As Cidades que se Movem: o Corpo como Metáfora e Novas Práticas sobre o Espaço da Arte

Carlos Gomes de Lima Junior

Resumo


O presente artigo propõe, a partir das considerações de Michel de Certeau,
relacionar o corpo com a cidade tomando-a como metáfora do espaço da arte. A partir do conceito de museu, buscamos uma aproximação com o próprio existir do espaço urbano, pensando o caminhante da cidade e o visitante do museu como produtores de significações, criadores de parâmetros para o existir dos lugares, dos objetos e de si mesmo. A partir da observação das práticas de nomadismo, deslocar os limites da cidade para o espaço do corpo e das relações de afeto e apropriação, e finalmente refletir como a conexão de múltiplas vozes junto aos espaços públicos e bens culturais pode articular novos paradigmas de produção da arte e questionar as tradicionais definições de realidade e espaço.

Palavras-chave


cidade; espaço; museu; corpo; afeto

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, H. S. Art Worlds. Califórnia: University of California Press, 1982.

BOURDIEU, P.; DARBEL, A. O amor pela arte: os museus de arte na Europa e seu público. São Paulo: Zouk, 2003.

CALVINO, I. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das letras, 1990.

CERTEAU, M. A Invenção do Cotidiano: 1 – Artes do Fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

MALRAUX, André. O museu imaginário. Lisboa: Edições 70, 1965.

O GLOBO. Ruas de Tóquio viram galerias de arte. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 de dezembro de 2011, 19:40




DOI: https://doi.org/10.22409/gambiarra.0505.9-14

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1984-4565