Paredes que falam: simbolismo e transgressão espacial na cidade de Natal-RN / Walls that speaks: symbolism and spacial transgression in Natal-RN

Pablo Raniere Medeiros da Costa, Alessandro Dozena

Resumo


A urbe é, poressência, multidimensional. Ela compreende as mais diversas formas de expressãoda sociedade no espaço e está exposta a diferentes apropriações einterpretações. Antes de gerar qualquer tipo de reação, o graffiti é umfenômeno social que atrai o olhar do outro. Buscamos abordar como a arte de ruaarticula ações marginais na cidade de Natal, extremamente consubstanciadas pelodiscurso dos nossos entrevistados. Para atingirmos tais ações, caracterizamosprimeiramente o tema pelas Crews(grupos de pichadores) e suas áreas de atuação, pelo traço, pela intenção etc.,e, procuramos desvendar os espaços de existência, de demarcação, de confronto,os territórios simbólicos e identidades com base espacial. Deste modo, foipossível exteriorizar uma cidade pulsante, em que o graffiti emerge comoum elemento enunciador de espaços-vividos, de percursos e discursos existencialmente espaciais; com um potencial educativo.

Palavras-chave


Territorialidades, Lugar, Graffiti, Educação, Natal

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Susana Távora de; OLIVEIRA, Rosa Maria de; COSTA, Nilza. O Graffiti. Uma perspectiva de comunicação na educação. Livro de Actas – 4º SOPCOM, 2006.

ARRAIS, Tadeu Pereira Alencar. Goiânia: as imagens da cidade e a produção do urbano. In: CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia da cidade: a produção do espaço urbano em Goiânia. Goiânia: Alternativa, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

CANTON, Katia. Espaço e Lugar. 1ª ed., São Paulo: Martins Fontes, 2009.

COSGROVE, Denis. A Geografia está em toda parte: Cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1998.

CLAVAL, Paul. A paisagem dos geógrafos. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagens, textos e identidade. Rio de Janeiro, 2004, p. 13 – 75.

CONDE, Idalina; CUNHA, Sandra. Graffiti – Arte ou vandalismo? Processos de legitimação. Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, 2003.

DOZENA, A. A Geografia do Samba na Cidade de São Paulo. São Paulo: PoliSaber, 2011.

FERREIRA, Yoshiya; MARANDOLA JR., Eduardo. Riscos ambientais e custos de urbanização: pressupostos teórico-metodológicos. Geografia: Revista do Departamento de Geociências, Londrina, v.10, n.1, p.15-26, jan./jun. 2001.

GANZ, Nicholas. O mundo do grafite: Arte urbana dos cinco continentes. São Paulo: Martins fontes, 2008.

GITAHY, Celso. O que é graffiti. São Paulo: Brasiliense, 1999.

GOMES, Paulo César da Costa. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

HOLZER, Werther. Memórias de viajantes: paisagens e lugares de um novo mundo. GEOgraphia, nº 3, 2000.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. (Trad.) Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MEDEIROS, Amanda de Oliveira. Território, música e identidade: Cultura Hip-Hop na Cidade de Natal. Monografia, UFRN, 2004.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 2a ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

________. Signes. Paris: Gallimard, 1960.

MOREN, Alice Belfort. A Vida dos muros cariocas: o grafite e as apropriações do espaço público de 2007 a 2009. (Dissertação) UFRJ/ PPGG, 2009.

NOGUÉ, Joan; ROMERO, Joan (eds). Las otras geografías. Valencia: Tirant lo Blanch (Colección Crónica), 2006.

RAMOS, Célia Maria Antonacci. Grafite, pichação & cia. São Paulo: ANNABLUME, 1994.

RIQUE, Lenyra. Do senso comum à Geografia científica. São Paulo: CONTEXTO, 2004.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. 4ª ed. São Paulo: EDUSP, 2009.

________. Por uma Geografia cidadã: por uma epistemologia da existência. In: Boletim Gaúcho. Porto Alegre, RS, n. 21, Ago. 1996.

________. Território e sociedade: entrevista com Milton Santos. 2ª ed., 4ª reimpressão São Paulo: EDITORA FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO, 2009.

SARTRE, Jean-Paul. O que é a literatura? São Paulo: 3ª ed., Ática, 2004.

SAUER, Carl O. Morfologia da paisagem. In: CORRÊA, R.L.; ROSENDHAL, Z. Paisagem, tempo e cultura. 2ª Ed. Rio de Janeiro: UERJ, 1998, p. 12 – 74.

SERPA, Angelo Szaniecki Perret. Lugares enunciados, lugares comunicados: processos identitários em Berlim e Salvador. Geograficidade. v.2, nº 2, 2012.

________. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.

________. Experiência e vivência, percepção e cultura: uma abordagem dialética das manifestações culturais em bairros populares de Salvador - Bahia. Revista Ra’e Ga. nº 8, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2014.41.a12889

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.