A entrevista na pesquisa cartográfica: a experiência do dizer

Silvia Helena Tedesco, Christian Sade, Luciana Vieira Caliman

Resumo


O artigo visa discutir a aplicação da entrevista, seja individual ou coletiva, em pesquisa, segundo a perspectiva do método cartográfico. Não indica um modelo específico de “entrevista cartográfica”, mas um ethos cartográfico como orientação geral dos procedimentos ligados a sua construção. Apoiado nos estudos da pragmática, afirma a importância da montagem da entrevista como experiência compartilhada, entre entrevistador e entrevistado (s), estabelecida no domínio da linguagem. A questão do manejo é examinada, tendo em vista o caráter de intervenção recíproca entre signos e mundo. A partir de alguns exemplos empíricos, procedimentos e propostas são apresentadas na direção da abertura da experiência, ali em jogo, aos processos de criação de si e de mundos.


Palavras-chave


Metodologia; Entrevista; Método da cartografia

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, J.; PASSOS, E. Cartografar é habitar um território existencial. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-149.

ARAÚJO, F. Um passeio esquizo pelo acompanhamento terapêutico dos especialismos à política da amizade. Rio de Janeiro: Araújo F., 2007.

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer. Lisboa: Artes Médicas, 1990.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo, Hucitec, 1992.

BELLI, R. Influences of misleading postevents information: misinformation interference and acceptance. Journal of Experimental Psychology: General, [S.l.], v. 118, n. 1, p. 72-85, 1989.

BRITTEN, N. Entrevistas qualitativas. In: POPE, C; MAYS, N. Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. Porto Alegre: Artmed, 2009. p. 23-31.

DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. v. 2.

DEPRETO, C. L’heritage de Bakhtin. Bordeaux: Press Universitaires de Bordeux, 1997.

DUCROT, O. Pressuposição e alusão. In: ______. Linguagem enunciação. Lisboa: Imprensa Nacional, 1984. p. 394 – 417. Enciclopédia Einaudi, v. 2,

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

EIRADO, A. et al. Estratégias de pesquisa no estudo da cognição: o caso das falsas lembranças. Psicologia e Sociedade, [S.l.], v. 22, p. 84-94, 2010.

ESCÓSSIA, L.; TEDESCO, S. O coletivo de forças como plano da experiência cartográfica. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 92-108.

FONTANELLA, B. J. B.; CAMPOS, C. J. G.; TURATO, E. R. Coleta de dados na pesquisa clinico-qualitativa: uso de entrevistas não-dirigidas de questões abertas por profissionais da saúde. Revista Latino Americana de Enfermagem, [S.l.], v. 14, n. 5, p. 812-820, set./out., 2006.

FRASER, M. T. D.; GONDIM, S. M. G. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paideia, [S.l], v. 14, n. 28, p. 139-152, 2004.

KASTRUP, V. A aprendizagem da atenção na cognição inventiva. Psicologia & Sociedade, [S.l.], v. 16, n. 3, p. 7-16, 2004.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. p. 64-89.

GOBART, H. L’aliénation linguistique. Paris: Flammarion, 1976.

LOFTUS, E; HOFFMAN, H. G. Misinformation and memory: the creation of new memories. Journal of Experimental Psychology: General, [S.l.], v. 118, n. 1, p. 100-104, 1989.

MELO, J. et al. Acesso e compartilhamento da experiência na gestão autônoma da medicação: o manejo cogestivo. Cadernos Humaniza SUS. No prelo.

ONOCKO CAMPOS, R. T. et al. Adaptação multicêntrica de um Guia para a Gestão Autônoma da medicação. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, [S.l.], v. 16, n. 43, p. 967-980, out./dez. 2012.

PASSOS, E.; BENEVIDES DE BARROS, R. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 17-31.

PASSOS, E.; EIRADO, A. Cartografia como dissolução do ponto de vista do observador. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 109-130.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PETITMENGIN, C. Describing one’s subjective experience in the second person: interview method for the science of consciousness. Phenom Cogn Sci, [S.l.], v. 5, p. 229-269, 2006.

PETITMENGIN, C. Towards the source of thoughts: the gestural and transmodal dimension of lived experience. Journal of Consciousness Studies, [S.l.], v. 14, n. 3, p. 54-82, 2007.

POZZANA, L.; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 52-75.

RENAULT, L.; PASSOS, E.; EIRADO, A. Da entrevista de explicitação à entrevista na pesquisa cartográfica. In: AMADOR, F. S.; BARROS, M. E. B.; FONSECA, T. M. G. (Org.). Clínicas do trabalho e paradigma estético. Rio Grande do Sul: UFRGS. No prelo.

ROLNIK, S. Hall Hartley e a ética da confiança, 1994. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2011.

ROVINSKI, S. L. R.; STEIN, L. M. O uso da entrevista investigativa no contexto da psicologia forense. In: ROVINSKI, S. L. R.; CRUZ, R. M. (Org.). Psicologia Jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção. São Paulo: Vetor, 2009. p. 67-74.

SADE, C. et al. O uso da entrevista na pesquisa-intervenção participativa em saúde mental: o dispositivo GAM como entrevista coletiva. Ciência & Saúde Coletiva. No prelo.

SCHACTER, D. Os sete pecados da memória: como a mente esquece e lembra. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

TEDESCO, S. Hospitalité: une politique du dire. Chimères, Paris, v. 64, p. 51-167, 2007.

TEDESCO, S. Estilismo de si: ato de fala e criação In: KASTRUP, V.; TEDESCO, S.; PASSOS, E. (Org.). Políticas da cognição, Porto Alegre: Sulinas, 2008. p. 177-196.

TEDESCO, S. Modos de resistência nas redes linguísticas. In: LIMA, E. A.; NETO, J. L.; ARAGON, L. E. (Org.). Subjetividade contemporânea: desafios teóricos e metodológicos. Curitiba: CRV, 2010. p. 161-171.

RECANATI, F. La transparence et l’énonciation. Paris: Seuil, 1979.

VARELA, F.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. A mente incorporada: ciências cognitivas e experiência humana. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VERMERSCH, P. L’entretien d’explicitation. Issy-les-moulineaux: ESF, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: