Formação em Psicologia Social: uma experiência de ensino/pesquisa/intervenção

Angela Maria Dias Fernandes, Andrea Vieira Zanella, Gabriel Bueno

Resumo


O objetivo deste texto é apresentar e discutir um trabalho educativo em que foram experimentadas três estratégias de intervenção metodológica e teoricamente articuladas com um grupo de estudantes de psicologia. A concepção de “grupo como dispositivo” foi afirmada em todo o processo, sendo condição para a constituição de conexões e o processo de produção de sentidos. As experimentações engendradas na disciplina foram analisadas através de uma atividade de autoavaliação promovida ao final do semestre letivo, sendo as observações dos alunos indicativas da relevância da intervenção realizada para a formação crítica do profissional em psicologia.

Palavras-chave


formação; pesquisa-intervenção; psicologia social

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, R. D. B. Dispositivos em ação: grupos. In: LANCETTI, A. (Org.). SaúdeLoucura: subjetividade. São Paulo: Hucitec, 1997. v. 6, p. 183-191.

BRAIT, B. (Org.). Alguns pilares da arquitetura bakhtiniana. In: ______. Bakhtin: conceitos chave. São Paulo: Contexto, 2005. p. 07-10.

COSTA, E. A. P.; COIMBRA, C. M. B. Nem criadores, nem criaturas: éramos todos devires na produção de diferentes saberes. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 125-133, abr. 2008.

DELEUZE, G. ¿Que és un dispositivo? Tradução de Wanderson Flor do Nascimento. In: Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990. p. 155-161. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2012.

FARACO, C. A. Linguagem & Diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

GROFF, A. R.; MAHEIRIE, K.; ZANELLA, A. V. A constituição do(a) pesquisador(a) em ciências humanas. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 62, n. 1, p. 97-103, 2010.

MAIRESSE, D.; FONSECA, T. M. G. Dizer, escutar, escrever: redes de tradução impressas na arte de cartografar. Psicol. estud., Maringá, v. 7, n. 2, p. 111-116, dez. 2002.

NASCIMENTO, M. L.; COIMBRA, C. M. B. Análise de implicações: desafiando nossas práticas de saber/poder. In: Geisler, A. R.; Abrahão, A. L.; Coimbra, C. M. B. (Org.). Subjetividade, violência e direitos humanos: produzindo novos dispositivos na formação em saúde. Niterói, RJ: EDUFF, 2008. p. 143-153.

PAULON, S. M. A análise de implicação como ferramenta na pesquisa-intervenção. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 18-25, 2005.

ROCHA, M. L. da. Inclusão ou exclusão? Produção de subjetividade nas práticas de formação. Psicol. estud., v. 13, n. 3, p. 477-484, set. 2008.

ROCHA, M. L. da; AGUIAR, K. F. de. Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicol. cienc. prof., [S.l.], v. 23, n. 4, p. 64-73, dez. 2003.

RODRIGUES, H. B. C. Sobre as histórias das práticas grupais: explorações quanto a um intrincado problema. In: Jacó-Villela, A. M.; Mancebo, D. (Org.). Psicologia Social: abordagens sócio-históricas e desafios contemporâneos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999. p. 111-165.

SCHLINDWEIN, L. M.; SIRGADO, A. P. (Org.). Estética e pesquisa na formação de professores. Itajaí, SC: UNIVALI; Maria do Cais, 2006.

SOARES, F. M. Uma experiência de intervenção em um projeto cultural: o psicólogo e a defesa dos direitos humanos nas instituições socioeducativas. Fractal, Rev. Psicol., Niterói, v. 23, n. 1, p. 171-190, 2011.

ZANELLA, A. V.; SAIS, A. P. Reflexões sobre o pesquisar em psicologia como processo de criação ético, estético e político. Análise Psicológica, Lisboa, v. 26, n. 4, p. 679-687, out. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: