Atividade de trabalho em um Sine: entre política partidária e política pública

Thiago Drumond Moraes, Iasmin Libalde Nascimento

Resumo


Este relato de experiência, calcada na perspectiva ergológica, apresenta questões que moveram uma intervenção em uma Secretaria de Trabalho, Emprego e Renda de um município do Espírito Santo e alguns dos efeitos observados entre os participantes deste trabalho. Procuramos demonstrar que a produção de um gênero profissional em serviço público se dá em uma tripla temporalidade: uma temporalidade caracterizada pela marcação cronológica do que se vive no aqui-e-agora, fortemente influenciada pela superação cotidiana das demandas do serviço; uma temporalidade dos acontecimentos sucessivos ao longo do tempo, como a sucessão de gestores do serviço; e uma temporalidade não cronológica e intermediária, constitutiva das regras partilhadas pelos trabalhadores, onde se conjugam os meios de se enfrentar as ambiguidades impostas pela intensidade dos tempos mais longos, e as impostas pelas demandas do dia a dia. A produção desse gênero profissional envolve diálogos e enfrentamentos constantes com outros gêneros que operam nesse tipo de serviço, em particular o gênero das relações político-partidárias. Uma intervenção nesse cenário requer a compreensão dessa complexidade de coletivos e histórias ali presentes, para que seus efeitos sejam mais efetivos.

Palavras-chave


Secretaria de Emprego e Renda; clínicas do trabalho; Ergologia; gênero profissional

Texto completo:

PDF

Referências


BENDASSOLLI, Pedro F.; SOBOLL, Lis Andrea P. (Org.). Introdução às clínicas do trabalho: aportes teóricos, pressupostos e aplicações. In: ______. Clínicas do Trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011. p. 3-21.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

CLOT, Yves. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: FabreFactum, 2010.

DANIELLOU, François; BÉGUIN, Pascal. Metodologia da ação ergonômica: abordagens do trabalho real. In: FALZON, Pierre (Org.). Ergonomia. São Paulo: Blucher, 2007. p. 281-301.

DEJOURS, Christophe. Trabalho vivo. Brasília: Paralelo 15, 2012.

DOPPLER, Françoise. Trabalho e saúde. In: FALZON, Pierre (Org.). Ergonomia. São Paulo: Blucher, 2007. p. 47-58.

FALZON, Pierre (Org.). Ergonomia. São Paulo: Edgar Blucher, 2007.

NEVES, Mary Yale Rodrigues et al. Ação-formação: uma leitura das contribuições da Ergonomia da Atividade. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 30, n. 2, p. 112-120, 2018. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5872

SATO, Leny. Prevenção de agravos à saúde do trabalhador: replanejando o trabalho através das negociações cotidianas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 5, p. 1147-1166, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000500002

SCHWARTZ, Yves. Circulações, dramáticas, eficácias da atividade industriosa. Trabalho, educação e saúde, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 33-55, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462004000100004

SCHWARTZ, Yves. Produzir saberes entre aderência e desaderência. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 13, n. 3, p. 264-273, 2009.

SCHWARTZ, Yves; DURRIVE, Louis (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: Eduff, 2010.

ZARIFIAN, Philippe. Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i3/5622

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: