Entre clausuras, verdades e resistências: a produção do conhecimento acadêmico no contemporâneo

Diego Drescher de Castro, Jaqueline Tittoni

Resumo


Este estudo discute alguns elementos para se pensar as relações entre a produção do discurso acadêmico e o lugar da Universidade, a partir da problematização da episteme moderna e da produção da noção de ciência e de conhecimento científico. Para tanto, busca principalmente no pensamento foucaultiano subsídios para construir a noção de conhecimento científico como verdade sobre o mundo e a vida, produzidos em relações de poder e de força em disputa. Desta forma, disciplina e controle transversalizam a episteme moderna e se enraízam não só em manicômios e prisões, mas também em instituições de ensino formal, produzindo diferentes tipos de clausura. Se, nas sociedades disciplinares, a clausura se dava sobre o corpo, pode-se dizer que nas sociedades de controle o controle investido nos corpos faz com que esses reproduzam as mais diversas formas de clausura. Sustentar práticas de resistência a partir de reflexões éticas que enfrentem este enclausuramento afirma-se como uma necessidade do contemporâneo.


Palavras-chave


verdade; conhecimento; universidade

Texto completo:

PDF

Referências


BÁEZ, Fernando. História universal da destruição dos livros: das tábuas sumérias à guerra do Iraque. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

BORGES, Jorge Luis. O idioma analítico de John Wilkins. In: ______. Outras inquisições. São Paulo: Globo, 2000. p. 92-95.

BORGES, Jorge Luis. Jorge Luis Borges. In: REVIEW, Paris (Ed.). As entrevistas da Paris Review. Tradução de Christian Schwartz e Sérgio Alcides. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. v. 1, p. 120-176.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação) –Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CASTRO, Edgardo de. El vocabulario de Michel Foucault. Buenos Aires: Prometeo, 2004.

DELEUZE, Gilles. Foucault. Lisboa: Edições 70, 2005.

DELEUZE, Gilles. Post-Scriptum sobre as sociedades de controle. In: ______. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 2010a. p. 223-230.

DELEUZE, Gilles. Rachar as coisas, rachar as palavras. In: ______. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 2010b. p. 109-121.

DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

DUARTE, André de Macedo. De Michel Foucault a Giorgio Agamben: a trajetória do conceito de biopolítica. In: SOUZA, Ricardo Timm de; OLIVEIRA, Nythamar Fernandes de (Org.). Fenomenologia hoje III: Bioética, Biotecnologia, Biopolítica. Porto Alegre: Edipucrs, 2008. p. 63-87.

FOUCAULT, Michel. O que são as luzes. In: MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1984. Coleção Ditos & Escritos, v. 2, p. 335-351.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995a.

FOUCAULT, Michel. O Sujeito e o Poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995b. p. 231-249.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. Coleção Ditos & Escritos, v. 4.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009a.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009b.

FOUCAULT, Michel. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: MOTTA, Manoel Barros da (Org). Ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012. Coleção Ditos & Escritos, v. 5, p. 264-287.

FOUCAULT, Michel. História da loucura na idade clássica. São Paulo: Perspectiva, 2013.

NOTO, Carolina de Souza. Da ilusão transcendental à ilusão antropológica: Foucault em defesa de Kant. Cadernos de Ética e Filosofia Política, n. 18, p. 73-88, 2011. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/55723. Acesso em: jan. 2017.

SANTOS, Boaventura de Souza. Uma concepção multicultural de direitos humanos. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 39, p. 105-124, 1997. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64451997000100007

SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, Portugal, n. 80, p. 11-43, 2008.

SILVEIRA, Fernando de Almeida. Michel Foucault e a construção discursiva do corpo do sujeito moderno e sua relação com a psicologia. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 4, p. 733-742, dez. 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722008000400011




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i3/5627

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: