Córregos em São Paulo: a ocultação do avesso / Streams in São Paulo: the concealed reverse

Vladimir Bartalini

Resumo


Pelo paradigma urbanístico adotado na cidade de São Paulo, a partir dos anos 1930, os cursos d’água que caracterizavam o seu sítio foram reduzidos a meros elementos infraestruturais com vistas à resolução de problemas de drenagem de águas pluviais e disposição de esgotos, sendo seus vales destinados ao sistema viário. Atualmente, na tentativa de mitigar os prejuízos causados por tal modelo, preconiza-se a implantação de parques lineares ao longo dos rios ainda não tamponados. No entanto, ficam de fora inúmeros capilares da rede hídrica natural que, de tão alterados e afastados da cena pública, não são mais reconhecidos como córregos. Apenas alguns vestígios indiretos na superfície denotam a sua presença subterrânea. Presume-se que, uma vez identificados e adequadamente tratados, esses vestígios possam ser alinhavados de modo a reconstituir a trajetória dos córregos ocultados e, assim, contribuir, ainda que em um nível simbólico ou sugestivo, para que se dê a experiência da paisagem na cidade.


Palavras-chave


São Paulo; córregos ocultos; parques lineares; infraestrutura urbana; paisagem na cidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2014.41.a12886

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.