Violência, risco e proteção em estudantes de escola pública

Joyce Hilario Maranhão, João Paulo Lopes Coêlho, Guilherme Sobreira Lopes, Veriana de Fatima Rodrigues Colaço, Walberto Silva dos Santos

Resumo


Esse estudo analisou como jovens de escolas públicas identificam e avaliam vivências de violência no ambiente familiar e comunitário, partindo de um recorte de uma pesquisa sobre risco e proteção na população juvenil. Para tanto, foram selecionados 529 estudantes, de 14 a 24 anos e ambos os sexos, que afirmaram ter sofrido algum tipo de violência naqueles ambientes. Aplicou-se um instrumento com 77 questões sobre situações cotidianas e fez-se análise dos itens relativos à vivência de situações de violência. Os resultados demonstraram a ocorrência mais frequente de violência física na família. Já, na comunidade, ameaça ou humilhação. A percepção negativa dos jovens sobre o ambiente de ocorrência da violência, destacou-se o familiar. Os dados sobre autoestima e autoeficácia revelaram aspectos protetivos. As análises conduzem à conclusão de que a percepção da violência como fator de risco precisa ser compreendida no contexto de participação do jovem e na sua história.


Palavras-chave


juventude; violência; risco; proteção

Texto completo:

PDF

Referências


AMPARO, D. M et al. Adolescentes e jovens em situação de risco social: redes de apoio social e fatores pessoais de proteção. Estudos de Psicologia, v. 13, n. 2, p. 165-174, 2008.

ANTONI, C.; KOLLER, S. H. A visão de famílias entre as adolescentes que sofreram violência intrafamiliar. Estudos de Psicologia, [S.l.], v. 5, n. 2, p. 347-381, 2000.

ASSIS, S. G.; PESCE, R. P.; CARVALHAES, R. O. Resiliência: a ênfase nos fatores positivos. In: LIMA, C. A. (Coord.). Violência faz mal à saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. p. 275-265.

AZEVEDO, M. A.; GUERRA, V. N. A. As políticas e a violência doméstica contra crianças e adolescentes: um desafio recusado em São Paulo? In: ______. Infância e Violência Doméstica: fronteiras do conhecimento. São Paulo: Cortez. 2011. p. 241-324.

BRASIL. Ministério da Justiça. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal 8.069 de 1990, Brasília, 1990. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2011.

BRITO, A. M. M. et al. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção. Ciência & Saúde Coletiva, [S.l.], v. 10, n. 1, p. 143-149, 2005.

BRUSCHINI, C. Teoria Crítica da Família. In: AZEVEDO, M. A.; GUERRA, V. N. A. (Org.). Infância e violência doméstica: fronteiras do conhecimento. São Paulo: Cortez, 2011. p. 56-86.

CHAUÍ, M. Contra a violência. 08 abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2011.

COSTA, M. C; BIGRAS, M. Mecanismos pessoais e coletivos de proteção e promoção da qualidade de vida para a infância e adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, [S.l.], v. 12, n, 5, p. 1101-1109, set./out. 2007.

CYRULNIK, B. Falar de amor à beira do abismo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

DELL’AGLIO, D. D. et al. Revisando o questionário da juventude brasileira: uma nova proposta. In: DELL’AGLIO, D. D.; KOLLER, S. H. (Org.). Adolescência e Juventude: vulnerabilidade e contextos de proteção. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

DRANKA, R. A. P. Linguagem como mediação entre a vontade do Eu e do outro. Linguagem em (Dis)curso, v. 1, n. 2, 2001.

FALEIROS, V. P.; FALEIROS, E. S. Escola que Protege: enfrentando a violência contra crianças e adolescentes. Brasília: Ministério da Educação, 2007.

GOMES, R. et al. Porque as crianças são maltratadas? Explicações para a prática de maus-tratos infantis na literatura. Caderno de Saúde Pública, v. 18, n. 3, p. 707-714, maio/jun. 2002.

LIBÓRIO, R. M. C.; CASTRO, B. M. Juventude e sexualidade: educação afetivo-sexual na perspectiva dos estudos da resiliência. In: LIBÓRIO, R. M. C.; KOLLER, S. H. (Org.). Adolescência e juventude: risco e proteção na realidade brasileira. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009. p. 185-217.

OSTERNE, M. S. F. Família, pobreza e gênero: o lugar da dominação masculina. Fortaleza: EDUECE, 2001.

SANCHEZ, R. N.; MINAYO, M. C. S. Violência contra crianças e adolescentes: questão histórica, social e de saúde. In: ______. Violência faz mal à saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. p. 29-38.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas: problemas del desarrollo de la psique (1927). Madrid: Visor, 1995. Tomo III.

VYGOTSKY, L. S. Internalização das funções psíquicas superiores. In: ______. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007. p. 51-58.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2011: os jovens do Brasil. São Paulo: Instituto Sagari, 2011.

YUNES, M. A. M. Jovens: escolhas e mudanças - promovendo comportamentos saudáveis em adolescentes. Organização Pan-Americana da Saúde, 2003.

YUNES, M. A. M.; SZYMANSKI. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, J. (Org.). Resiliência e educação. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-42.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: