Processos subjetivos da depressão: construindo caminhos alternativos em uma aproximação cultural-histórica

Andressa Martins do Carmo de Oliveira, Daniel Magalhães Goulart, Fernando Luís González Rey

Resumo


Este artigo tem o objetivo de explicar processos subjetivos associados à depressão, apoiando-se em um estudo de caso. O trabalho fundamenta-se no método construtivo-interpretativo, que tem como principal referência a Teoria da Subjetividade em uma perspectiva cultural-histórica. O olhar para a subjetividade, nesse viés, distancia-se da hegemônica reificação patológica da depressão, que tem limitado as práticas de saúde mental ao oferecer instrumentos teóricos que favorecem a percepção sobre como esse fenômeno expressa-se concretamente em trajetórias únicas de vida. Nesse sentido, com base no referencial teórico adotado, foi possível gerar inteligibilidade sobre a singular complexidade do processo depressivo a partir do caso estudado. Haja vista essa proposta, colocou-se em discussão que considerar a pessoa deprimida em sua integralidade, incluindo suas concepções, vivências e formas de sociabilidade, é fundamental para fomentar reflexões e estratégias que não dissociem clínica, cultura e sociedade. Trata-se de situar o processo depressivo dentro de uma trama concreta de vida, não o contrário.


Palavras-chave


depressão; subjetividade; saúde mental

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, P. (Org.). Asilos, alienados e alienistas: pequena história da psiquiatria no Brasil. In: ______. Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1994. p. 73-84.

BASAGLIA, F. As instituições da violência. In: ______. A instituição negada: relato de um hospital psiquiátrico. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985. p. 99-133.

BARONI, D. P. M.; TONELI, M. J. F. Produção de si na depressão. Psicol. estud., Maringá, v. 17, n. 1, p. 27-36, jan./mar. 2012. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722012000100004

CAMARGO Jr., K. R. de. As armadilhas da “concepção positiva de saúde”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 63-76, jan./abr. 2007. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100005

CAMPOS, G. W. de S.; AMARAL, M. A. do. A clínica ampliada e compartilhada: a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 4, p. 849-859, jul./ago. 2007. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000400007

CANGUILHEM, G. Escritos sobre la medicina. Buenos Aires: Amorrortu, 2004.

CAPLAN, G. Princípios de psiquiatria preventiva. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1980.

CAPRA, F. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1982.

COOPER, D. Psychiatry and anti-psychiatry. Abingdon: Routledge, 2013.

DISNER, S. G. et al. Neural mechanisms of the cognitive model of depression. Nature Reviews Neuroscience, v. 12, n. 8, p. 467-477, Jul. 2011. doi: https://doi.org/10.1038/nrn3027

FOUCAULT, M. História da loucura. São Paulo: Perspectiva, 1972.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 1974.

GONZÁLEZ REY, F. L. Epistemología Cualitativa y Subjetividad. São Paulo: Educ, 1997.

GONZÁLEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa e subjetividade: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

GONZÁLEZ REY, F. L. Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

GONZÁLEZ REY, F. L. O sujeito, a subjetividade e o Outro na dialética complexa do desenvolvimento humano. In: SIMÃO, L. M.; MARTÍNEZ, A. M. (Org.). O outro no desenvolvimento humano. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. p. 1-27.

GONZÁLEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005a.

GONZÁLEZ REY, F. L. (Org.). O valor heurístico da subjetividade na investigação psicológica. In: ______. Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005b. p. 27-51.

GONZÁLEZ REY, F. L. Psicoterapia, subjetividade e pós-modernidade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2007.

GONZÁLEZ REY, F. L. Epistemología y Ontología: un debate necesario para la Psicología hoy. Diversitas: Perspectivas en Psicologia, Bogotá, v. 5, n. 2, p. 205-224, jun./dic. 2009a. Disponible en: . Acceso en: 22 jan. 2015

GONZÁLEZ REY, F. L. Historical relevance of Vygotsky’s work: its significance for a new approach to the problem of subjectivity in psychology. Outlines. Critical Practice Studies, v. 11, n. 1, p. 59-73, 2009b. Available at: . Date accessed: 20 jan. 2015.

GONZÁLEZ REY, F. L. As configurações subjetivas do câncer: um estudo de casos em uma perspectiva construtivo-interpretativa. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 30, n. 2, p. 328-345, 2010. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000200009

GONZÁLEZ REY, F. L. Subjetividade e saúde: superando a clínica da patologia. São Paulo: Cortez, 2011.

GONZÁLEZ REY, F. L. Sentidos subjetivos, linguagem e sujeito: implicações epistemológicas de uma perspectiva pós-racionalista em psicoterapia. In: HOLANDA, A. F. (Org.). O campo das psicoterapias: reflexões atuais. Curitiba: Juruá, 2012. p. 47-70.

GONZÁLEZ REY, F. L. O pensamento de Vigotsky: contradições, desdobramento e desenvolvimento. São Paulo: Hucitec, 2013.

GONZÁLEZ REY, F. L. A saúde na trama complexa da cultura, das instituições e da subjetividade. In: GONZÁLEZ REY, F. L; BIZERRIL, J. (Org.). Saúde, cultura e subjetividade: uma referência interdisciplinar. Brasília: UniCEUB, 2014. p. 9-33.

GONZÁLEZ REY, F. L.; GOULART, D. M.; BEZERRA, M. S. Ação profissional e subjetividade: para além do conceito de intervenção profissional na psicologia. Educação, Porto Alegre, v. 39, n. esp. (supl.): Dossiê - Compreensões Interdisciplinares Teórico-metodológicas sobre Intervenção, p. s54-s65, 2016. doi: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.s.24379

GOULART, D. M. Autonomia, saúde mental e subjetividade no contexto assistencial brasileiro. Revista Guillermo de Ockham (Colômbia), v. 11, n. 1, p. 21-33, 2013a. doi: http://dx.doi.org/10.21500/22563202.599

GOULART, D. M. Institucionalização, subjetividade e desenvolvimento humano: abrindo caminhos entre educação e saúde mental. 2013. 145 f. Dissertação (Mestrado em Educação)−Universidade de Brasília, Brasília, 2013b. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2015.

GOULART, D. M. Clínica, subjetividade e educação: uma integração teórica alternativa para forjar uma ética do sujeito no campo da saúde mental. In: GONZÁLEZ REY, F. L.; BIZERRIL, J. (Org.). Saúde, cultura e subjetividade: uma referência interdisciplinar. Brasília: UniCEUB, 2015. p. 34-57.

GOULART, D. M. Educação, saúde mental e desenvolvimento subjetivo: da patologização da vida à ética do sujeito. 2017. 254 f. Tese (Doutorado em Educação)−Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2017.

GUEDES, C. R.; NOGUEIRA, M. I.; CAMARGO JR., K. R. de. A subjetividade como anomalia: contribuições epistemológicas para a crítica do modelo biomédico. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 4, p. 1093-1103, out./dez. 2006. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000400030

HORWITZ, A. V.; WAKEFIELD, J. C. A tristeza perdida: como a psiquiatria transformou a depressão em moda. Tradução de Janaína Marcoantônio. São Paulo: Summus, 2010.

JONES, M. S. Social Psychiatry in the Community, in Hospitals, and in Prisons. Springfield, Il: Charles C. Thomas, 1962.

KESSLER, R. C. et al. The epidemiology of major depressive disorder: results from the National Comorbidity Survey Replication (NCS-R). Jama, v. 289, n. 23, p. 3095-3105, Jun. 2003. doi: https://doi.org/10.1001/jama.289.23.3095

KLEINMAN, A. Rethinking psychiatry: from cultural category to personal experience. New York: Macmillan/The Free Press, 1988.

KUPFER, D. J.; FRANK, E.; PHILLIPS, M. L. Major depressive disorder: new clinical, neurobiological, and treatment perspectives. The Lancet, v. 379, n. 9820, p. 1045-1055, Mar. 2012. doi: https://dx.doi.org/10.1016%2FS0140-6736(11)60602-8

MITJÁNS MARTÍNEZ, A. A Teoria da Subjetividade de González Rey: uma expressão do paradigma da complexidade na psicologia. In: GONZÁLEZ REY, F. L. (Org.). Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. p. 1-25.

MORI, V. D.; GONZÁLEZ REY, F. G. A saúde como processo subjetivo: uma reflexão necessária. Psicologia: teoria e prática, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 140-152, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2015.

MORI, V. D. Epistemologia qualitativa na pesquisa em saúde. In: MITJÁNS MARTINEZ, A; NEUBERN, M. S.; MORI, V. D. (Org.). Subjetividade contemporânea: discussões epistemológicas e metodológicas. Campinas: Alínea, 2014a. p. 111-125.

MORI, V. Os sentidos subjetivos configurados na experiência do câncer: um estudo de caso. In: GONZÁLEZ REY, F. L; BIZERRIL, J. (Org.). Saúde, cultura e subjetividade: uma referência interdisciplinar. Brasília: UniCEUB, 2014b. p. 91-131.

MORIN, E. Ciência com consciência. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2005.

NEUBERN, M. S. Complexidade e psicologia clínica: desafios epistemológicos. Brasília: Plano, 2004.

NEUBERN, M. S. A subjetividade como noção fundamental do novo paradigma. In: GONZÁLEZ REY, F. L. (Org.). Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. p. 53-79.

ROTELLI, F. Superando o manicômio: o circuito psiquiátrico de Trieste. In: AMARANTE, P. (Org.). Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1994. p. 149-170.

SAMUELS, B. A.; HEN, R. Neurogenesis and affective disorders. European Journal of Neuroscience, v. 33, n. 6, p.1152-1159, Mar. 2011. doi: https://doi.org/10.1111/j.1460-9568.2011.07614.x

SILVA, G. F. Os sentidos subjetivos de adolescentes com câncer. 2008. 166 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia)−Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2015.

SZASZ, T. S. The mith of mental illness. American Psychologist, v. 15, n. 2, p. 113-118, Feb. 1960. doi: http://psycnet.apa.org/doi/10.1037/h0046535

TOSQUELLES, F. Las enseñanzas de la locura. Anaya, Spain: Alianza Ensayo, 2001.

VIGOTSKI, L. S. Thinking and Speech. In: RIEBER, R; CARTON, A. (Org.). The collected works of L. S. Vygotsky. New York: Plenum, 1987. p. 39-288.

VIGOTSKI, L. S. The problem of the environment. In: VALSINER, J.; VEER, R. van der. (Org.). The Vygotsky Reader. Oxford: Blackwell, 1994. p. 338-354.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia da Arte. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i3/1411

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: