Territórios existenciais ético-estéticos em saúde coletiva

Silier Andrade Cardoso Borges

Resumo


Este texto investiga as possíveis contribuições da filosofia para a problematização de questões em Saúde Coletiva, ressaltando os efeitos dos atravessamentos entre disciplinas habitualmente tidas como estrangeiras entre si. Busca-se ressaltar a dimensão da construção conceitual e a noção de territórios existenciais no campo filosófico, de modo a contribuir para a práxis no campo da Saúde Mental. Deste modo, discute-se a contribuição da filosofia para pensar o sofrimento psíquico, evidenciando a potência da clínica antimanicomial na construção de espaços que fabriquem sujeitos desinstitucionalizados. Para tanto, esboça horizontes ético-estéticos entrelaçados com os pensamentos de Gilles Deleuze, Félix Guattari e Michel Foucault.


Palavras-chave


filosofia; saúde coletiva; saúde mental; territórios existenciais

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, N.; COELHO, M. T. Á.; PERES, M. F. T. O conceito de saúde mental. Revista USP, n. 43, p. 100-125, 1999.

ALVAREZ, J.; PASSOS, E. Cartografar é habitar um território existencial. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2010. p. 131-149.

ALVERGA, A. R.; DIMENSTEIN, M. A reforma psiquiátrica e os desafios na desinstitucionalização da loucura. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 10, n. 20, p. 299-316, dez. 2006.

AMARANTE, P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 491-494, set. 1995.

AYRES, J. R. C. M. Hermenêutica e humanização das práticas de saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 549-560, set. 2005.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. 1990a. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. 1990b. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. Brasília: Ministério Saúde, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de atenção básica – saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

CAMPOS, J. D. P. Cartografias na educação com a caixa de ferramentas da Saúde Mental coletiva. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Educação em Saúde Mental Coletiva) Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

CANESQUI, A. M. Os estudos de antropologia da saúde/doença no Brasil na década de 1990. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 109-124, 2003.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia?. 3. ed. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. 2. ed. São Paulo: Ed. 34, 1995. v. 1.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Crítica e clínica. 2. ed. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DELEUZE, G.; FOUCAULT, M. Os intelectuais e o poder. In: MACHADO, R. (Org.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 69-78.

FERREIRA, F. T. Rizoma: um método para as redes? Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 28-40, mar. 2008.

FIGUEIRÓ, R. A.; DIMENSTEIN, M. O cotidiano de usuários de CAPS: empoderamento ou captura?. Fractal, Rev. Psicol., Niterói, v. 22, n. 2, p. 431-446, maio/ago. 2010.

FOUCAULT, M. História da loucura na idade clássica. São Paulo: Perspectiva, 1972.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. Doença mental e psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1991.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France. 5. ed. São Paulo: Loyola, 1999.

GUATTARI, F. As três ecologias. 7. ed. São Paulo: Papirus, 1990.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 11. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

GUIMARÃES, C. F.; MENEGHEL, S. N. Subjetividade e saúde coletiva: produção de discursos na re-significação do processo saúde-doença no pós-moderno. Rev. Mal-Estar Subj., Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 353-371, set. 2003.

GUIZARDI, F. L.; PINHEIRO, R. Dilemas culturais, sociais e políticos da participação dos movimentos sociais nos conselhos de saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 797-805, set. 2006.

LEMKE, R. A.; GONÇALVES, S. E. Relato de uma experiência de intervenção em crise psíquica na estratégia de saúde da família. Boletim da Saúde, Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 49-55, jan./ jun., 2008.

LOBOSQUE, A. M. A reforma psiquiátrica que queremos: por uma clínica antimanicomial. Belo Horizonte: ESP-MG, 2007.

LUZ, M. T. Novos saberes e práticas em saúde coletiva: estudos sobre racionalidades médicas e atividades corporais. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

MARTINS, A. Filosofia e saúde: métodos genealógico e filosófico-conceitual. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 950-958, ago. 2004.

MINAYO, M. C. S. Estrutura e sujeito, determinismo e protagonismo histórico: uma reflexão sobre a práxis da saúde coletiva. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 7-19, 2001.

MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade?. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, set. 1993.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PAIM, J. S. Desafios para a saúde coletiva no século XXI. Salvador: EDUFBA, 2006.

PAIM, J. S. Uma análise sobre o processo da reforma sanitária brasileira. Saúde em Debate, [S.l.], v. 33, n. 81, p. 27-37, 2009.

REGIS, V. M.; FONSECA, T. M. G. Cartografia: estratégias de produção do conhecimento. Fractal, Rev. Psicol., Niterói, v. 24, n. 2, p. 271-286, maio/ago. 2012.

RESENDE, C. A escrita de um corpo sem órgãos. Fractal, Rev. Psicol., Niterói, v. 20, n. 1, p. 65-76, jan./jun. 2008.

SANTOS, K. L.; QUINTANILHA, B. C.; DALBELLO-ARAUJO, M. A atuação do psicólogo na promoção da saúde. Psicol. teor. prat., São Paulo, v. 12, n. 1, p. 181-196, 2010.

SEGRE, M.; FERRAZ, F. C. O conceito de saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 5, p. 538-542, out. 1997.

TORRE, E. H. G.; AMARANTE, P. Protagonismo e subjetividade: a construção coletiva no campo da saúde mental. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 73-85, jan. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: