Modos de consumir como expressões de modos de viver

Daniela Duarte Dias, Pedrinho Arcides Guareschi, Inês Hennigen

Resumo


Neste artigo, apresentamos uma pesquisa cartográfica na qual se articularam modos de vida e modos de consumir. Foram acompanhados quatro grupos com modos de vida e trabalho alternativos aos massificados: um grupo que faz teatro de rua, uma cooperativa de ciclistas que presta serviço de entregas, uma cooperativa de consumo integrada por camponeses assentados e seus parceiros e um grupo que produz comida caseira vegana. Discutimos as posições singulares desses grupos quanto ao consumo, mormente na intersecção com seus trabalhos, constituídas a partir de determinados valores libertários, ou não, de resistência ao consumo, ou não, mas que, fundamentalmente, apontaram para subjetividades que se produzem a partir de reflexões sobre como viver e como se relacionar com o consumo. Ao final, versamos sobre como os modos de consumir são uma expressão dos modos de viver, ao mesmo tempo em que os modos de consumir dão suporte às escolhas sobre o viver.

Palavras-chave


consumo; trabalho; modos de vida alternativos

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 7.775, de 4 de julho de 2012. Regulamenta o art. 19 da Lei nº 10.696, de 2 de julho de 2003, que institui o Programa de Aquisição de Alimentos, e o Capítulo III da Lei nº 12.512, de 14 de outubro de 2011, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Decreto/D7775.htm. Acesso em: 2 jan. 2016.

CASTRO, Gisela G. S. Comunicação e consumo nas dinâmicas culturais do mundo globalizado. PragMATIZES - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, Niterói, ano 4, n. 6, p. 58-71, 2014. https://doi.org/10.22409/pragmatizes2014.6.a10373

DIAS, Daniela. Consumos e os modos de vida: problematizações sobre a estilística da existência e os modos de consumir. 2015. 138 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social e Institucional) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia (1980). São Paulo: Editora 34, 1997. v. 5.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. El mundo de los bienes: hacia uma antropología del consumo. México, D. F.: Grijalbo, 1990.

FONTENELLE, Isleide Arruda. O fetiche do eu autônomo: consumo responsável, excesso e redenção como mercadoria. Psicologia & Sociedade, Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 215-224, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822010000200002

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul (Org.). Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

FOUCAULT, Michel. Introdução. In: ______. História de Sexualidade: o uso dos prazeres. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998. v. 2, p. 7-30.

FOUCAULT, Michel. Uma estética da existência. In: MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Ética, Sexualidade e Política. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006a. Coleção Ditos & Escritos, v. 5, p. 288-294.

FOUCAULT, Michel. A ética do cuidado de si como prática de liberdade. In: MOTTA, Manoel Barros da. (Org.). Ética, Sexualidade e Política. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006b. Coleção Ditos & Escritos, v. 5, p. 264-287.

FOUCAULT, Michel. Aula de 14 de março de 1979. In: ______. O nascimento da biopolítica. Curso do Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008. Coleção tópicos. p. 297-327.

FOUCAULT, Michel. Aula de 29 de fevereiro de 1984, segunda hora. In:______. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros. Curso no Collège de France (1983-1984). São Paulo: Martins Fontes, 2011a. v. 2, p. 155-167.

FOUCAULT, Michel. Aula de 29 de fevereiro de 1984, primeira hora. In:______. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros. Curso no Collège de France (1983-1984). São Paulo: Martins Fontes, 2011b. v. 2, p. 137-153.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suelly. Subjetividade e História. In: ______. Micropolítica: cartografias do desejo. 6 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. p. 25-126.

HUR, Domênico Uhng. Da biopolítica à noopolítica: contribuições de Deleuze. Lugar Comum, Rio de Janeiro, n. 40, p. 201-215, 2013. Disponível em: http://uninomade.net/wp-content/files_mf/111012130335Da%20biopol%C3%ADtica%20%C3%A0%20noopol%C3%ADtica%20contribui%C3%A7%C3%B5es%20de%20Deleuze%20-Domenico%20Hur.PDF. Acesso em: 15 out. 2016.

LAZZARATO, Maurizio. Los conceptos de vida y de vivo en las sociedades de control. In: ______. Políticas del acontecimiento. Buenos Aires: Tinta Limón ediciones, 2006. p. 81-105. Disponível em: https://www.academia.edu/35846075/44977322-Politicas-Del-Acontecimiento-Maurizio-Lazzarato-1_1_.pdf. Acesso em: 18 ago. 2016.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MANSANO, Sônia Regina Vargas. Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Revista de Psicologia da UNESP, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 110-117, 2009. Disponível em: http://seer.assis.unesp.br/index.php/psicologia/article/view/946. Acesso em: 4 maio 2016.

PASSOS, Eduardo; BENEVIDES DE BARROS, Regina. A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 16, n. 1, p. 71-79, jan./abr. 2000. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722000000100010

PASSOS, Eduardo; BENEVIDES DE BARROS, Regina. A cartografia como método de pesquisa intervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 17-31.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana. Apresentação. In: ______. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 7-16.

RIBEIRO, Carlos Eduardo; RANGEL, Flaminio de Oliveira. O enunciado ético de sustentabilidade: pistas discursivas para uma crítica do consumo ético. Prometeica: Revista de Filosofìa y Ciencias, n. 14, p. 34-44, n. 6, 2017. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/prometeica/article/view/1631/html. Acesso em: 24 mar. 2019.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i2/5660

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: