Efeitos imaginários do diagnóstico de TDA/H na subjetividade da criança

Viviane Neves Legnani

Resumo


Neste artigo discute-se a avaliação diagnóstica de crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. O discurso médico aponta a etiologia desse quadro como endógena e orgânica e, para efeito de diagnóstico, utiliza os critérios descritivos do DSM IV. A partir de um Estudo de Caso e, mediante a apresentação de fundamentos teóricos da psicanálise, o texto aqui apresentado propõe que o TDA/H é uma problemática nas funções da atenção, linguagem e motricidade, as quais estão articuladas e dependem da posição subjetiva do sujeito. Nessa visão, o TDA/H pode ser pensado como um sintoma que se endereça, como uma mensagem, ao Outro.


Palavras-chave


TDA/H; psicanálise; avaliação diagnóstica

Texto completo:

PDF

Referências


BERGÈS, J.; BALBO, G. A atualidade das teorias sexuais infantis. Porto Alegre: CMC, 2001.

BIRMAN, J. Arquivos do mal estar e da resistência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

CORDIÉ, A. Os atrasados não existem: psicanálise com crianças com fracasso escolar. Porto Alegre: Artmed, 1996.

CORDIÉ, A. Por que nosso filho tem problemas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

COSTA, A. M. M. Autoridade e legitimidade. In: KEHL, M. R.(Org.). Função fraterna. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000. p. 81–110.

CORIAT, E. Causas e acasos. Estilos da Clinica: Revista sobre a infância com problemas, São Paulo, v. 3, p. 8 -14, 1997.

DSM. IV. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GUARIDO, R. A medicalização do sofrimento psíquico: considerações sobre o discurso psiquiátrico e seus efeitos na educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 151-161, jan./abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2010.

GUARIDO, R. O sujeito refém do orgânico. In: COLÓQUIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS PSICANALÍTICAS E EDUCACIONAIS SOBRE A INFÂNCIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 7., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo: [s.n.], 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2010.

JERUSALINSKY A. Seminários I. São Paulo: USP, 2001.

JERUSALINSKY, A. Diagnóstico de Déficit de Atenção, o que pode dizer a psicanálise ? Diagnósticos na infância hoje. Correio da APPOA, Porto Alegre, v. 144, p. 25-41, mar. 2006. Disponível em: < http://www.appoa.com.br/correio.php?sec=3>. Acesso em: 10 abr. 2008.

KUPFER, M.C. Pais melhor não tê-los? In: ROSENBERG, A M. S. (Org.). O lugar dos pais na psicanálise de crianças.São Paulo: Escuta, 2002. p. 113-132).

KUPFER, M. C. M; BERNARDINO, L. M. F. As relações entre construção da imagem corporal, função paterna e hiperatividade: reflexões a partir da Pesquisa IRDI. Revista latinoam. psicopatologia fundamental, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 45-58, mar. 2009.Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2009.

LACAN, J. O seminário: os escritos técnicos de Freud (1953-54). Rio de janeiro: Zahar, 1979. Livro 1.

LEGNANI, V. N.; ALMEIDA, S. F. C. A construção diagnóstica de Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: uma discussão crítica. Arquivos Brasileiro de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 60, n.1, jan./jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2009.

LEGNANI, V. N.; ALMEIDA, S. F. C. Hiperatividade: o “não-decidido” da estrutura ou o “infantil” ainda no tempo da infância. Estilos da clínica, São Paulo, v. 14, n. 26, p. 12-13, jan./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em 9 abr. 2012.

LEVIN, E. A clínica psicomotora: o corpo na linguagem. Petrópolis: Vozes, 1995.

MILLER, J-A. A criança entre a mulher e a mãe. Opção Lacaniana, São Paulo, v. 21, p. 7-12, 1998.

PITA, N. P. P. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade: sintoma escolar e sintoma analítico. 2008. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

RIBEIRO, V. L. M. A família e a criança/adolescente com TDAH: relacionamento social e intrafamiliar. 2008. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

SHOWALTER, E. Histórias Histéricas: a histeria e a mídia moderna. Rio de janeiro: Rocco, 2004.

THEVENOT, A.; METZ, C. Instabilidade psicomotora ou hiperatividade? Riscos dos deslizamentos dos discursos sobre a psicopatologia infantil. Epistemo-somática, Belo Horizonte, v. 4, n. 2, p. 49-61, jul./dez. 2005. Disponível:. Acesso em: 25 abr. 2010.

WERNER, J. R. Transtornos hipercinéticos: contribuições do trabalho de Vygotsky para reavaliar o significado. 1997. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: