Políticas públicas e capital social: o Projeto Consultório de Rua

Maria Eniana Araújo Gomes Pacheco

Resumo


Discute-se nesse ensaio questões pertinentes a sociedade moderna, na perspectiva de Bauman e Giddens, com um recorte para a temática das drogas. Reflete-se o Projeto Consultório de Rua enquanto um equipamento das políticas de saúde, com prática social inclusiva à população em situação de rua, no Brasil. Analisam-se as categorias, capital social e habitus, enquanto temáticas transversais na prática dos profissionais do Projeto Consultório de Rua, através do aporte teórico em Pierre Bourdieu. Por conseguinte, pretende-se, a partir dessa discussão, contribuir com as diferentes práticas dos profissionais na área da saúde, no tocante ao uso e abuso de substâncias psicoativas.


Palavras-chave


redução de danos; saúde mental; inclusão; projeto consultório de rua

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2001.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2012.

BRASIL. Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde mental: 1990-2004. 4. ed. rev. e atual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação Nacional DST/AIDS. A política do Ministério da Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional da Atenção Básica. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Série Pactos pela Saúde, v. 4, 2. ed., 1. reimpr. Brasília, DF: MS, 2006.

BRASIL. Política nacional para inclusão social da população em situação de rua. Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. SAS/DAPES. Coordenação Nacional de Saúde Mental. Consultórios de Rua do SUS. Material de trabalho para a II Oficina Nacional de Consultórios de Rua do SUS. Brasília: Ministério da Saúde/Convênio Escola Politécnica Joaquim Venâncio – FIOCRUZ, 2010a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. II Chamada para Seleção de Projetos de Consultórios de Rua e Redução de Danos (PCR-II). Brasília: Ministério da Saúde, 2010b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Saúde Mental. Consultórios de Rua do SUS. Material de trabalho para a II Oficina Nacional de Consultórios de Rua do SUS. Brasília: Ministério da Saúde/EPJN-FIOCRUZ, 2010c.

BRASIL. Presidência da República. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. Decreto nº 7.179, de 20 de maio de 2010d.

BRASIL. Presidência da República. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. Decreto nº 7.637, de 08 de dezembro de 2011.

FERREIRA, S. C. (Org.). Gestão em saúde: contribuições para análise da integralidade. Rio de Janeiro: EPSJV, 2009.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Tradução de Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

GOFFREDO, V. L. F. S. Integração ou segregação? Eis a questão! In: MANTOAN, M. T. E. A Integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon, 1997. p. 230-235.

MACRAE, E. Antropologia: aspectos sociais, culturais e ritualísticos. In: SEIBEL, S. D.; TOSCANO JR., A. Dependência de drogas. São Paulo: Atheneu, 2001. p. 25-34.

MARX, K. Trabalho Alienado. In: Manuscritos econômico-filosófico. Lisboa: Edições 70, 1993. Textos filosóficos.

OLIVEIRA, M. G. P. N. de. Consultório de rua: um relato de experiência. 2009. 146 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública)–Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

PACHECO, M. E. A. G. Política de redução de danos a usuários de substâncias psicoativas: práticas terapêuticas no Projeto Consultório de Rua em Fortaleza, Ceará. 2013. 143f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2013.

SANTOS, L. G. Politizar as novas tecnologias. São Paulo: Editora 34, 2003.

SAWAIA, B. Introdução: exclusão ou inclusão perversa? In: As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2007. p. 07-13.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: