Território e Subjetividade: narrativas de jovens em uma remoção urbana

Christiane Silveira Kammsetzer, Analice de Lima Palombini

Resumo


Discutiremos neste artigo a relação entre juventude e território, contrapondo o espaço ocupado ao ideal de cidade e subjetividade contido nas remoções urbanas. O artigo é desdobramento da pesquisa “Territórios em movimento: narrativas de jovens sobre viver, habitar, resistir”, realizada no mestrado acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). A pesquisa acompanhou um projeto de extensão universitária realizado em parceria com equipe de atenção primária em saúde de uma comunidade de Porto Alegre em processo de remoção e reassentamento associado às reformas para sediar a Copa do Mundo de 2014. Utilizando-se de narrativas, a pesquisa problematizou a influência das experiências de jovens com os territórios de moradia em sua subjetivação. Os principais orientadores metodológicos foram o Método da Montagem, Narração, Flânerie, de Walter Benjamin. Solidariedade, vizinhança, violência, meio ambiente, rede intersetorial, relação com a cidade foram temas que emergiram.


Palavras-chave


subjetividade; território; juventude; remoções urbanas.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSUMPÇÃO, E.; FRANCO, T. Por uma cidade menor: hegemonia e resistência na cidade do Rio de Janeiro. Rev. Lugar Comum, n. 39, p. 145-155, 2013.

BAPTISTA, L. Walter Benjamin e os anjos de Copacabana. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2014.

BENJAMIN, W. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994a. p. 197-221. Obras Escolhidas, v. 1.

BENJAMIN, W. Paris do Segundo Império. In: ______. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1994b. p. 9-101. Obras Escolhidas, v. 3.

BOLLE, W. Fisiognomia da metrópole moderna: representação da História em Walter Benjamin. São Paulo: Edusp, 1994.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2014.

CARRANO, P. Juventudes e cidades educadoras. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Psicologia e mobilidade: o espaço público como direito de todos. Brasília: CFP, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2015.

CORDEIRO, D. Juventude nas sombras: escola, trabalho e moradia em territórios de precariedades. Rio de Janeiro: Lamparina/Faperj, 2009.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. v. 2.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. v. 1.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 4.

FERREIRA, M. Walter Benjamin e a cidade. In: BAPTISTA, L. A.; FERREIRA, M. (Org.). Por que a cidade? Escritos sobre experiência urbana e subjetividade. Niterói: Eduff, 2012. p. 153-168.

HEIDRICH, A. Espaço e multiterritorialidade entre territórios: reflexões sobre a abordagem territorial. In: PEREIRA, S. et al. (Org.). Teoria e práticas territoriais: análises espaço-temporais. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p. 25-35.

LOWY, M. Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.

MAYOL, P. Morar. In: CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. v. 2, p. 37-207.

MOLDER, M. Método é Desvio: uma experiência de limiar. In: OTTE, G.; SEDLMAYER, S.; CORNELSEN, E. (Org.). Limiares e Passagens em Walter Benjamin. Belo Horizonte: UFMG, 2010. p. 27-75.

NETO, N. Geografia das juventudes: uma pauta de pesquisa. In: PEREIRA, S. et al. (Org.). Teoria e práticas territoriais: análises espaço-temporais. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p. 85-97.

ONOCKO-CAMPOS, R. et al. Narrativas no estudo das práticas em saúde mental: contribuições das perspectivas de Paul Ricoeur, Walter Benjamim e da antropologia médica. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 10, p. 2847-2857, out. 2013. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001000009

PAIS, J. M. Traços e riscos de vida. Porto: Ambar, 1999.

PAULON, S. M. A análise de implicação como ferramenta na pesquisa-intervenção. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 18-25, set./dez. 2005. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822005000300003

PELBART, P. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PESAVENTO, S. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

RASSIAL, J-J. A passagem adolescente: da família ao laço social. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1997.

REVEL, J. Resistências, subjetividades, o comum. Lugar Comum, n. 35-36, p. 107-114, 2012. Disponível em . Acesso em: 24 out. 2014.

SILVA, R. Direito à Cidade. In: XIMENDES, A.; REIS, C.; OLIVEIRA, R. (Org.). Entre garantia de direitos e práticas libertárias. Porto Alegre: Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul, 2013. p. 109-122. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

SOUZA E SILVA, J. Um espaço em busca de seu lugar: as favelas para além dos estereótipos. In: SANTOS, M. et al. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011. p. 209-230.

VELHO, G. Juventudes, projetos e trajetórias na sociedade contemporânea. In: ALMEIDA, M. I.; EUGÊNIO, F. (Org.). Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2006. p. 192-200.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i3/1427

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: