Subjetivação na Formação em Psicanálise: uma análise institucional de discurso

Renee Volpato Viaro, Marlene Guirado, Luciana Albanese

Resumo


Esta pesquisa problematiza os efeitos subjetivos experienciados pelo psicanalista no processo de formação em psicanálise; visando, portanto, a investigar possíveis modos de subjetivação nos discursos sobre este processo. Para isso, foram entrevistados seis psicanalistas: três lacanianos e três vinculados à Associação Internacional de Psicanálise – IPA; as entrevistas foram transcritas e analisadas segundo a metodologia da Análise Institucional do Discurso. Pôde-se delinear como os entrevistados vinculados à IPA subjetivam-se através de uma reafirmação do discurso formador, reconhecendo-se psicanalistas na/pela observância ao modelo de formação da IPA; e os lacanianos através de uma contraposição a outros discursos, reconhecendo-se psicanalistas na/pela diferenciação a termos associados à IPA, à filosofia, à psicologia, etc. Ainda dentre os resultados, a análise pessoal figura, em ambos os grupos, como dispositivo central de produção do psicanalista: uma relação produtora de verdades e saberes de si nos quais os entrevistados encontram condições e limites para se reconhecerem psicanalistas.


Palavras-chave


modos de subjetivação; formação psicanalítica; discurso; análise institucional do discurso; assujeitamento-resistência

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, J. A. G. Metáforas da desordem. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

BLEGER, J. Psicohigiene e psicologia institucional. Porto Alegre: Art. Médicas, 1984.

DASSOLER, V. A. Formação psicanalítica, instituição e possibilidades transferenciais. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, Porto Alegre, n. 29, p. 73-79, 2005.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1984. v. 1.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2008.

FOUCAULT, M. Nietzsche, a genealogia e a história. In: MACHADO, R. (Org.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2009a. p. 15-37.

FOUCAULT, M. Sobre a história da sexualidade. In: MACHADO, R. (Org.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2009b. p. 243-76.

GUIRADO, M. Psicologia institucional. São Paulo: EPU, 1986.

GUIRADO, M. Psicanálise e análise do discurso: matrizes institucionais do sujeito psíquico. São Paulo: Summus, 1995.

GUIRADO, M. A clínica psicanalítica na sombra do discurso: diálogos com aulas de Dominique Maingueneau. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

GUIRADO, M. A análise institucional do discurso como analítica da subjetividade. São Paulo: Annablume, 2010.

LAPASSADE, G. Grupos, organizações e instituições. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. Campinas: Pontes, 1997.

NICOLACI-DA-COSTA, A. M. O campo da pesquisa qualitativa e o Método de Explicitação do Discurso Subjacente (MEDS). Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 65-73, 2007.

RIBEIRO, C. R. Sujeito-dobradiça: metáfora de subjetividade, metonímia institucional. In: Guirado, M.; LERNER, R. (Org.). Psicologia, pesquisa e clínica: por uma análise institucional do discurso. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2007. p. 245-262.

SARAIVA, L. A.; NUNES, M. L. T. A supervisão na formação do analista e do psicoterapeuta psicanalítico. Estudos de Psicologia, [S.l.], v. 12, n. 3, p. 259-268, 2007.

VIARO, R. V.; VALORE, L. A. Método, análise e verdade em Psicologia: sobre uma análise institucional do discurso. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 31, n. 4, p. 718-733, 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: