Cuidado em saúde no território na interface entre Saúde Mental e Estratégia de da Saúde Família

Solange Santana Vieira, Claudia Elizabeth Abbês Baeta Neves

Resumo


O artigo reflete sobre a complexidade do cuidado em saúde no território na intercessão entre a Saúde Mental e a Atenção Básica. Para tanto, problematiza o conceito de território, a partir das contribuições da geografia e da filosofia, afirmando-o em seu caráter processual e de experimentação no acompanhamento de processos existenciais que o materializam. Esta discussão permite-nos experimentar uma problematização da prática clínica e nos convoca à construção de uma prática ética de cultivo da dimensão pública de todo processo de saúde. Público, aqui pensado na inseparabilidade de três processos de produção: produção de saúde, subjetividade e territórios existenciais.


Palavras-chave


Saúde Mental; Atenção Primária à Saúde; território; cuidado em saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, J.; PASSOS, E. Cartografar é habitar um território existencial. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método cartográfico. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-149.

BARROS, R. D. B.; PASSOS, E. O que pode a clínica? A posição de um problema e de um paradoxo. In: FONSECA, T. M. G.; ENGELMSN, S. (Org.). Corpo, arte e clínica. Porto Alegre: Sulina, 2004. v. 1., p. 275-286.

BARROS, R. D. B.; PASSOS, E. Humanização da saúde: um novo modismo? Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Rio de Janeiro, v. 9, n. 17, p. 389-406, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Criação e orientação para a implantação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família NASF. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

CAMPOS, F. C. B.; NASCIMENTO, S. P. S. O apoio matricial: reciclando a saúde mental na atenção básica. Cadernos IPUB: nº 24. Saúde mental na atenção básica. Rio de Janeiro: UFRJ/IPUB, 2007. p. 91-100.

CAMPOS, G. W. S.; GUERRERO, A. (Org.). Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo: Aderaldo & Rothschild; 2010.

DELEUZE, G. A imanência: uma vida. In: VASCONCELLOS, J; FRAGOSO, M. A. da R. (Org.). Gilles Deleuze, imagens de um filósofo da imanência. Londrina: UEL, 1997. p. 15-19.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Introdução: Rizoma. In: Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 1995. v. 1, p.10-36.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. 10.1730 Devir-intenso, devir-animal, devir-imperceptível. In: ______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 1997a, v. 4, p. 11-114.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Aparelho de captura. In: ______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 1997b. v. 5, p. 111-178.

DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 1992.

FIGUEIREDO, M. D. Saúde Mental na Atenção Básica: um estudo hermenêutico-narrativo sobre o Apoio Matricial na rede SUS-Campinas (SP). 2006. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva)-Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

GIRARDI G. Aventuras da leitura de mapas. In: SEEMANN, J. (Org.). A aventura cartográfica: perspectivas, pesquisas e reflexões sobre a cartografia humana. Fortaleza: Expressão, 2006. v. 1, p. 61-72.

GUATTARI, F. Caosmose. Rio de Janeiro: Ed. 34,1992.

GUATTARI F. Transversalidade. In: ______. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1981. p. 88-105.

GUATTARI F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografia do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

HAESBAERT, R. Território e multiterritorialidade: um debate. GEOgrafia, ano IX, n. 17, p. 19-45, 2007.

LANCETTI, A. Clínica peripatética. São Paulo: Hucitec, 2006.

LANCETTI, A.; AMARANTE, P. Saúde Mental e Saúde Coletiva. In: CAMPOS, G. W. S. et al. (Org.). Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec, 2006. p. 615-634.

MACERATA, I.; SOARES, J. G. N.; RAMOS, J. F. C. Apoio como cuidado de territórios existenciais: Atencão Básica e Rua. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 18, supl. 1, p. 919-930, 2014. doi.org/10.1590/1807-57622013.0210

MOTA, A; SCHRAIBER, L. B. Atenção primária no sistema de saúde: debates paulistas numa perspectiva histórica. Saúde Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 837-852, 2011. doi.org/10.1590/S0104-12902011000400003

NEVES C. A. B. Manual de práticas da atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, abr. 2011. doi.org/10.1590/S0102-311X2011000400021

NEVES, C. A. B.; MASSARO, A. Biopolítica, produção de saúde e um outro humanismo. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 13, supl. 1, p. 503-514, 2009. doi.org/10.1590/S1414-32832009000500003

NICÁCIO, F.; KINKER, F. S. O desafio do viver fora: construindo a cooperativa paratodos. In: CAMPOS, F; HENRIQUES, C. (Org.). Contra a maré à beira mar: a experiência do SUS em Santos. São Paulo: Scritta, 1996. p. 121-131.

PAIM, J. S. Saúde, política e reforma sanitária. Salvador: ISC, 2002.

PAIM, J. S. Atenção Primária à Saúde: uma receita para todas as estações? Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 36, n. 94, p. 343-347, jul./set. 2012. doi.org/10.1590/S0103-11042012000300004

PASCHE, D. F. Contribuições da política de humanização da saúde para o fortalecimento da atenção básica. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Cadernos HumanizaSUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. v. 2, p. 11-28. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2014.

PASSOS, E.; BARROS, R. D. B. Complexidade, transdisciplinaridade e produção de subjetividade. In: FONSECA, T M G.; KIRST, P. Cartografias e devires: a construção do presente. Porto Alegre: UFRGS, 2003. p. 81-89.

PERLONGHER, N. Territórios marginais. In: Barenblitt, G. (Ed.). SaúdeLoucura: Grupos e Coletivos. São Paulo: Hucitec, 1993. v. 4, p. 46-69.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, UFRGS, 2007.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo/razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. São Paulo: USP, 2008.

SILVA JÚNIOR, A. G. et al. Avaliação de redes de atenção à saúde: contribuições da integralidade. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. de. (Org.). Gestão de redes: práticas de avaliação, formação e participação na saúde. Rio de Janeiro: CEPESC, 2006. p.61-90.

TESTA, M. Pensar em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco, 1992.

VIEIRA S. S. Saúde Mental e Atenção Básica: o cuidado como criação de cantos no território. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia)-Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i1/1375

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: