O medo: expressão de um coletivo de trabalhadores

Andréa Luiza da Silveira, Álvaro Roberto Crespo Merlo

Resumo


Objetivou-se analisar a condição de possibilidade da experiência do medo relacionada à solidariedade e à resistência. Articulou-se a história do coletivo de trabalhadores dos frigoríficos da região oeste catarinense, enfatizando a constituição da gestão flexível a partir da década de 1990 e o processo de luta por uma representação sindical legítima, integrando poder público e movimentos sociais. Utilizou-se a pesquisa bibliográfica e documental e a pesquisa participante, mediante a vivência dos autores em atividades promovidas pelo sindicato da categoria. As análises, por um lado, resultaram no entendimento de que a luta dos trabalhadores dos frigoríficos da região de Chapecó (SC) ocorreu, sobretudo, pelo controle do processo de trabalho, isto é, a normatização do ritmo, da jornada, das pausas e da temperatura; e, por outro lado, mostraram que o medo, como palavra referida recorrentemente, expressa certa relação com o futuro como de possibilidades mortas, apontando para novas investigações que contemplem quadros psicopatológicos.


Palavras-chave


medo; psicologia do social e do trabalho; existencialismo moderno; psicodinâmica do trabalho; psicopatologia

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. Notas de Literatura I. São Paulo: Duas Cidades/34, 2003.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e a história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, [online], n. 19, jan.-abr. 2002. Disponível em: . Acesso em: 1 ago. 2013.

BRASIL. Ministério do Trabalho Emprego. Portaria MTE n. 555, de 18 de abril de 2013. Aprova a Norma Regulamentadora n.º 36 - Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados. Brasília: MTE, 2013.

BRASIL. Ministério Público do Trabalho. Termo de Ajuste de Conduta n. 01477. Procuradoria Regional do Trabalho da 12° Região, 2011. Brasília: MPT, 2011.

DAL MAGRO, M. L. P. Entre a saúde e a norma: a atenção à saúde dos trabalhadores das agroindústrias do oeste de Santa Catarina. 2012. Tese (Doutorado)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

DEJOURS, C.; BÈGUE, F. Suicídio e trabalho: o que fazer? Brasília: Paralelo 15, 2010.

ESPÍNDOLA, J. C. As agroindústrias no Brasil: o caso Sadia. Chapecó: Grifos, 1999.

FOUCAULT, M. Os corpos dóceis. In: ______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987a. p. 117-142.

FOUCAULT, M. Os recursos para o bom adestramento. In: ______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987b. p. 143-161.

HEIDEGGER, M. A caminho da linguagem. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz; Brasília: Paralelo 15, 2004.

LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I. (Org.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Brasília: Paralelo 15, 2004.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MERLEAU-PONTY, M. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 2012.

MERLEAU-PONTY, M. Signos. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

MERLO, A. R. C.; LAPIS, N. L. A saúde e os processos de trabalho no capitalismo: reflexões na interface entre a psicodinâmica do trabalho e a sociologia do trabalho. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, p. 61-68, jan./abr. 2007.

MYNAIO-GOMES, C.; LACAZ, F. A. C. Saúde do trabalhador: novas-velhas questões. Ciência e Saúde Coletiva, [S.l.], v. 10, n. 4, p. 797-807, 2005.

NELI, M. A. Reestruturação produtiva e saúde do trabalhador: um estudo com os trabalhadores da indústria avícola. 2006. Dissertação (Mestrado)–Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.

SANTOS, M. A. O Sofrimento dos trabalhadores da agroindústria Sadia S.A de Chapecó. 2011. Dissertação (Mestrado)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

SARDÁ, S. E.; RUIZ, R. C.; KIRTSCHIG, G. Tutela jurídica da saúde dos empregados de frigoríficos: considerações dos serviços públicos. Acta Fisiátrica, [online], v. 16, n. 2, p. 59-65, 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2013.

SARTRE, J. P. A crítica da razão dialética. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

SARTRE, J. P. O ser e o nada. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

SELIGMANN-SILVA, E. et al. O mundo contemporâneo do trabalho e a saúde mental do trabalhador. Rev. bras. saúde ocup., São Paulo, v. 35, n. 122, dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2013.

SELIGMANN-SILVA, E. Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

SILVEIRA, F. A.; FURLAN, R. Corpo e alma em Foucault: postulados para uma Metodologia da Psicologia. Psicologia USP, v. 14, n. 3, p. 171-194, 2003.

SITRACARNES. Boletins 12, 13, 16 e 19. Chapecó, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: