Nas teias da “rede de proteção”: internação compulsória de crianças e adolescentes e a judicialização da vida

Carolina dos Reis, Neuza Maria de Fátima Guareschi

Resumo


Este artigo tem por objetivo problematizar as práticas de internação compulsória de adolescentes por uso de drogas, evidenciando seu uso como uma ferramenta de gestão dessa população que vai ser convocada frente a demanda de recolocar os jovens, considerados desviantes/delinquentes, no lugar da norma. Para desenvolvermos essa discussão analisamos a emergência do uso de drogas como um problema social que convoca os campos de saber a produzir respostas a essa problemática. Como efeito disso, temos a construção de uma categoria populacional de “adolescentes drogaditos” e das formas legitimadas por esses campos do conhecimento de intervir sobre estes. Por fim, trazemos um caso de um personagem, composto a partir de trechos de processos judiciais que nos convida a pensar sobre a forma como a internação compulsória vai se configurar como a principal resposta da rede de serviços, mesmo frente a ausência de resultados da mesma e as consequências possíveis dessa sequência de internações ao longo da vida dos jovens.


Palavras-chave


saúde mental; crianças e adolescentes; uso de drogas; processo de judicialização

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 1988. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei 8.069 de 13 julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. 1990. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei 10.216 de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. 2001. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LEIS_2001/L10216.htm>. Acesso em: 12 mar. 2011.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico (1943). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

DONZELOT, J. A polícia das famílias. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

FOUCAULT, M. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população: curso no Collège de France (1977-1978), tradução de Eduardo Brandão e Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. O nascimento da biopolítica: curso no Collège de France (1978-1979). Tradução de Eduardo Brandão e Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. Do governo dos vivos: curso no Collège de France (1979-1980) excertos. Tradução de Nildo Avelino. São Paulo: Centro Cultural Social; Rio de Janeiro: Achiamé, 2010.

FREITAS, A. S. de. O (des)governo da razão: biopolítica e resistência nas políticas públicas de adolescência. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 14., 2009, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: SBS, 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2013.

OLIVEIRA, D. C. Uma genealogia do adolescente usuário de crack: mídia, justiça, saúde, educação. 2009. Dissertação (Mestrado)__Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2009.

OLIVEIRA, D. C.; DIAS, M. H. Os adolescentes usuários de crack e a rede de cuidados: problematizações a partir de uma experiência. In: SANTOS, L. B. (Org.). Outras palavras e diferentes olhares sobre o cuidado às pessoas que usam drogas. Porto Alegre: Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul, 2010. p. 27-42.

SILVA, R. N. da et al. (2008). As patologias nos modos de ser criança e adolescente: análise das internações no Hospital Psiquiátrico São Pedro entre 1884 e 1937. PSICO, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 448-455.

SPOSITO, M. P. (Coord.). Espaços públicos e tempos juvenis: um estudo de ações do poder público em cidades de regiões metropolitanas brasileiras. São Paulo: Global, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: