Reflexões sobre a dinâmica psíquica de trabalhadores afastados do trabalho

Paulo César Zambroni-de-Souza, Thiago Drumond Moraes

Resumo


A partir da Psicodinâmica do Trabalho, reflete-se sobre a dinâmica psíquica de trabalhadores afastados do emprego por doença surgida e/ou agravada no trabalho. Entre os conceitos desta abordagem que contribuem para a compreensão do fenômeno destacam-se: trabalho e sua relação com a subjetividade, sofrimento, coletivo, e reflexões sobre relações entre rupturas involuntárias da atividade profissional e adoecimento. Aponta-se a urgência da investigação: da relação de modelos gestionários com as formas de adoecimento e afastamento do emprego; da problemática da reabilitação profissional; e das possiblidades de utilização da metodologia desta abordagem para grupos de profissionais oriundos de distintos meios de trabalho.


Palavras-chave


trabalho; adoecimento; dinâmica psíquica; psicodinâmica do trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVARO, J. L. Desempleo y bienestar psicológico. Madrid: Siglo XXI de España, 1992.

BAGALHO, J. O. Sofrimento e prazer: uma análise psicodinâmica do trabalho prisional. 2015. Dissertação (Mestrado em Psicologia)– Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3116. Acesso em: 11 dez. 2017.

BILLIARD, I. Santé mentale et travail: l’emergence de la psychopathologie du travail. Paris: La Dispute/SNEDIT, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas em Saúde. Lesões por esforços repetitivos (LER). Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ler_dort.pdf. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Portal Brasil. Lesão por esforço repetitivo (LER). 2012. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2012/04/lesao-por-esforco-repetitivo-ler. Acesso em: 6 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Previdência Social. Reabilitação profissional. 2013. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/servicos-ao-cidadao/informacoes-gerais/reabilitacao-profissional/. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria de Previdência, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência. Anuário Estatístico da Previdência Social, v. 24. 2015. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2015/08/AEPS-2015-FINAL.pdf. Acesso em: 3 abr. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei 13.467, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. 2017a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13467.htm. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Portal Brasil. Dor nas costas é a maior causa de afastamento do trabalho. 2017b. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2017/04/dor-nas-costas-e-a-maior-causa-de-afastamento-do-trabalho. Acesso em: 24 mai. 2017.

BRITO, J.; ATHAYDE, M. Trabalho, educação e saúde: o ponto de vista enigmático da atividade. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro , v. 1, n. 2, p. 239-265, set. 2003. doi: 10.1590/S1981-77462003000200005

BRITO, J.; ATHAYDE, M.; NEVES, M. Y. (Ed.). Cadernos de textos. Programa de Formação em Saúde, Gênero e Trabalho nas Escolas. João Pessoa: UFPB, 2003.

BRITO, J. et al. (Ed). Cadernos de relatos de experiências. Programa de Formação em Saúde, Gênero e Trabalho nas Escolas. João Pessoa: UFPB, 2003.

CAVALCANTI, T.; ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C.; UCHÔA-DE-MEDEIROS, N. M. Programa de Saúde do Trabalhador do Hospital Universitário Lauro Wanderley (PROSAT/HULW/UFPB). João Pessoa: UFPB 2013.

DEJOURS, C. Travail,usure mentale: essay de psychopathologie du travail. Paris: Bayard, 1980.

DEJOURS, C. Réactions psychopathologiques aux ruptures involontaires d’activité professionnelle (retraite, licenciement, maladie, reclassement). Psychologie médicale, v. 15, n. 11, p. 1875-1880, 1983.

DEJOURS, C. (Ed). Plaisir et souffrance dans le travail. Paris: AOCIPed, 1988.

DEJOURS , C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez/Oboré, 1992.

DEJOURS, C. Uma nova visão do sofrimento nas organizações. In: CHANLAT, J.-F. (Ed.). O indivíduo na organização. São Paulo: Atlas, 1996. p. 150-173.

DEJOURS , C. O fator humano. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

DEJOURS, C. Addendum: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I. (Ed.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004a. p. 47-104.

DEJOURS, C. As relações domésticas: entre amor e dominação. In: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I. (Ed.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004b. p. 317-336.

DEJOURS, C. A metodologia em psicopatologia do trabalho. In: LANCMAN, S.; SNELWAR, L. I. (Ed.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004c. p. 105-126.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

DEJOURS, C. Entre o desespero e a esperança: como reencantar o trabalho. Revista CULT, São Paulo, v. 139, n. 12, p. 49-53, 2009. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/reencantar-o-trabalho/. Acesso em: 24 maio 2017.

DEJOURS, C. La panne: repenser le travail et changer la vie. Montrouge: Bayard, 2012a.

DEJOURS, C. Souffrance au travail, enjeux et politique de santé publique. In: TÉLÉCOM-ORANGE, C. F.; DEJOURS, C. (Ed.). Souffrance au travail: regards croisés sur des cas contrets - comprendre, prévenir, agir. Lyon: Chronique Sociale, 2012b. p. 13-26.

DEJOURS, C. Trabalho vivo. Brasília: Paralelo 15, 2012c.

DEJOURS, C. A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, v. 33, n. 2, p. 9-28, 2013. Disponível em: http://docplayer.com.br/24920304-A-sublimacao-entre-sofrimento-e-prazer-no-trabalho-1.html. Acesso em: 23 maio 2017.

DEJOURS, C. Travail, usure mentale: essay de psychopathologie du travail. Nouvelle édition augmentée. Montrouge: Bayard, 2015a.

DEJOURS, C. Le choix, souffrir au travail n’est pas une fatalité. Montrouge: Bayard, 2015b.

DEJOURS, C.; GERNET, I. Psychopathologie du travail. Issy-les-Moulineaux: Paris: Elsevier Masson, 2012.

DEJOURS, C.; MOLINIER, P. O trabalho como enigma. In: LANCMAN, S.; SNELWAR, L. I. (Ed.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004. p. 127-139.

DELFINO, L. G. Da boleia à previdência social: sentidos do afastamento do trabalho para caminhoneiros de rota longa. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia)–Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3105. Acesso em: 24 maio 2017.

DRUMOND, T. et al. Estratégias de defesa em constituição: entre a virilidade e a solidariedade. In: ZANOTELLI, C.; RAIZER, E. C. (Ed.). Violência e contemporaneidade: dimensões das pesquisas e impactos sociais. Vitória: Grafita, 2007. p. 189-205.

GUÉRIN, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Edgar Blücher, 2012.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007. doi: 10.1590/S0100-15742007000300005

INTERNATIONAL LABOR ORGANIZATION. The prevention of occupational diseases. Geneva: ILO, 2013.

LACAZ, F. A. C. O campo Saúde do Trabalhador: resgatando conhecimentos e práticas sobre as relações trabalho-saúde. Cad. Saúde Pública, v. 23, n. 4, p. 757-766, 2007. doi: 10.1590/S0102-311X2007000400003

LACAZ, F. A. C. Continuam a adoecer e morrer os trabalhadores: as relações, entraves e desafios para o campo Saúde do Trabalhador. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 41, n. 13, p. 1-11, 2016. doi: 10.1590/2317-6369000120415

LE GUILLANT, L. (Ed). Quelle Psychiatrie pour notre temps? Travaux et écrits de Louis Le Guillant. Toulouse: Erèsed, 1984.

MENDES, R.; DIAS, E. C. Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador. Revista de Saúde Pública, v. 25, n. 5, p. 341-349, 1991. doi: 10.1590/S0034-89101991000500003

MODZELESKI, A. Brasil fecha 1,5 mi de vagas com carteira em 2015, pior resultado desde 92. Uol Economia, Brasília, 21 jan. 2016. Disponível em: https://economia.uol.com.br/empregos-e-carreiras/noticias/redacao/2016/01/21/brasil-fecha-1542371-vagas-com-carteira-assinada-em-2015.htm. Acesso em: 21 maio 2017.

OLIVEIRA-DE-SOUTO, C. H. A relação sofrimento/prazer dos empresários do setor de seguros no exercício da sua atividade profissional. 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia)– Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017. Disponível em: http://tede.biblioteca.ufpb.br:8080/handle/tede/9125. Acesso em: 24 maio 2017.

OLIVEIRA, J. L.; MENDES, A. M. Sofrimento psíquico e estratégias defensivas utilizadas por desempregados: contribuições da psicodinâmica do trabalho. Temas em Psicologia, v. 22, n. 2, p. 389-399, 2014. doi: 10.9788/TP2014.2-10

PEZÉ, M. Ils ne mouraient pas tous mais tous étaient frappés. Paris: Pearson Éducation France, 2008.

RAMOS JÚNIOR, W. Reabilitação profissional realizada pelo INSS e a volta do trabalhador com baixa instrução para o mercado de trabalho. SaberaLei, São Paulo, 19 mar. 2016. Disponível em: http://saberalei.com.br/reabilitacao-profissional-realizada-pelo-inss/. Acesso em: 24 mai. 2017.

SALIM, C. A. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo em Perspectiva, v. 17, n. 1, p. 11-24, jan./mar. 2003. doi: 10.1590/S0102-88392003000100003

SANCHES, E. N. et al. Organização do trabalho, sintomatologia dolorosa e significado de ser portador de LER/DORT. Psicol. Argum., v. 28, n. 63, p. 313-324, 2010. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/pa?dd1=3933&dd99=view&dd98=pb. Acesso em: 23 maio 2017.

SANTOS, J. O. A. Compreendendo o papel da cooperação nos casos de afastamento do trabalho por motivo de doença. 2017. Dissertação (Mestrado)– Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017.

SCHWEITZER, S. Les femmes ont toujours travaillé: une histoire du travail des femmes aux XIXe et XXe siècles. Paris: Odile Jacob, 2002.

SELIGMANN-SILVA, E. Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

SILVA, E. F.; OLIVEIRA, K. K.; ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C. Saúde mental do trabalhador: o assédio moral praticado contra trabalhadores com LER/DORT. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 36, n. 123, p. 56-70, jan./jun. 2011. doi: 10.1590/S0303-76572011000100006

SIVADON, P. Psycho-pathologie du Travail. L’Evolution Psychiatrique, v. 3, p. 441-444, 1952.

THURIK, R. et al. ADHD Symptoms and Entrepreneurial Orientation of Small Firm Owners. Applied Psychology: an international review, v. 65, n. 3, p. 568-586, jul. 2016. doi: 10.1111/apps.12062

TOLDRÁ, R. C. et al. Facilitadores e barreiras para o retorno ao trabalho: a experiência de trabalhadores atendidos em um Centro de Referência em Saúde do Trabalhador - SP, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 35, n. 121, p. 10-22, jan./jun. 2010. doi: 10.1590/S0303-76572010000100003

VIDAL, D. Les bonnes de Rio: emploi domestique et société démocratique au Brésil. Villeneuve d’Ascq: Presses universitaires du Septentrion, 2007.

ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C. O trabalho como possível: o caso das pessoas com “transtornos mentais graves”. 2006. Tese (Doutorado em Psicologia)__Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006a.

ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C. Trabalhando com saúde: trabalho e transtornos mentais graves. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 1, p. 175-183, jan./abr. 2006b. doi: 10.1590/S1413-73722006000100020

ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C.; ATHAYDE, M. A. A contribuição da abordagem clínica de Louis Le Guillant para o desenvolvimento da Psicologia do Trabalho. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 6, n. 1, p. 6-19, jun. 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812006000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 24 maio 2017.

ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C. et al. O pioneirismo de Louis Le Guillant na reforma psiquiátrica e psicoterapia institucional na França: a importância do trabalho dos pacientes para a abertura dos hospícios. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 612-631, jan./dez. 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812009000300005. Acesso em: 24 maio 2017.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5866

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: