Saúde do trabalhador e economia solidária: estudo de uma cooperativa de construção civil

Scheila Girelli, Márcia Luíza Pit Dal Magro

Resumo


Este trabalho propõe-se discutir o potencial da Economia Solidária para o campo da saúde do trabalhador. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que teve como objetivo analisar as vivências de prazer e sofrimento no trabalho de operários da construção civil inseridos em um empreendimento de Economia Solidária. Foram utilizados como procedimentos e técnicas de pesquisa a observação, questionário e grupo focal. A análise das informações foi embasada na perspectiva teórica da Psicodinâmica do Trabalho. Os resultados apontam para a prevalência de vivências de prazer no contexto trabalho estudado, relacionadas à presença dos princípios da Economia Solidária e do cooperativismo. Contudo, emergem também vivências de sofrimento, especialmente relacionadas aos riscos do trabalho e aos danos físicos ocasionados por esse. Assim, antigos problemas do setor da construção civil se reproduzem nesse contexto, como a presença de acidentes de trabalho, recusa no uso de EPIs e estratégias defensivas para negar os riscos.


Palavras-chave


saúde do trabalhador; economia solidária; construção civil; psicodinâmica do trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, P. C. R.; MENDES, A. M. Sofrimento psíquico no trabalho e estratégias defensivas dos operários terceirizados da construção civil. Psico-USF, Itatiba, v. 8, n.1, p 63-70, jan./jun. 2003. doi.org/10.1590/S1413-82712003000100009.

BORSÓI, I. C. F. Da relação entre trabalho e saúde á relação entre trabalho e saúde mental. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v.19, n. spe., p. 103-111, 2007. doi.org/10.1590/S0102-71822007000400014

BRASIL, Ministério da Previdência Social. Anuário Estatístico da Previdência Social 2009. Brasília, DF, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2010.

BRASIL. Ministério do Trabalho e do Emprego. Secretaria Nacional de Economia Solidária. Sistema Nacional de Informações em Economia Solidária – SIES. Atlas Digital de Economia Solidária. Brasília, DF: MTE/SENAES, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 abr.2017.

CÂMARA BRASILERIA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. Banco de dados. Belo Horizonte: Comissão de Economia e Estatística – CEE/CBIC, 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 set.de 2010.

CODO, W.; SAMPAIO, J. (Org.). Sofrimento psíquico nas organizações: saúde mental e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

CRUZ, R. M. Psicodiagnóstico de síndromes dolorosas crônicas relacionadas ao trabalho. 2001. Tese (Doutorado)-Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2001.

CRUZ, R. M. Distúrbios musculoesqueléticos, processos de trabalho e cultura organizacional. In: TAMAIO, A. (Org.). Cultura e saúde nas organizações. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 231-252.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez-Oboré, 1980.

DEJOURS, C. Conferências Brasileiras. São Paulo: FUNDAP, EAESP/FGV, 1999.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. 7. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

DEJOURS, C. Novas formas de servidão e de suicídio. In: MENDES, A. M. Trabalho & saúde: o sujeito entre a emancipação e a servidão. Curitiba: Juruá, 2008. p. 26-39.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS – DIEESE. Anuário dos Trabalhadores. 9. ed. Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2010.

GHIZONI, L. D. Clínica psicodinâmica da cooperação na Associação de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis da Região Centro Norte de Palmas – TO (ASCAMPA). 2013. Tese (Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações [PSTO])-Universidade de Brasília, Brasília, 2013

GHIZONI, L. D.; MENDES, A. M. Dispositivos para uma escuta clínica do sofrimento no trabalho dos catadores de materiais recicláveis. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v. 7, n. 1. p. 15-26, jan./jun. 2014. doi.org/10.4013/ctc.2014.71.02

GOMES, H. P. Construção civil e saúde do trabalhador: um olhar sobre as pequenas obras. 2011. Tese (Doutorado)__Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca - FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 2011.

GONZÁLEZ-REY, F. L. Epistemología Cualitativa y Subjetividade. São Paulo: EDUC, 1997.

KARAM, H. Centralidade do trabalho e saúde mental pública. In: MENDES, A. M. (Org.). Trabalho & saúde: o sujeito ente a emancipação e a servidão. Curitiba: Juruá, 2008. p. 139-152.

MENDES, A. M. Psicodinâmica do trabalho: teoria, métodos e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

MENDES, A. M. Prazer, reconhecimento e transformação do sofrimento no trabalho. In: MENDES, A. M. Trabalho & saúde: o sujeito entre a emancipação e a servidão. Curitiba: Juruá, 2008. p. 13-25.

MENDES, A. M.; FERREIRA, M. C. Inventário sobre o Trabalho e Riscos de Adoecimento – ITRA: instrumento auxiliar de diagnóstico de indicadores críticos no trabalho. In: MENDES, A. M. (Org.). Psicodinâmica do Trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. p. 111-126.

MENDES, A. M.; MORRONE, C. F. Trajetória teórica e pesquisas brasileiras sobre prazer e sofrimento no trabalho. In: MENDES, A. M. et al. (Org.). Psicodinâmica e clínica do trabalho: temas, interfaces e casos brasileiros. Curitiba: Juruá, 2010. p. 29-52.

MENDES, A. M.; MULLER, T. C. Prazer no trabalho. In: VIEIRA, F. O.; MENDES, A. M.; MERLO, A. R. C. (Org.). Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho. Curitiba: Juruá, 2013. p. 289-292.

MERLO, A. R. C.; MENDES, A. M. Perspectivas do uso da psicodinâmica do trabalho no Brasil: teoria, pesquisa e ação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 141-156, dez. 2009. doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v12i2p141-156

MORAES, R. D.; VASCONCELOS, A. C. L.; CUNHA, S. C. P. Prazer no trabalho: O lugar da autonomia. Psicologia, Organizações e Trabalho, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 217-228, ago. 2012. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2013.

LIMA JÚNIOR, J. M.; LÓPEZ-VALCÁRCEL, A.; DIAS, L. A. Segurança e saúde no trabalho da construção: experiência brasileira e panorama internacional. Brasília: OIT, 2005.

PARENTI, M. G. F. Trabalhadores da construção civil e a experiência escolar: significados construídos em um curso de aperfeiçoamento profissional. 1999. Dissertação (Mestrado)-Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 1999.

QUIJANO, A. Sistemas alternativos de produção? In: SANTOS, B. de S. (Org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 475-512.

SANTOS, B. S.; RODRIGUEZ, C. Para ampliar o cânone da produção. In: SANTOS, B. S. (Org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, p. 23-77.

SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA. Diagnóstico da mão-de-obra do setor da construção civil no Brasil. Brasília: SESI-DF, 1998.

SILVA, M. L. L. Previdência social no Brasil: (des)estruturação do trabalho e condições para sua universalização. São Paulo: Cortez, 2012.

SINGER, P. Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

SOUZA, N. H. B. de. Gestão do trabalho na indústria da construção civil: práticas tradicionais e perspectivas futuras. Revista Ser Social, Brasília, v. 5, n. 9, p. 159-188, 1999.

TESTA, V. M. et al. O desenvolvimento sustentável do Oeste Catarinense: proposta para discussão. Florianópolis: EPAGRI, 1996.

VERARDO, L. Construindo autogestão e parceria solidária. In: MELLO, S. L. (Org.). Economia solidária e autogestão: encontros internacionais. São Paulo: NESOL-USP, ITCP-USP, PW, 2005. p. 119-127.

TAKAHASHI, M. A. B. C. et al. Precarização do trabalho e risco de acidentes na construção civil: um estudo com base na Análise Coletiva do Trabalho (ACT). Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 976-988, out./dez., 2012. doi.org/10.1590/S0104-12902012000400015

TODESCHINI, R.; LINO, D. A importância social do Ntep e a busca de integração das políticas públicas de segurança e saúde do trabalhador. In: MACHADO, J.; SORATTO, L.; CODO, W. Saúde e trabalho no Brasil: uma revolução silenciosa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 23-35.

WELLER, W. Grupo de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teóricos-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 241-260, maio/ago. 2006. doi.org/10.1590/S1517-97022006000200003




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i1/1184

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: