Cartografia: estratégias de produção do conhecimento

Vitor Martins Regis, Tania Mara Galli Fonseca

Resumo


Este artigo trabalha o conceito de cartografia procurando propor um estilo singular de produção do conhecimento que desenvolve a idéia de expansão da vida cunhada por Espinosa. Inicialmente, nós criticamos algumas influências filosóficas de Platão e Descartes no campo das discussões metodológicas como ainda constituintes de modos de vida que tendem à homogeneização calcados na racionalidade moderna. Depois disto, utilizamos o pensamento contemporâneo de autores como Deleuze, Einstein, Heisenberg, Gödel e Prigogine para sugerir que a produção do conhecimento deve afirmar a heterogeneidade da vida, respeitando preceitos éticos, estéticos e políticos.


Palavras-chave


Cartografia; Método; Processos de Subjetivação; Expansão da vida

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, R. B.; PASSOS, E. A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade. Revista Teoria e Pesquisa – UNB, Brasília, v. 16, n. 1, p. 71-79, abr. 2000.

BENJAMIN, W. Parigi capitale del XIX secolo. Torino: Einaudi, 1986.

BRIGGS, J.; PEAT, F. D. Looking glass universe: the emergings of wholeness. Londres: Fontana, 1985.

CALLADO, A. Quarup. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. v. 5.

FOUCAULT, M. Dits et Écrits. Paris: Gallimard, 1994. v. 4.

FUGANTI, L. A. Saúde, desejo e pensamento. In: LANCETTI, A. (Ed.). Saúde e Loucura. São Paulo: Hucitec, 1990, v. 2, p. 19-82.

GIACOMEL, A. et al. Conhecimento e cartografia: tempestade de possíveis. In: FONSECA, T.; KIRST, P. (Ed.). Cartografias e devires: a construção do presente. Porto Alegre: UFRGS, 2003. p. 91-101.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. Rio de Janeiro: Record, 2001.

JONES, R. Physics as metaphor. Nova Iorque: New American Library, 1982.

LADRIÈRE, J. Les limites de la formalization. In: PIAGET, J. (Ed.). Logique et connaissance scientifique. Paris: Gallimard, 1967.

LAVRADOR, M. C. Interfaces do saber psi. In: BARROS, M. E. B. (Ed.). Psicologia: questões contemporâneas. Vitória: Edufes, 1999. p. 15-58.

MACHADO, R. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2000.

MORIN, E. Epistemologia da Complexidade. In: SCHNITMAN, D. F. (Ed.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artmed, 1996. p. 274-289.

ORTIZ, R. Walter Benjamin e Paris: individualidade e trabalho intelectual. Revista Tempo Social, São Paulo, v. 12 , n. 1, p. 11-28, maio 2000.

PARAIN-VIAL, J. Philosophie des sciences de la nature: tendances nouvelles. Paris: Klincksieck, 1983.

PESSOA, F. Ficções do interlúdio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

PRIGOGINE, I.; STENGERS, I. La nouvelle alliance: metamorphose de la science. Paris: Gallimard, 1979.

PRIGOGINE, I. From being to becoming. San Francisco: Freeman, 1980.

PRIGOGINE, I. Time, irreversibility and randomness. In: JANTSCH, E. (Ed.). The evolutionary vision. Boulder: Westview Press, 1981. p. 73-81.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformação contemporânea do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 1997.

SCHERÉR, R. Homo tantum - o impessoal: uma política. In: ALLIEZ, E. (Ed.). Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo: Editora 34, 2000. p. 21-38.

THOM, R. Parábolas e catástrofes. Lisboa: D. Quixote, 1985.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: