Mulheres e Espelhos: a Devastação e o irrepresentável no corpo feminino

Danuza Effegem de Souza, Giselle Falbo Kosovski

Resumo


Este artigo situa a Devastação como operação lógica que remete e contrasta, quanto à incidência e consequências psíquicas, com a operação instauradora do narcisismo no primeiro tempo da constituição subjetiva. Observando a necessidade de reafirmação da imagem no embate arrebatador com o espelho, o trabalho ressalta, com o conto Branca de Neve, algo de estrutural no mal-estar das mulheres em relação à imagem, analisando a delicada relação da madrasta com sua imagem própria refletida pelo espelho falante. Para tanto, relemos Freud, Sobre o narcisismo: uma introdução, e Lacan, O estágio do espelho como formador da função do eu, recorrendo às reflexões psicanalíticas acerca da edificação do corpo para elucidar o processo contínuo de sua construção, que no feminino é reiteradamente confrontado com a falta de um significante (simétrico ao falo) que pudesse alienar o gozo e encerrar a busca por uma representação última para o ser dȺ mulher.


Palavras-chave


Psicanálise; Devastação; beleza; corpo; narcisismo

Texto completo:

PDF

Referências


AMIGO, S. Clínica dos fracassos da fantasia. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2007.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência da vivida. 2. ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967.

BROUSSE, M. H. L’énigme de la femme. L’âne: Pierre Klossowski, la mutation, v. 28, n. 1, 1986.

BROUSSE, M. H. Uma dificuldade na análise das mulheres: a devastação da relação com a mãe. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2004.

CORSO, D. L.; CORSO, M. C. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DRUMMOND, C. Devastação. Opção Lacaniana, v. 2, n. 6, p. 1-14, 2011. Disponível em: http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_6/Devastacao.pdf. Acesso em: 14 dez. 2014.

FREUD, S. Algumas consequências psíquicas da diferença anatômica entre os sexos (1925). Rio de Janeiro: Imago, 1996a. Obras Completas, v. 19.

FREUD, S. Análise terminável e interminável (1937). Rio de Janeiro: Imago, 1996b. Obras completas, v. 23.

FREUD, S. Feminilidade: novas conferências introdutórias sobre psicanálise (1932). Rio de Janeiro: Imago, 1996c. Obras completas, v. 22.

FREUD, S. Sobre o narcisismo: uma introdução (1914). Rio de Janeiro: Imago, 1996d. Obras completas, v. 14.

FREUD, S. Totem e tabu (1912-1913). Rio de Janeiro: Imago, 1996e. Obras completas, v. 8.

FUENTES, M. J. S. As mulheres e seus nomes: Lacan e o feminino. Belo Horizonte: Scriptum, 2012.

GRIMM. Snow white the fairy tales of the brothers Grimm. Cologne: Taschen, 2011.

LACAN, J. Televisão (1973). Rio de Janeiro: J. Zahar, 1993.

LACAN, J. O estágio do espelho como formador da função do eu (1949). In: ______. Escritos. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1998. p. 96-103.

LACAN, J. Homenagem a Marguerite Duras (1965). In: ______. Outros Escritos. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003a. p. 198-205.

LACAN, J. O aturdito (1972). In: ______. Outros Escritos. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003b. p. 448-497.

LACAN, J. O seminário: a ética da psicanálise (1960). Rio de Janeiro: J. Zahar, 2008a. livro 7.

LACAN, J. O seminário: mais, ainda (1972-1973). Rio de Janeiro: J. Zahar, 2008b. livro 20.

PINTO, J. M. Psicanálise, feminino, singular. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

SOLER, C. O que Lacan dizia das mulheres. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2005.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5504

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: