O ethos da confiança na pesquisa cartográfica: experiência compartilhada e aumento da potência de agir

Christian Sade, Gustavo Cruz Ferraz, Jerusa Machado Rocha

Resumo


Esse texto discute as implicações metodológicas da confiança como um ethos na pesquisa cartográfica. A partir de autores como William James, Daniel Stern, Suely Rolnik e Vinciane Despret, definimos a confiança no entrelaçamento das noções de engajamento e indeterminação. A confiança nos dispõe a agir com base em um plano da experiência anterior a determinação de si e do mundo, o que contribui para a criação coletiva e participativa de conhecimento. A questão da constituição e do manejo dos vínculos no processo de pesquisa é pensada como um regime de contratação. Uma vez que na cartografia a produção de conhecimento é indissociável da construção de novas condições de existência, a aposta é de que a confiança na experiência implica a promoção de uma experiência compartilhada que amplia a potência de agir.


Palavras-chave


metodologia; método da cartografia; confiança

Texto completo:

PDF

Referências


BELLI, R. Influences of misleading postevent information: misinformation interference and acceptance. Journal of Experimental Psychology: General. v. 118, n. 1, p. 72-85, Mar. 1989.

BERGSON, H. Matéria e Memória. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CHERTOK, L; STENGERS, I. O coração e a razão: a hipnose de Lavoisier a Lacan. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1990.

COLASANTI, M. Eu sei, mas não devia. Rio de Janeiro: Rocco, 1996. p. 9. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2013.

CONFIANÇA. Direção: Hal Hartley. USA: Channel Four Films; Republic Pictures (II); True Fiction Pictures; Zenith Entertainment, 1990. 1 DVD (107 min), comédia / drama.

DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia. São Paulo: Editora 34, 1997.

DESPRET, V. The body we care for: figures of antropo-zoo-genesis. Body and Society. [S.l.], v. 10, n. 2-3, p. 111-134, 2004.

DESPRET, V. Leitura etnopsicológica do segredo. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 23, n. 1, p. 5-28, jan./abr. 2011a.

DESPRET, V. Os dispositivos experimentais. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 23, n. 1, p. 43-58, jan./abr. 2011b.

EIRADO, A. et al. Memória e alteridade: o problema das falsas lembranças. Mnemosine, Rio de Janeiro, v. 2, p. 75-86, 2006.

EIRADO, A. et al. Estratégias de pesquisa no estudo da cognição: o caso das falsas lembranças. Psicologia e Sociedade, v. 22, p. 84-94, 2010.

ESCÓSSIA, L.; TEDESCO, S. O coletivo de forças como plano da experiência cartográfica. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 92-108.

FAVRET-SAADA, J. Ser afetado. Cadernos de Campo, [S.l.], n. 13, p. 155-161, 2005.

JAMES, W. A vontade de crer. São Paulo: Loyola, 2001.

LAPOUJADE, D. William James: empirisme et pragmatisme. Paris: Lês empêcheurs de penser en rond, 1997.

LATOUR, B. When things strike back: a possible contribution of science studies to the social sciences. British Journal of Sociology, [S.l.], v. 51, n. 1, Jan/Mar, p. 107-203, 2000.

LATOUR, B. Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência. In: NUNES, J. A.; ROQUE, R. (Org.). Objetos impuros: experiências em estudos sociais da ciência. Porto: Afrontamento, 2007. p. 40-61.

LOFTUS, E.; HOFFMAN, H. G. Misinformation and memory: the creation of new memories. Journal of Experimental Psychology: General, v. 118, n. 1, p. 100-104, 1989.

O MILAGRE de Anne Sullivan. Direção: Arthur Penn. USA: Playfilms Productions, 1962. 1 DVD (98 min).

MORAES, M.; KASTRUP, V. (Org.). Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa COM pessoas com deficiência visual. Rio de Janeiro: NAU, 2010.

ONOCKO CAMPOS, R. et al. Adaptação multicêntrica de um guia para a Gestão Autônoma da Medicação. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, [S.l.], v. 16, n. 43, p. 967-980, out./dez. 2012.

PASSOS, E; BENEVIDES DE BARROS, R. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 17-31.

PASSOS, E; EIRADO, A. Cartografia como dissolução do ponto de vista do observador. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 109-130.

RENAULT, L; PASSOS, E; EIRADO, A. Da entrevista de explicitação à entrevista na pesquisa cartográfica. In: AMADOR, F. S.; BARROS, M. E. B.; FONSECA, T. M. G. (Org.). Clínicas do trabalho e paradigma estético. Porto Alegre: UFRGS. No prelo.

RESENDE, O. L. Vista cansada. Texto publicado no jornal “Folha de São Paulo”, edição de 23 de fevereiro de 1992. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2013.

ROLNIK, S. Hal Hartley e a ética da confiança. 1994. Disponível em: . Acesso em julho de 2011.

SALÉM, P. A gramática da quietude: um estudo sobre hábito e confiança na formação da identidade. 2006. Tese (Doutorado)__Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

SHACTER, D. Os sete pecados da memória: como a mente esquece e lembra. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

STENGERS, I. Quem tem medo da ciência?: Ciências e poderes. São Paulo: Siciliano, 1989.

STENGERS, I. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Editora 34, 1993.

STERN, D. O mundo interpessoal do bebê: uma visão a partir da psicanálise e da psicologia do desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

VERMELHO como o céu. Direção: Cristiano Bortone. Itália: Orisa Produzioni; Ministero per i Beni e le Attività Culturali (MiBAC), 2006. 1 DVD (96 min), drama.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: