Linguagens e ritmos da questão patrimonial: dos “selos” às “salas”: um patrimônio geográfico em construção / Languages and rhythms of issue of heritage: the "stamps" to "rooms": a geographical heritage under building

Christian Dennys Monteiro de Oliveira

Resumo


O estudo apresenta uma avaliação dos processos que fundamentam a questão do Patrimônio Cultural, destacando a necessidade de superação dos critérios de “excepcionalidade” em sua valorização. Resultado do acompanhamento de estratégias espaciais das festas religiosas cristãs, esse artigo aponta para os limites da política de certificação oficial dos bens patrimoniais (os “selos”) frente à ausência de uma política de gestão educativa dos mesmos bens. Seu objetivo, centrado nas formas simbólicas, é questionar o papel dos espaços públicos (as “salas”) na valorização dos bens e formação do intercâmbio entre diferentes comunidades. A investigação sobre o caso espanhol El Rocío/Doñana, como convívio conflituoso de realidades complexas (imaterial-cultural vs. material-natural), reuniu três componentes metodológicos para avaliação desta abordagem: os processos de conservação, inovação e visitação. Como conclusão aponta a necessidade de investimento em práticas criativas de turismo educativo, defendendo a ampliação das representações de pertencimento coletivo dos bens patrimoniais em questão.


Palavras-chave


Patrimônio, Turismo Educativo, Festas Religiosas, Pertencimento

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. La filosofía del no: Ensayo de una filosofía del nuevo espíritu científico Buenos Aires-Madrid. Amorrortu Editores, 2009

CABRAL, Clara Bertrand. Convenção do Patrimônio Cultural Imaterial. UNESCO. Lisboa, 2010.

CLAVAL, Paul. Terra dos Homens: A Geografia. São Paulo: Contexto, 2010.

DARDEL, Eric. O Homem e A Terra. Natureza da realidade geográfica. S. Paulo: Ed Perspectiva. 2011.

DIAS DE LA SIERNA, S.P. Rocío: la explosión de la gran devoción del sur en el siglo XX. Huelva. Almuzara. 2007

DUQUE, Aquilino.El mito de Doñana. Sevilla. Fundación José Manuel Lara. 2004

FEITOSA, Paulo Brito. Patrimônio Cultural da Nação: Tangível e Intangível Revista Aboré n2, p.1-17. Disponível em http://www.revistas.uea.edu.br/old/abore/artigos/artigos_2/Artigos

_Professores/Paulo%20Feitoza.pdf.. Acesso em 12/05/2012.

FERRARA, Lucrécia. Comunicação, Espaço e Cultura. São Paulo, Annablume. 2008

FONTAL MERILLAS, Olaia. La educación patrimonial: teoría y práctica en el aula, el museo e internet. Gijón, Ediciones Trea, S.L. 2003

GARCÍA, J. Eduardo. Educación Ambiental, Constructivismo y Complejidad. Una propuesta integradora. Sevilla: Díada Editorial, 2004.

JUNTA DE GOBIERNO DE ANDALUCÍA – IHPA. Paisaje y patrimonio cultural en Andalucía: usos e imágenes. Documentación del Instituto Histórico del Patrimonio de Andalucía. Dirección Román Fernández-Baca Césares. 2005

JUNTA DE GOBIERNO DE ANDALUCÍA – CTCD (2010). Balance del año turístico en Andalucía 2010. Disponível in http://www.juntadeandalucia.es/turismocomercioydeporte

/export/sites/ctcd/archivos/estadisticas/estadisticas-oficiales-de-ctcd/Balance_del_axo_turistico

_en_Andalucia_2010.pdf. Acesso em 12/05/2012

MORENO, Isidoro. Las Hermandades Andaluzas: una aproximación desde la Antropología. Sevilla, Universidad de Sevilla. 1999.

MULERO MENDIGORRI, A (2007). Espacios Naturales Protegidos y Ordenación del territorio en Andalucía. Universidad de Córdoba, Servicios de Publicaciones.

MURPHY, M; GONZÁLES FARACO, J.C. (Coord.). (2002). El Rocío: Análisis culturales e históricos. Diputación de Huelva. Servicios de publicaciones.

OLIVEIRA, Christian D. M. de. Formas Simbólicas Del Catolicismo El imaginario post-moderno de los santuarios marianos en el Brasil. Nadir: Revista electronica de geografia austral, v. 3, p. 70-83, 2011.

OLIVEIRA, Christian D. M. de. Festas Religiosas, Santuários Naturais e Vetores de Lugares Simbólicos. Revista da ANPEGE, v. 7, p. 93-106, 2011.

PELEGRINI, Sandra. Patrimônio Cultural: Consciência e Preservação. São Paulo, Brasiliense, 2009.

POULOT, Dominique. Uma história do Patrimônio no Ocidente, sec. XVIII - XXI. São Paulo. Estação Liberdade, 2009




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2013.32.a12862

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.