Do policial ao noir: as novas faces da narrativa violenta

Paulo Sesar Pimentel

Resumo


O presente artigo se propõe a, num primeiro momento, descrever a evolução do gênero policial, do seu surgimento até sua transformação, numa nova categoria, designada por noir. Partindo deste ponto, trabalham-se as especificidades do chamado romance negro, suas motivações e suas peculiaridades, inseridas na estrutura social contemporânea, discutindo, por sua relação intrínseca, a violência e a morte. A fim de exemplificar esta construção narrativa, usa-se o conto “Tempestade sobre a Montanha”, de Wander Antunes, numa análise que permite vislumbrar as manifestações temáticas e estruturais deste novo gênero adaptadas à realidade brasileira.


Palavras-chave


narrativa policial; noir; conto contemporâneo brasileiro; violência

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, W. Trabalhinho em Cáceres e Tempestade sobre a Montanha. In: MORENO, J.; LEITE, M. C. S. (Org.). Na margem esquerda do rio: contos de fim de século. São Paulo: Via Lettera, 2002. p. 25-29.

BOILEAU-NARCEJAC. O Romance Policial. São Paulo: Ática, 1991.

CAVALCANTE, P. Como se fabrica um pistoleiro. São Paulo: Girafa, 2003.

D’ONOFRIO, S. Teoria do texto: prolegômenos e teoria narrativa. 2. ed. São Paulo: Ática, 1999. v. 1.

FIGUEIREDO, V. L. F. de. Os crimes do texto. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

ORTIZ, R. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 2003.

TODOROV, T. As estruturas narrativas. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: