bayerischer Rundfunk; P.P. Film Polski; Österreichischer Rundfunk, 2001. 1 DVD (131 min.)

VASCONCELLOS, J. Da imagem do pensamento e dos intercessores. In: VASCONCELLOS, J. (Org.). Deleuze e o Cinema. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2006. p. 1-11.

VIRILIO, P. A máquina de visão. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2002a.

VIRILIO, P. A arte do motor (1996). São Paulo: Estação Liberdade, 2002b.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: