Paredes que falam: simbolismo e transgressão espacial na cidade de Natal-RN / Walls that speaks: symbolism and spacial transgression in Natal-RN

Pablo Raniere Medeiros da Costa, Alessandro Dozena

Resumo


A urbe é, poressência, multidimensional. Ela compreende as mais diversas formas de expressãoda sociedade no espaço e está exposta a diferentes apropriações einterpretações. Antes de gerar qualquer tipo de reação, o graffiti é umfenômeno social que atrai o olhar do outro. Buscamos abordar como a arte de ruaarticula ações marginais na cidade de Natal, extremamente consubstanciadas pelodiscurso dos nossos entrevistados. Para atingirmos tais ações, caracterizamosprimeiramente o tema pelas Crews(grupos de pichadores) e suas áreas de atuação, pelo traço, pela intenção etc.,e, procuramos desvendar os espaços de existência, de demarcação, de confronto,os territórios simbólicos e identidades com base espacial. Deste modo, foipossível exteriorizar uma cidade pulsante, em que o graffiti emerge comoum elemento enunciador de espaços-vividos, de percursos e discursos existencialmente espaciais; com um potencial educativo.

Palavras-chave


Territorialidades, Lugar, Graffiti, Educação, Natal

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Susana Távora de; OLIVEIRA, Rosa Maria de; COSTA, Nilza. O Graffiti. Uma perspectiva de comunicação na educação. Livro de Actas – 4º SOPCOM, 2006.

ARRAIS, Tadeu Pereira Alencar. Goiânia: as imagens da cidade e a produção do urbano. In: CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia da cidade: a produção do espaço urbano em Goiânia. Goiânia: Alternativa, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

CANTON, Katia. Espaço e Lugar. 1ª ed., São Paulo: Martins Fontes, 2009.

COSGROVE, Denis. A Geografia está em toda parte: Cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1998.

CLAVAL, Paul. A paisagem dos geógrafos. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagens, textos e identidade. Rio de Janeiro, 2004, p. 13 – 75.

CONDE, Idalina; CUNHA, Sandra. Graffiti – Arte ou vandalismo? Processos de legitimação. Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, 2003.

DOZENA, A. A Geografia do Samba na Cidade de São Paulo. São Paulo: PoliSaber, 2011.

FERREIRA, Yoshiya; MARANDOLA JR., Eduardo. Riscos ambientais e custos de urbanização: pressupostos teórico-metodológicos. Geografia: Revista do Departamento de Geociências, Londrina, v.10, n.1, p.15-26, jan./jun. 2001.

GANZ, Nicholas. O mundo do grafite: Arte urbana dos cinco continentes. São Paulo: Martins fontes, 2008.

GITAHY, Celso. O que é graffiti. São Paulo: Brasiliense, 1999.

GOMES, Paulo César da Costa. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

HOLZER, Werther. Memórias de viajantes: paisagens e lugares de um novo mundo. GEOgraphia, nº 3, 2000.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. (Trad.) Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MEDEIROS, Amanda de Oliveira. Território, música e identidade: Cultura Hip-Hop na Cidade de Natal. Monografia, UFRN, 2004.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 2a ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

________. Signes. Paris: Gallimard, 1960.

MOREN, Alice Belfort. A Vida dos muros cariocas: o grafite e as apropriações do espaço público de 2007 a 2009. (Dissertação) UFRJ/ PPGG, 2009.

NOGUÉ, Joan; ROMERO, Joan (eds). Las otras geografías. Valencia: Tirant lo Blanch (Colección Crónica), 2006.

RAMOS, Célia Maria Antonacci. Grafite, pichação & cia. São Paulo: ANNABLUME, 1994.

RIQUE, Lenyra. Do senso comum à Geografia científica. São Paulo: CONTEXTO, 2004.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. 4ª ed. São Paulo: EDUSP, 2009.

________. Por uma Geografia cidadã: por uma epistemologia da existência. In: Boletim Gaúcho. Porto Alegre, RS, n. 21, Ago. 1996.

________. Território e sociedade: entrevista com Milton Santos. 2ª ed., 4ª reimpressão São Paulo: EDITORA FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO, 2009.

SARTRE, Jean-Paul. O que é a literatura? São Paulo: 3ª ed., Ática, 2004.

SAUER, Carl O. Morfologia da paisagem. In: CORRÊA, R.L.; ROSENDHAL, Z. Paisagem, tempo e cultura. 2ª Ed. Rio de Janeiro: UERJ, 1998, p. 12 – 74.

SERPA, Angelo Szaniecki Perret. Lugares enunciados, lugares comunicados: processos identitários em Berlim e Salvador. Geograficidade. v.2, nº 2, 2012.

________. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.

________. Experiência e vivência, percepção e cultura: uma abordagem dialética das manifestações culturais em bairros populares de Salvador - Bahia. Revista Ra’e Ga. nº 8, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2014.41.a12889

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.