Cartografar é traçar um plano comum

Virginia Kastrup, Eduardo Passos

Resumo


A pesquisa de campo sobre produção da subjetividade enfrenta o problema de construir conhecimento envolvendo pesquisadores e pesquisados, com territórios e semióticas singulares. Surgem questões relativas ao protagonismo dos participantes e a como traçar com eles um plano comum, garantindo o caráter participativo da pesquisa. No contexto do método da cartografia, o artigo tem como objetivo tratar do tema do comum num duplo aspecto. Num primeiro, discute o acesso ao plano comum. Com base em Gilles Deleuze e Felix Guattari, tal plano não é dito homogêneo nem reúne atores que manteriam entre si relações de identidade, mas opera comunicação entre singularidades, sendo pré-individual e coletivo. Num segundo aspecto, aponta que, enquanto pesquisa-intervenção, a cartografia se compromete com a criação de um mundo comum e heterogêneo. O artigo aponta que o traçado do comum tem como diretriz metodológica a tranversalidade e examina os procedimentos de participação, inclusão e tradução.


Palavras-chave


metodologia de pesquisa; método da cartografia; comum

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, J.; PASSOS, E. Cartografar é habitar um território existencial. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa- intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-149.

CAMPOS, R. O. et al. Pesquisa avaliativa em saúde mental: desenho participativo e efeitos da narratividade. Campinas: Hucitec, 2008.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Acerca do ritornelo. In: Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 4, p. 115-170.

DESPRET, V. Eprouver la traduction: essai d’ethologie politique (ethologie des attachements). In: Ethnopsy. Les mondes contemporaines de la guérison. Propositions de paix. Colloque de Cerisy. Paris: Les Empêcheurs de penser en rond / Le Seuil, 2002.

DESPRET, V The body we care for: figures of anthropo-zoo-genesis. In: AKRICH, M.; BERG, M. (Ed.). Body and Society (special issue on “Bodies on Trial”). London, v. 10, n. 2-3, p. 111-134, June 2004.

EIRADO, A. et al. Memória e alteridade: o problema das falsas lembranças. Mnemosine, Rio de Janeiro, v. 2, p. 75-86, 2006.

EIRADO, A. et al. Estratégias de pesquisa no estudo da cognição: o caso das falsas lembranças. Psicologia e Sociedade, Florianópolis, v. 22, p. 84-94, 2010.

ESCOSSIA, L.; TEDESCO, S. O coletivo de forças como plano da experiência cartográfica. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa- intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 92-108.

GUATTARI, F. Transversalidade. In: ROLNIK, S. (Org.). Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1981. p. 88-105.

JAMES, W. Does consciousness exist?. Journal of Philosophy, Psychology and Scientific Methods, v. 1, p. 477-491, 1904.

JULLIEN, F. O diálogo entre as culturas: do universal ao multiculturalismo. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2009.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa- intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 32-51.

KASTRUP, V. Quando a visão não é o sentido maior: algumas questões políticas envolvendo cegos e videntes. In: LIMA, E. A.; FERREIRA NETO, J. L.; ARAGON, L. E. (Org.). Subjetividade contemporânea: desafios teóricos e metodológicos. Curitiba: CRV, 2010. p. 95-114.

LATOUR, B. Ciência em ação. São Paulo:UNESP, 2000.

LATOUR, B. Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência. In: NUNES, J. A.; ROQUE, R. (Org.). Objetos impuros: experiências em estudos sociais da ciência. Porto: Afrontamento, 2007. p. 40-61.

LOURAU, R A análise institucional. Petrópolis: Vozes, 1996.

LOURAU, R. Implicação-transducção. In: ALTOÉ, S. (Org.). René Lourau, analista em tempo integral. Campinas: Hucitec, 2004. p.186-198.

LOFTUS, E. F.; HOFFMAN, H. G. Misinformation and memory: the creation of new memories. Journal of Experimental Psychology: General, v. 118, n. 1, p. 100-104, Mar. 1989.

MATURANA, H.; VARELA, F. El arbol del conocimiento: las bases biológicas del conocimiento humano. Madrid: Debate, 1990.

MORAES, M.; KASTRUP, V. Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa com pessoas com deficiência visual. Rio de janeiro: Nau, 2010.

PASCHE, D.; PASSOS, E. Inclusão como método de apoio para produção de mudanças na saúde – aposta da Política de Humanização da Saúde. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 34, p. 423-432, 2010.

PASSOS, E.; BARROS, R. B. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 17-31.

PASSOS, E.; EIRADO, A. Cartografia como dissolução do ponto de vista do observador. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 110-131.

PELBART, P. A comunidade dos sem comunidade. In: ______. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003. p. 28-41.

PETITMENGIN, C. Towards the source of thoughts: the gestural and transmodal dimension of lived experience. Journal of Consciousness Studies, [S.l.], v. 14, n. 3, p. 54-82, 2007.

POZZANA, L.; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa- intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 17-31.

RANCIÈRE, J. O desentendimento. São Paulo: Ed. 34, 1996.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO Experimental org. / Ed. 34, 2005.

SIMONDON, G. L’individuation phychique et collective. Paris: Aubier, 1989.

STERN, D. The Interpersonal World of the Infant. New York: Basic Books, 1985.

UNAIDS. Global Report. 2008. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2010.

WELLS, G. H. Em terra de cego. In: CALVINO, I. (Org.). Contos fantásticos do século XIX. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2004. p. 493-517.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: