Dimensões do coletivo na atividade de trabalho dos motoboys

Thiago Drumond Moraes, Milton Raimundo Cidreira de Athayde

Resumo


Políticas públicas brasileiras procuram reduzir a gravidade do quadro de acidentes de trabalho dos motoboys, priorizando dimensões individuais da pilotagem. Seus resultados são limitados por não contemplarem satisfatoriamente dimensões coletivas do trabalho e seus efeitos na profissão. Ademais, há carência de pesquisas neste campo. Para colaborar neste movimento de compreender↔transformar, objetivou-se verificar como o coletivo profissional vem se desenvolvendo no meio profissional dos motoboys. Orientada pela Ergologia, na pesquisa mobilizou-se vertentes clínicas do trabalho: Psicodinâmica do Trabalho e Clínica da Atividade. Observou-se a existência de coletivo profissional em formação, verificada por meio de saberes práticos, sistemas defensivos, linguagem profissional, valores e regras de ofício, que começam a ser elaborados e partilhados por esses trabalhadores. Porém, verificou-se que individualismo e baixa solidariedade entre pares vêm fragilizando esse coletivo, reduzindo sua capacidade de resposta às condições degradantes de trabalho. Entende-se incontornável seu fortalecimento no caminho do exercício profissional mais seguro.


Palavras-chave


coletivo de trabalho; motoboy; acidentes de trabalho; segurança

Texto completo:

PDF

Referências


ATHAYDE, M. Gestão de coletivos de trabalho e modernidade. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1996.

BARROS, R. B. Grupo: a afirmação de um simulacro. Porto Alegre: Sulina / UFRGS, 2009.

BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. (Org.). Introdução às clínicas do trabalho: aportes teóricos, pressupostos e aplicações. In: ______. Clínicas do trabalho: novas perspectivas para a compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2010. p. 3-21.

BOUTET, J. Activité de langage et activité de travail. Education Permanente. [S.l.], v. 116, n. 3, p. 109-117, 1993.

BOUTET, J. Quand le travail rationalise le langage. In: KERGOAT, J. et al. (Org.). Le monde du travail. Paris: La Découverte, 1998. p. 153-164.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Frabrefactum, 2010.

CRU, D. Collectifs et travail de métier, sur la notion de collectif de travail. In: DEJOURS, C. (Org.). Plaisir et souffrance dans le travail. Paris: AOCIP, 1987a. p. 43-49.

CRU, D. Les règles du métier. In: DEJOURS, C. (Org.). Plaisir et souffrance dans le travail. Paris: AOCIP, 1987b. p. 29-50.

CRU, D. Règles de métier, langue de métier: dimension symbolique au travail et démarche participative de prévention. Le cas du bâtiment et des travaux publics. Paris: École Pratique des Hautes Études, 1995.

CRU, D.; DEJOURS, C. Saberes de prudência nas profissões da construção civil: nova contribuição da Psicologia do Trabalho à análise da prevenção de acidentes na construção civil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, [S.l.], v. 15, n. 59, p. 30-34, 1987.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudos de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez – Oboré, 1992.

DEJOURS, C. O fator humano. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

DEJOURS, C. Addendum: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I. (Org.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004. p. 47-104.

DEJOURS, C. Trabalho vivo. Brasília: Paralelo 15, 2012. v. 1 e 2.

DINIZ, E. P. H. As condições acidentogênicas e as estratégias de regulação dos motociclistas profissionais: entre as exigências de tempo e os constrangimentos do espaço. 2003. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

DURRIVE, L. Pistas para o ergoformador animar os encontros sobre o trabalho. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. rev. e ampl. Niterói: EDUFF, 2010. p. 309-318.

FIGUEIREDO, M. G.; ATHAYDE, M. Organização do trabalho, subjetividade e confiabilidade na atividade de mergulho profundo. Produção, [S.l.], v. 15, n. 2, p. 172-183, 2005.

GUÉRIN, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Edgar Blucher, 2001.

HOFFMANN, M. H. Comportamento do condutor e fenômenos psicológicos Psicologia: Pesquisa & Trânsito, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 17-24, 2005.

MARÍN, L.; QUEIROZ, M. S. A atualidade dos acidentes de trânsito na era da velocidade: uma visão geral. Cadernos de Saúde Pública, [S.l.], v. 16, n. 1, p. 7-21, 2000.

MOLINIER, P. Les enjeux psychiques du travail. Paris: Payot, 2006.

MORAES, T D. Coletivo de trabalho e atividade dos motoboys: gênero profissional, saberes operatórios e riscos da atividade de trabalho. 2008. Tese (Doutorado) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

NETO, A.; MUTAF, J.; AVLASEVICIUS, S. Pelo espelho retrovisor: motoboys em trânsito. NAU-Núcleo de Antropologia Urbana da USP, 2006. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2012.

ODDONE, I.; RE, A.; BRIANTI, G. Redécrouvir l’expérience ouvrière. Paris: Eds. Sociales, 1981.

OLIVEIRA, G. C. Trabalho, vitimização e criminalização no cotidiano de motoboys de Salvador. 2003. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003.

PANICHI, R. M. D.; WAGNER, A. Comportamento de risco no trânsito: revisando a literatura sobre as variáveis preditoras da condução perigosa na população juvenil. Revista Interamericana de Psicología, [S.l.], v. 40, n. 2, p. 159-166, 2006.

PARKER, R. Na contramão da AIDS: sexualidade, intervenção, política. São Paulo: Ed. 34, 2000.

RAMMINGER, T.; ATHAYDE, M.; BRITO, J. Ampliando o diálogo entre trabalhadores e profissionais de pesquisa: metodologias para o campo da Saúde do Trabalhador. Ciência e Saúde Coletiva. No prelo.

ROBBINS, S. P.; JUDGE, T. A.; SOBRAL, F. Comportamento organizacional. 14. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

SATO, L.; SOUZA, P. R. Contribuindo para desvelar a complexidade do cotidiano através da pesquisa etnográfica em psicologia. Psicologia USP, [S.l.], v. 12, n. 2, p. 29-47, 2001.

SILVA, D. W. Atuação profissional de motoboys e fatores associados à ocorrência de acidentes de trânsito em Londrina. 2006. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2006.

SCHWARTZ, Y. A comunidade científica ampliada e o regime de produção de saberes. Trabalho & Educação, [S.l.], v. 7, p. 38-47, 2000.

SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. rev. e ampl. Niterói: EDUFF, 2010.

VERONESE, A. M. Moto-boys de Porto Alegre: convivendo com os riscos de acidentes. 2004. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. World report on traffic injury prevention. Genebra: OMS, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: