Sabor e paisagem – o que revela o pequi nesta imbricação de ser e essência cultural / Taste and Landscape – What revels the pequi in this imbrication of being and cultural essence

Lúcia Helena Batista Gratão

Resumo


O sabor é um desafio dos sentidos no estudo da paisagem. O sabor que brota da terra enquanto enraizamento e pertencimento é o desafio que incita a exploração geográfica pelo campo da imaginação e do imaginário da natureza. No interior desse campo, sentidos e sentimentos revelam valores culturais de um lugar ou região. Valores inscritos e circunscritos pela apreciação e valoração da paisagem. Por este campo de exploração, a paisagem é deslumbrada, acessada e apreciada pela via do sabor, via que ultrapassa a visão, sentido mais explorado nos estudos de percepção. O sabor é um elemento-alimento essencial na construção e reconhecimento de identidades locais e regionais. No interior desse campo de abordagem encontra-se o sabor do Pequi enquanto fruto e essência do Cerrado que revela a imbricação de ser-e-paisagem.


Palavras-chave


sabor, cerrado, pequi, paisagem, imaginação

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA, Mônica C. Sabores da cultura popular: tradições e mudanças. In: MACHADO, Maria C. T.; ABDALA, Mônica C. (Orgs.). Caleidoscópio de saberes e práticas populares (catálogo da produção do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba). Uberlândia: EDUFU, 2007, p. 99-108.

______. A captura do cerrado e a precarização de territórios: um olhar sobre sujeitos excluídos. In: ALMEIDA, Maria G. (Org.). Tantos cerrados: múltiplas abordagens sobre a biodiversidade e singularidade cultura. Goiânia: Ed Vieira, 2005.

______. Em busca do poético do sertão. In: ALMEIDA, Maria G.; RATTS, Alecsandro J. P. (Orgs.). Geografia: leituras culturais. Goiânia: Alternativa, 2003.

BACHELARD, G. A Poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1988a.

______. A Poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1988b.

BAILLY, Antoine; SCARIATI, Renato. Voyage en géographie – une géographie pour le monde, une géographie pour tout le monde. Paris: Ed. Economica, 1999.

BESSE, Jean-Marc. Ver a terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CORALINA, Cora. Poemas dos becos de Goiás e estórias mais. São Paulo: Global, 1987.

______. Villa Boa de Goyaz. São Paulo: Global, 2003.

______. Vintém de cobre: meias confissões de Aninha. São Paulo: Global. 2007.

DARDEL, Eric. O Homem e a Terra: Natureza da realidade geográfica. (Trad. Werther Holzer.) São Paulo: Perspectiva, 2011.

COUTINHO, Paula. Goianidade: o que é isso? Disponível em: . Acesso em: 09 mai. 2011.

COUTO, Mia. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GRATÃO, Lúcia Helena B. Por Entre Becos & Versos – a poética da cidade vi(vi)da de Cora Coralina. In: MARANDOLA JR., Eduardo; GRATÃO, Lúcia Helena. (Orgs). Geografia & literatura – ensaios sobre geograficidade, poética e imaginação. Londrina: EDUEL, 2010a.

_______. Lúcia Helena B. “O Rio” – ARAGUAIA! pela perspectiva da geopoética. In: ALVES, Ida F.; FEITOSA, Marcia M. M. (Orgs.) Literatura e paisagem: perspectivas e diálogos. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2010b.

_______. Lúcia Helena B. Sabor & saberes no destino turístico – valoração de paisagem e identidade cultural. In: IV Simpósio de Turismo Sertanejo: Arranjos produtivos do turismo. ISBN: 978-857745-275-0. Caruaru, 2009 [CD-ROM].

_______. Lúcia Helena B. (Agri)cultura cerradeira e agronegócio: olhar alerta e grito de conservação! In: PAULINO, E. T; FABRINI, J. E. (Orgs). Campesinato e territórios em disputa. São Paulo: Expressão Popular: UNESP, 2008, p. 469-489.

_______. A Poética d' "O RIO" – ARAGUAIA! De cheias... & vazantes... (À) Luz da Imaginação. 2002. Tese (Doutorado em Geografia Física) — Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. (Mitológicas 1.) São Paulo: CosacNaify, 2004. 442p.

MALTY, Larrisa. Alumeia – o cerrado que a velha conta: gestão ambiental e performance. Brasília: LGE Editora, 2010.

MOLINA, Suely F. L. Sobre comidas e o ato de comer em Goiás: uma reflexão acerca da goianidade. In: CHAUL, N. F.; RIBEIRO, P. R. (Orgs.) Goiás: identidade, paisagem e tradição. Goiânia: Ed. UCG, 2001.

MONTANARI, Massimo. Comida como cultura. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

OLIVEIRA, Lívia de. Os estudos de percepção do meio ambiente no Brasil. OLAM, Rio Claro, v. 4, n. 1, p. 22-26, abril/2004.

______. Percepção do meio ambiente e Geografia. OLAM, Rio Claro, v. 1, 2001. [CD-ROM]

______. Percepção da paisagem geográfica: Piaget, Gibson e Tuan. Geografia, Rio Claro, v. 25, n. 2, p. 5-22, 2000.

PRINCE, Hugh C. The geographical imagination. Landscape, v. 11, n. 1, p. 22-25, 1961.

______. Real, imagined an abstract worlds of the past. Progress in Human Geography, v. 3, p. 1-86, 1971.

SABOYA, Vera. Ateliê culinário para viagem: crônicas, receitas e um pequeno guia astronômico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

SOMMERS, Brian J. Geografia do vinho. Osasco: Novo Século Editora, 2010.

TRUBEK, Amy B. The taste of place: a cultural journey into terroir. Berkeley: Univesity of California Press, 2008.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: Um Estudo da Percepção, Atitudes e Valores do Meio Ambiente. (Trad. Lívia de Oliveira.) São Paulo: DIFEL, 1980.




DOI: https://doi.org/10.22409/geograficidade2014.40.a12906

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Geograficidade

 

 

Logotipo do Crossref Licença Creative Commons

Todos os textos da revista Geograficidade, do Grupo de Pesquisa Geografia Cultural Humanista estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.